Discos: Errol Brown

Por Miguel Arsénio


Medley Dub
Backshot / Hydra Inc.
9/10


É fascinante reparar como a música dub nunca alimentou qualquer complexo por ser um género enraizado na vontade de fazer versões. Hoje existem versões dub de quase tudo e o recurso tornou-se aos poucos banal. Não podemos contudo esquecer que as primeiras investidas de uns quantos senhores, espalhados pelos estúdios de Kingston, procuravam muito mais tentar perceber até que ponto uma mesa de mistura podia expandir uma canção do que encontrar uma nova finalidade comercial para a mesma. O dub, apesar de toda a apropriação que envolve, partiu de uma curiosidade pura.

Terá sido esse tipo de curiosidade que atirou também o engenheiro de som Errol Brown para os comandos da mesa de mistura para assim criar essa pequena maravilha chamada Medley Dub. O disco que a High Note (propriedade da produtora Sonia Pottinger) lançou nos primeiros anos da década de 70 recorre a uma série de melodias populares (caso de “Rivers of Babylon”) para atiçar o ouvido e depois faz por esquecê-las na dilatação habitual do dub. Muitas vezes, quando a melodia está demasiado eminente e familiar ao ouvido, Errol Brown puxa do eco, como se fosse o seu melhor trunfo, e o dub passa a prevalecer sobre tudo. É uma manobra bonita de se escutar e, a cada tema que toca, coloca Errol Brown mais umas quantas casas acima na tabela dos (muitos) produtores jamaicanos a ter em conta.

Reconhecido como um aficionado do dub e nem tanto como um músico, Errol Brown traz até Medley Dub canções que eram de todos e não eram de ninguém. Nada de especialmente surpreendente, já que essa difusão da autoria acontece desde que a folk é folk, e alguns dos temas adaptados por Errol Brown mais não são do que canções das pessoas. Medley Dub, como tantos outros discos da Jamaica daquele tempo, quase parece um bem comunitário como uma horta de todos.

Dado o enorme valor de Medley Dub, não deixa de ser estranho que a sua paternidade fosse um dado incerto até ao momento em que Steve Barrow (autoridade no reggae) esclareceu que o disco era de Errol Brown e não dos Revolutionaries, como se chegou a pensar. A culpa de tamanha confusão pode também ser atribuída à escassa informação na capa original ou à coincidência de Errol Brown ser homónimo do vocalista mariconço dos Hot Chocolate (quem nunca cedeu ao deboche de “You Sexy Thing”?). Mas o que importa é que Medley Dub aqui está num digipack da Backshot (filial da Hydra Inc.), que é muito provavelmente uma das mais essenciais reedições que por aqui aterrou ultimamente.

Comentários