Publicidade
Outros

O neonazi Christopher Cantwell já foi publicado por sites neoliberais do Brasil

Procurado pela polícia e protagonista do doc "Charlottesville: Raça e Terror", Cantwell teve textos reproduzidos no site do Instituto Mises Brasil.

Marie Declercq

Foto via VICE News.

Essa matéria será atualizada conforme o desenrolar dos fatos. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO 18/08 às 17:34.

Nesta semana o mundo descobriu a existência de Christopher Cantwell, um supremacista branco que deu uma entrevista para a VICE NEWS ("Estou carregando uma pistola, eu vou para a academia toda hora. Estou tentando me tornar mais capaz para a violência") sobre a passeata "Unite the Right" que uniu centenas de neonazistas e outros membros da extrema-direita para impedir a retirada de uma estátua de um herói dos Confederados na cidade de Charlottesville, nos EUA. Após dar entrevista para a VICE NEWS, Cantwell teve que lidar com seus próprios atos, assim como o organizador do evento Jason Kessler, e gravou um vídeo chorando as pitangas dizendo que talvez seria preso por causa da porradaria e que fez de tudo para não ser um "protesto violento". Palavras dele. Agora, Cantwell está oficialmente sendo procurado pela polícia por duas acusações envolvendo Charlottesville.



Mas, antes do vídeo, quem realmente era Christopher Cantwell para os brasileiros? Por que nós deveríamos dar dois putos para a sua existência?

Christopher mora em New Hampshire e assim como a maioria das personalidades da extrema-direita, fez sua popularidade e influência entre os supremacistas por meio das redes sociais. Por conta de suas opiniões ofensivas foi suspenso algumas vezes do Facebook, raramente aparece no Twitter por conta da possibilidade de denúncias e apresenta um podcast e um site chamado Radical Agenda, nos quais sustenta teorias como a de que judeus controlam todos nós junto com as minorias para que os homens brancos norte-americanos não consigam ter porte de armas, além de esbravejar sobre como o feminismo está acabando com o empoderamento masculino, entre outras opiniões "saudáveis".

Apesar desse combo, ao contrário de seguir fielmente o protocolo do conservador autoritário que defende o nazismo e ama o poder estatal, Cantwell é mais antenado, então se identifica em vários de seus textos como um libertário e também como um anarcocapitalista. Em 2015, inclusive, Cantwell fez um post em seu site afirmando que se inscreveu novamente no Partido Libertário dos EUA — e ano passado deu diversas opiniões sobre como os libertários deveriam ser mais "pragmáticos" e votassem no Donald Trump.

Textos de Cantwell foram traduzidos e publicados pelo Instituto Mises Brasil e também por um blog anarcocapitalista — que, só podemos concluir, é feito por adolescentes — chamado Foda-se o Estado. Ambos os veículos se consideram libertários de carteirinha, obviamente, e vira e mexe traduzem alguns textos de membros da alt-right e simpatizantes para xingar a intervenção estatal. (Quanto aos colunistas brasileiros, estes preferem chamar a CLT de fascista e depois acionar a mesma Justiça Trabalhista para reaver seus direitos).

Os vários textos publicados no IMB sobre o nazismo ser de extrema-esquerda.



Ainda que o Instituto Mises seja, talvez, um dos maiores responsáveis em disseminar o revisionismo sobre a ditadura nazista ter sido de extrema-esquerda e não de extrema-direita, impressiona ver o site publicando conteúdos do abertamente racista e supremacista branco Cantwell. É mais um fato que comprova a má fé intelectual de parte da libersfera brasileira que não tem limites — e nem vergonha na cara.

Publicidade

Após a publicação dessa matéria, o Instituto Mises Brasil apagou o artigo de Cantwell em seu site oficial. No entanto, o Instituto Rothbard (uma dissidência menorzinha do Instituto Mises) continua com o artigo do neonazista e justifica que está "pouco se fudendo para o que a merda esquerdista Vice diga para tentar difamar os libertários".

Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram.

Mais de vice