Publicidade
Sexo

Achas que o amor não existe? Estes filmes são para ti

Se não estás no espírito de foleiradas cor-de-rosa e jantares à luz de velas, aqui tens uma lista de filmes disponíveis em plataformas de streaming, que provam que isto do amor... é tudo mentira.

Por Peter Slattery, e Emerson Rosenthal; Traduzido por Madalena Maltez
14 Fevereiro 2018, 4:51pm

Screenshots via Netflix

Este artigo foi originalmente publicado na VICE USA.

Há mais ou menos dois anos, armei-me em Liz Lemon. Tinha um caso com uma pessoa já há algumas semanas e decidi convidá-la para um encontro a sério: jantar e cinema. Ela disse que sim e tudo parecia bem, quando, depois de uma breve pausa nas mensagens, ela me envia um “olha... sabes que domingo à noite é Dia dos Namorados, certo?”.

Não. Claro que eu não sabia que a data que tinha sugerido era o Dia de São Valentim. Já que tinha, sem querer, transformado a minha vida num episódio de 30 Rock, tentei remediar a situação da única maneira possível: comida tailandesa e escolher o pior filme disponível. Decidimo-nos pelo Touched with Fire, um drama sobre dois poetas bipolares (Katie Holmes e Luke Kirby) que se conhecem num hospital psiquiátrico e se apaixonam tóxica e loucamente.

O filme, que retrata a deterioração de um relacionamento, faz lembrar a história atribulada de Katie Holmes tanto com Tom Cruise, como com a Cientologia, ou seja, está longe de ser apropriado para um primeiro encontro no dia mais romântico do ano. Ainda assim, divertimo-nos.

O que quero dizer com tudo isto é que o Dia de S. Valentim é o que tu fizeres dele. Se estás todo apaixonado e quiseres comemorar com uma comédia romântica, força nisso, mas se estás numa de “hello darkness my old friend” neste dia demasiado cor-de-rosa, aqui vão alguns filmes disponíveis em plataformas online, videoclubes de operadores de televisão, ou num DVD baratinho numa loja perto de ti.

45 Years

Será que alguma vez se chega a conhecer realmente uma pessoa? O drama britânico de Andrew Haigh leva a ideia de casamento ao limite do difícil, quando a irrepreensível Charlotte Rampling se depara com um corpo congelado há décadas, dias antes de comemorar o 45º aniversário de casamento com o seu marido, representado de forma brilhantemente diabólica por Tom Courtenay. E, se depois disto ainda tiveres estômago, recomendo que vejas logo a seguir The Night After Porter. [Disponível no Filmin. Clica no título]

Raw

Este drama de terror, Raw, leva a frase “podia-te comer” a todo um novo nível. A realizadora francesa Julia Ducournau conta como um ritual numa escola de veterinária leva a uma obsessão dos estudantes por carne humana. Nesta onda para lá de anti-romântica, foram várias as pessoas que literalmente desmaiaram em festivais de cinema que projectaram o filme. [Não o encontrámos disponível em Portugal em nenhuma plataforma online legal, mas isso não deverá ser um problema]

Boogie Nights

Apesar de 2018 ser o ano do lançamento do website Make Love not Porn, o clássico de Paul Thomas Anderson leva-nos de volta aos loucos dias de 1977, em que o lema era mais do tipo “não faças amor, faz porno”. Uma história de fraquezas e falhas humanas, mas com Mark Wahlberg a usar um pénis postiço de 30 cm. [Não o encontrámos disponível em Portugal em nenhuma plataforma online legal, mas o DVD é barato e também está disponível nos videoclubes dos operadores de televisão]

The Tribe

Por alguma razão, já tínhamos incluído The Tribe na lista de filmes para ver mocado, mas este drama ucraniano sobre um gang de estudantes numa escola para surdos também encaixa na perfeição nesta lista de filmes não apropriados para um encontro romântico. Contado na íntegra em linguagem gestual e sem legendas, passa por um breve momento de ternura, para logo entrar numa espiral de violência gratuita e culminar num final bem sangrento. [Disponível no Filmin. Clica no título]

Heathers

Achavas que Christian Slater era o homem dos teus sonhos? É melhor repensares, porque o homem é um verdadeiro psicopata! Moral da história: os homens não valem nada e devias era ter escolhido passar o teu tempo com a Martha Dunnstock desde o princípio. [Este é mais complicado de encontrar, mas nada que mais 10 minutos de busca não resolvam].

Before Midnight

A sequela da sequela daquele que é provavelmente o filme mais romântico de sempre, Before Midnight, vem desvendar o que realmente acontece quando dois apaixonados se começam a fartar das merdas um do outro. Emocionante, intenso e com um final sombrio, este último filme da comovente trilogia é, como sugere o nome, bem mais negro do que os anteriores. [Videoclubes na box, ou DVD, não falha]

The Human Centipede

Tal como escreveu Martyn Conterio, da VICE UK, há uns anos atrás, o “pressuposto e o diagnóstico social em The Human Centipede – uma tese escrita simbolicamente em fezes – são deslumbrantemente sombrios”. Perfeito para o Dia de S. Valentim de 2018. [Outro que exige mais de ti. Anda, és capaz. Acredita!]

The Panic in Needle Park

Sete anos antes de Requiem for a Dream ter sido escrito, Pacino arrastava-se pelas ruas de Nova Iorque à procura da sua próxima dose, destruindo pelo caminho todos aqueles que gostavam dele. O que é que pode ser mais forte que o amor? Só o vício, claro. [O enredo adensa-se, a busca torna-se cada vez mais complicada, mas tu sabes que na internet cabem todos os mundos deste mundo]

Margot at the Wedding

Um título alternativo para este drama familiar de Noah Baumbach podia ser “White People on Their Worst Behaviour” [ou “Brancos no seu pior!” se tivéssemos mesmo que o traduzir]. Uma gélida Nicole Kidman naquilo que poderia ser uma simples história de regresso a casa, mas é com a sua maneira de ser amarga que nos leva a gostar dela, deixando-nos a pensar, no fim, em quão insensível se pode ser. [Netflix. Fácil. Clica no título]

Teeth

Já lá vão mais de 10 anos desde a estreia de Teeth em Sundance, mas este terror/comédia da vagina dentata (vagina com dentes) ficou marcado como um clássico do culto feminista. Tal como Sirin Kale escreveu o ano passado na nossa plataforma Broadly, Teeth é mais do que uma “poderosa crítica à cultura puritana na América”, é também “um afiado comentário sobre a titularidade e direito dos homens, sobre consenso e sobre violência sexual".

The Imitation Game

Foi o amor a única e exclusiva causa da morte deste criptógrafo que desvendou o código nazi. Nada mais, nada menos. Nas palavras imortais do único cientista a quem ainda toda a gente dá ouvidos, “Quebra o ciclo, Morty. Sai por cima: concentra-te na ciência”. [Videoclube da box, DVD, enfim, este é dos fáceis]

Nymphomaniac: Part 1 and Nymphomaniac: Part 2

Foi o sádico dinamarquês Lars von Trier quem pintou o retrato mais sombrio das relações humanas desde que Sade escreveu Justine. Há amor, há sexo e há foder. Nymphomaniac debate os três em igual medida. [Quem procura sempre alcança. Vais ver que não é complicado].

Já viste isto tudo? Então dá uma vista de olhos na nossa lista dos melhores filmes na Netflix para se ver mocado [ou nos candidatos aos Óscares a que já deitámos o olho]. De nada!


Segue Peter Slattery no Twitter.

Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.

Tagged:
cinema
Features
ONLINE
romance
filme
Filmes
Dia dos Namorados
casais
amor
namorados
Dia de São Valentim
best love movies
fILMIN
meo videoclube
o amor está morto
ver filmes