Marcelo Camargo_Agência Brasil
Médium João de Deus
Noticias

Tudo o que sabemos sobre o caso do João de Deus

O líder espiritual é acusado de abusar sexualmente por mais de 500 mulheres.
17.12.18

O médium João Teixeira de Faria, 76, conhecido mundialmente como o João de Deus, se entregou à polícia às 16h20 de domingo, 16, em uma estrada de terra perto de Abadiânia, interior de Goiás, cidade onde fazia atendimentos espirituais.

O líder espiritual que atuava na Casa de Dom Inácio de Loyola é acusado de abuso sexual por mais de 500 mulheres e teve a prisão decretada na sexta-feira (14), a pedido da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO).

Publicidade

Em mais de quatro horas de depoimento, que ocorreu na Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), em Goiânia, o médium não confessou crime em nenhum dos casos investigados. A partir dos depoimentos das vítimas e do acusado, o delegado afirma que há um padrão de ação no comportamento de João de Deus para com as vítimas.

Logo após as primeiras denúncias, João de Deus retirou de sua conta bancária mais de 35 milhões e promotores investigam a possibilidade de lavagem de dinheiro. No entanto, o advogado de defesa, Alberto Toron, alega ter sido apenas uma retirada de dinheiro normal.

Quem também fez a denúncia de ter sido abusada sexualmente por João de Deus foi sua própria filha, Dalva Teixeira. Ela contou como foi abusada sexualmente e espancada pelo próprio pai quando criança, entre 10 e 14 anos de idade em entrevista.

Até o momento, o Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO) e a Polícia Civil contabilizam mais de 500 denúncias contra o médium. Entre as mulheres que denunciaram o caso ao MP, 30 já foram ouvidas e a polícia colheu depoimentos de outras 15 mulheres. O delegado afirmou que o médium João de Deus, por utilizar da fé para praticar os abusos, poderá ainda ser enquadrado em outros crimes, como de “violência sexual mediante fraude”.

A história veio à tona nacionalmente quando no dia 07 de dezembro, o programa Conversa com Bial em que o apresentador Pedro Bial, junto com a repórter Camila Appel, entrevistou individualmente dez mulheres que afirmavam terem sido assediadas pelo médium João de Deus durante consulta. Ali era só o começo de uma série de denúncias que acusavam o líder espiritual de crimes de abuso sexual.

Publicidade

Nascido em 24 de junho de 1942, no povoado de Cachoeira da Fumaça, João é o caçula de seis filhos. Desde 1976, o João de Deus faz atendimentos espirituais na pequena cidade Abadiânia, em Goiás. A região recebia milhares de visitantes, inclusive artistas e personalidades, que iam em busca de ajuda espiritual, cirurgias milagrosas e até mesmo curas de doenças, tudo através da suposta mediunidade de João de Deus, que mostrava-se incorporado por entidades religiosas.

“Ele pegava na minha mão, pra eu pegar no pênis dele. E eu tirava a mão. E ele falava: ‘Você é forte! Você é corajosa! O que você está fazendo tem um valor enorme”. Depoimentos como esses apareceram em rede nacional no programa. A maioria das mulheres tiveram medo de mostrar o rosto e revelar suas identidades. A primeira mulher que aceitou se identificar, Zahira Lieneke Mous, mora fora do Brasil.

Zahira Lieneke Mous / Reprodução Globoplay

Zahira Lieneke Mous / Reprodução Globoplay

Após repercussão do caso e tantas denúncias, algumas celebridades que já divulgaram ou mesmo que já foram pacientes do médium, se pronunciaram em suas redes sociais, a exemplo da atriz Bárbara Paz.

Atriz Bárbara Paz desabafa no Instagram / Reprodução

Postagem da atriz Bárbara Paz / Reprodução Instagram

A apresentadora Xuxa Meneghel também publicou um vídeo pedindo desculpas aos seus fãs, se dizendo envergonhada por um dia já ter divulgado o trabalho do líder espiritual, agora preso, João de Deus.

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes, as investigações irão se concentrar nos 15 casos de abuso que foram ouvidos pelas polícia. O delegado acredita que após a prisão de João de Deus, outras vítimas serão encorajadas a fazer novas denúncias.

Promotores e psicólogos estarão disponíveis para ajudar as vítimas que denunciarem, que podem enviar os depoimentos para o e-mail denuncias@mpgo.mp.br. O caso, que pode ser o maior caso de abuso sexual do Brasil e um dos maiores do mundo até agora.

Durante ação de busca e apreensão nas propriedades do médium, a Polícia Civil apreendeu, na terça-feira (19), cinco armas de fogo e cerca de R$ 405 mil e mais cédulas em dólares americanos, australianos, pesos argentinos, francos suíços e euros em casas de João de Deus.

O material foi encontrado em diversos locais de quarto dele, entre eles um fundo falso no armário do cômodo. O delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes, informou que até o momento não se sabe o motivo de o médium manter as armas e a alta quantia de dinheiro em seus imóveis. O caso segue em investigação.