Noisey

"Dreams", do Fleetwood Mac, voltou às paradas porque é uma sonzeira atemporal

A icônica faixa do 'Rumours' não precisa de um meme de Twitter para reafirmar sua eterna relevância pop.
4.4.18
Foto do Getty Images

Uma banda que aparentemente escapou da reavaliação frequente da música (Migos é melhor que os Beatles, 2Pac na verdade é horrível, etc) é o Fleetwood Mac. O FM é verdadeiramente atemporal, graças ao seu som extremamente difícil de definir, mas extremamente cativante, ao brilho de Lindsay Buckingham e à imensamente influente bruxa Stevie Nicks. É essa longevidade que pode ter ajudado um meme do Twitter a trazer um dos clássicos mais poderosos do Mac de volta às paradas da Billboard mais de 40 anos após seu lançamento.

Publicidade

No dia 22 de março, o usuário do Twitter @bottledfleet postou um vídeo de líderes de torcida fazendo uma coreografia ao som de "Dreams", do Fleetwood Mac, como uma piada a uma piada sobre a música da banda ser "chata".

O tweet se tornou viral e "Dreams" voltou às "Hot Rock Songs" da Billboard na posição 14 nessa semana. De acordo com a Billboard, o álbum Rumours também reapareceu na lista de Top Álbuns de Rock. Faz muito tempo desde que ambos trabalhos originalmente ficaram no topo do Hot 100 e o Billboard 200 em 1977, mas essa recente ascensão é similar à recente ressurreição de "Africa", do Toto. A ressonância desse meme é um testamento da longevidade de uma relíquia supostamente muita velha para a gerações mais novas. "Dreams" não é a melhor música de todas ou o maior hit de todos os tempos, mas é uma grande música num sentido de que tem um efeito imediato em qualquer público.

A sedutora simplicidade e ternura de "Dreams" a ajuda a ter sucesso onde outras canções de rock clássicas falharam. Não há nenhum grande riff de guitarra ou batida titânica ou refrão de grupo. São apenas dois acordes, um fá maior e um sol maior, com um menor que eu acho que só aparece uma vez durante a ponte. Os acordes comunicam movimento constante, sem resolução para o dó maior de início da música. Junte isso com um pulso descontraído, mas implacável, que encontra o ponto intermediário entre o R&B e o país, e o arranjo já é mágico antes que Nicks abra sua boca.

É claro que "Dreams" pertence a ela completamente quando ela o faz, e o momento em que o resto do Fleetwood Mac se junta a ela no refrão está no mesmo nível da mudança de tom em "Africa" na sua capacidade de persuadir um coro de cantores bêbados (ou totalmente sóbrios) de quem estiver por perto. "Dreams" é inquestionavelmente gigante de maneiras que as paradas não podem medir, e provavelmente permanecerá assim por todo o sempre.

Leia mais no Noisey, o canal de música da VICE.
Siga o Noisey no Facebook e Twitter.
Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.