Games

O Steam anunciou que não vai mais aceitar bitcoins

“Aceitar bitcoins como uma opção de pagamento se tornou insustentável.”
Crédito: BTCKeychain/Flickr

O bitcoin é um método de pagamento fascinante, confuso e magicamente eficiente para que as pessoas acumulem valores. O problema é que ele se tornou bastante inconveniente para a maioria das pessoas. Tudo vai muito bem se você tiver uma quantidade da moeda digital que valha mais de 10.000 dólares, mas como você faz para usar essa grana no supermercado ou para comprar jogos?

Bem, agora isso está ficando um pouco mais difícil. O popular mercado de games Steam anunciou ontem que não irá mais aceitar bitcoins como pagamento.

Publicidade

O Steam ostenta um banco de usuários na faixa das dezenas de milhões. O serviço acrescenta usuários novos a uma taxa de aproximadamente 1,5 milhões por mês e é uma força de mercado poderosa no espaço de distribuição digital. O Steam acrescentou a forma de pagamento em bitcoins em abril do ano passado.

De acordo com a Valve, a empresa por trás do Steam, a volatilidade do bitcoin o torna muito instável como método de pagamento. Em um ano, o valor do bitcoin foi de 700 dólares por moeda para mais de 10.000 dólares, e ele está suscetível a uma perda de milhares de dólares do dia para a noite. Tudo bem para investidores, mas nem tanto para os comerciantes.

“O nível de volatilidade ficou excessivo nos últimos meses, perdendo até 25% de valor em questão de dias”, explicou a empresa em um post em seu blog na quarta-feira. Basicamente, se alguém pagar uma fração de bitcoin por um jogo, ele pode valer 70 dólares por algumas horas, mas no momento em que a transação for efetuada pela rede Bitcoin, a mesma quantidade de bitcoins poderá valer muito mais que isso – ou muito menos.

Além disso, a equipe do Steam afirmou que as altas taxas cobradas pela rede do bitcoin não incentivam os pagamentos de games.

“Nos últimos meses, vimos um aumento da volatilidade do valor do bitcoin e um aumento significativo nas taxas de processamento das transações pela rede Bitcoin”, escreveu a equipe do Steam. “As taxas de transação cobradas aos clientes pelo bitcoin aumentaram significativamente este ano, chegando a 20 dólares por transação na semana passada.”

Publicidade

As altas taxas de transações da Bitcoin e a demora na confirmação são pontos de grande debate e consternação na comunidade das criptomoedas. Um código chamado “segregated witness” foi lançado este ano, mas praticamente não teve efeito devido à sua baixa adesão.

A equipe do Steam afirmou que os usuários costumavam pagar 20 centavos de dólar por transação com bitcoin logo que eles acrescentaram a criptomoeda na plataforma no ano passado. Agora, esse valor pode ser ainda maior. O que é muito ruim, mas essa volatilidade do bitcoin no mercado é ainda pior. A moeda digital perde e ganha valor em uma taxa absurdamente incrível, sendo difícil para a maioria das pessoas acompanhar o que está acontecendo. Neste momento, a moeda está valendo muito, mas os observadores do mercado não têm certeza se esse valor permanecerá assim ou se quebrará e sumirá com milhões dos usuários.

Quando um usuário compra um jogo com bitcoin e o valor caiu antes que a transação fosse efetuada, a Steam poderá devolver para o usuário ou solicitar que ele envie mais bitcoins para cobrir o valor. De qualquer modo, o comprador terá que pagar as taxas de bitcoins duas vezes. Muitos usuários do Steam caíram nessa armadilha, para o gosto da Valve, vendo seu valor de bitcoin diminuir quando tentavam comprar um jogo.

“Neste momento, tornou-se insustentável aceitar o bitcoin como opção de pagamento”, disseram. “Poderemos reavaliar se o bitcoin faz sentido para nós e para a comunidade Steam mais adiante.”

É mais um local onde os usuários não poderão gastar tão facilmente suas moedas digitais. Cada vez mais, a criptoeconomia deixa de ser um veículo alternativo de comércio para uma commodity acumulada pelos mais ricos.

Leia mais matérias de ciência e tecnologia no canal MOTHERBOARD.
Siga o Motherboard Brasil no Facebook e no Twitter.
Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram .