Astrologia

Por que tantas tretas acontecem quando Mercúrio está retrógrado

Astrólogos explicam o fenômeno astral que descarrilha a vida de muita gente. Ou ao menos de quem acredita.
27.11.18
Imagem do planeta Mercúrio
Imagem via Pixabay

Mercúrio está retrógrado. Pronto, é só ouvir esta frase que a galera causa e logo vem o medo de dar ruim em tudo o que pode acontecer. Há quem não faça ideia do que isso quer dizer também.

O planeta cinzento é considerado como o planeta da comunicação, das ideias, que rege a forma como pensamos, articulamos, e também tem relação com tudo que é transporte, explica a astróloga Jacqueline Cordeiro. "Sistema bancário, Correios dão uma travada, emperra. O e-mail pode não ter ido. Esse viaduto que acabou de cair, logo quando Mercúrio entrou em retrogradação", explana.

Publicidade

Em São Paulo, o viaduto da Marginal Pinheiros cedeu em pleno dia em que Mercúrio começou sua retrogradação, em 15 de novembro. Na semana passada, por exemplo, o apresentador Fabio Porchat contou nas redes a saga para pegar um voo para o Rio de Janeiro, que na verdade o fez parar em Maceió. Causa, motivo e circunstância justificada por Fabio? O tal do mercúrio retrógrado. A linha verde do Metrô parou na capital paulista na última segunda (28). Suspeitas?

O menor planeta do sistema solar leva essa má fama quando seu curso está retrógrado. São de oitos a 15 dias em que Mercúrio consegue influenciar o trânsito astral, quando seu eixo faz um giro completo em torno do Sol e em uma dessas ocasiões se aproxima mais da Terra e fica entre os dois astros. “Quando esse movimento acontece, dá impressão que faz o signo andar de frente para trás", conta o astrólogo Guilherme Salviano.

E isso pode afetar quem? Segundo o astrólogo, todas as pessoas conforme o mapa astral são propensas a revisões, ajustes e contratempos, mas são os nascentes, ascendentes e com ênfase em planetas regidos por Gêmeos e Virgem, que sentem mais as alternâncias e efeitos deste curso.

Jacqueline também ressalta que estes dois signos são regidos por Mercúrio e sofrem influências astrais. "As coisas travam mais. Se a pessoa trabalha na área da comunicação, é professor, é palestrante, tem problema das coisas não funcionarem, falar demais. O peixe morre pela boca", exemplifica a astróloga, dizendo que este é o momento de refletir para responder depois. "Se fizer na lata, realmente vai ter problemas."

Publicidade

Além disso, como o planeta está retrógrado em Sagitário, os sagitarianos não se safam dessa. Assim como o oposto complementar, que são os geminianos. Ambos os nativos desses signos sofrem bastante e podem acabar falando pelos cotovelos e arranjarem problemas que só vão se livrar quando tudo voltar ao curso normal em 6 de dezembro, segundo a astróloga.

"A maior parte das pessoas exageram", conta Salviano. O astrólogo comenta que contratempos de rotina são mais frequentes e visíveis nesse período, por ser um momento de fim de ciclo. Entretanto, ele enfatiza que muitos contratos, papéis, conversas e assuntos são retomados positivamente. Reencontros ou coisas combinadas que antes não deram certo podem se consumar no período de retrogradação.

Para Jacqueline esse também é um período reflexivo. "Falar menos e ouvir mais a voz interna", aconselha. É hora de revisar, rever, reanalisar, reciclar e rejuvenescer. Hora de fazer aquele back-up no celular, no computador, tomar cuidado na estrada. "Isso tudo é mercúrio retrógrado. Em compensação, a gente volta a ponderar melhor os nossos pensamentos", finaliza a astróloga.


Assista ao episódio de Sagitário: Brisas Astrológicas da Madama Br00na:


Siga o Bruno Costa no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.