economía

Dicas para não morreres de frio em Portugal... e não rebentares o ordenado todo na conta da luz

Habitações mal preparadas para as temperaturas baixas e preços de electricidade e gás acima da média europeia, fazem deste país "tropical" um inferno quando o Inverno ataca.

Por Pedro Miguel
31 Janeiro 2017, 8:00am

Portugal gosta de recordes. Adora. Basta olhar para aquilo em que somos mais do que os outros, seja no futebol ou na maior feijoada em cima de uma ponte. Mas, há outro indicador sombrio que mancha o país de vergonha: Portugal é vice-líder europeu em mortalidade por causa do frio. Alexandra Carreira é Assistente Social e não tem de recuar muito para encontrar um exemplo de um caso dramático. Foi aqui há dias e o telefonema que recebeu era simples: "Ajudem-me. Estou a morrer!". Assim mesmo, sem meias palavras.

Era uma situação já sinalizada. A casa da senhora que fez a ligação estava gelada, os seus níveis de oxigénio estavam preocupantemente baixos e deu imediatamente entrada numa IPSS, que, por sua vez, internamente, trava um outro combate. Tal como em muitas outras instituições, especialmente no Inverno, há uma luta dramática para conseguirem pagar as contas astronómicas de água, luz e gás.

Aguardam-se novos dados lá mais para a Primavera, mas, desde a última vez que o Eurostat (autoridade estatística da União Europeia) olhou para esta questão e comparou os respectivos preços, em função do poder de compra, Portugal tem a electricidade e o gás natural mais caros da Europa. Isto é, sobretudo, fruto de dois factores muito simples: impostos e preço base ao consumidor.

Quando dizem que Portugal tem um clima fantástico, não sendo mentira, a verdade é que também se morre de frio. E muito. Também é isso que o espanhol El País aponta, num artigo onde são reforçados alguns indicadores alarmantes. O jornal cita um estudo que coloca Portugal, apenas a seguir a Malta, como o país europeu onde mais se morre de frio.

Também podes correr para aquecer. Foto por Sérgio Felizardo


O jornal espanhol cita ainda um outro estudo, este do Parlamento Europeu sobre a pobreza energética e diz que 23,8 por cento da população portuguesa não consegue manter a sua casa quente, enquanto que a média europeia anda nos 10 por cento. Todos os truques são bem-vindos para poupar energia e ser mais eficiente energeticamente, sem mandar dinheiro pelas frinchas das portas e janelas. Contudo, há um problema de fundo quando, simplesmente, não se consegue aquecer a casa onde se habita e não há dinheiro nem para obras, nem para pagar as contas.

Enquanto isso, igualmente por cá, as grandes empresas energéticas portuguesas - EDP, REN e Galp - choram as pedras da calçada por causa da CESE (Contribuição Extraordinária sobre o Sector Energético). Aquilo é gente com dificuldades, sabem? No entanto, todos os consumidores continuam a pagar grandes rendas de electricidade e gás.

Assim, aqui fica o dia-a-dia de alguma malta que lida com o frio e, embora não pertença a grupos de risco, também não tem propriamente um ordenado de um qualquer presidente de uma energética (sete mil euros por dia, vá…), que ainda é menino para se opor ao alargamento da tarifa social - a ser pago pelos lucros da empresa - destinado a pessoas mais carenciadas. A espuma dos dias à portuguesa.

Felizmente, as botijas de água quente evoluíram e já pouco têm a ver com esta de finais do século XIX. O objectivo, no entanto, continua a ser o mesmo. Imagem via

Tânia, 39, stage manager, Lisboa

"Eu 'morro' de frio. Não morro é de amores por ambientes aquecidos com calor fingido. Fazem-me tosse, fazem-me uma sede fajuta e fazem-me nervos nas roupas que, num minuto estavam todas muito bem arrumadas em camadas para, no minuto a seguir, já ter que desarrumar tudo. Cá por casa uso um gato nos pés e uma colecção inacreditável de pijamas 100 por cento pelúcia. Todos em cima uns dos outros. É um caos, garanto que não é bonito, mas, chupa EDP!".


Sofia, 36, designer, Lisboa

"O frio, combato-o como sempre, ligando o aquecedor quando estou em casa, porque praticamente só estou em casa à noite. Quando estou de dia, encho uma botija de água quente e ponho-a aos pés e também uso casacos quentes. Utilizo sempre lençóis polares no Inverno e assim nunca ligo nada no quarto. Mas isso é porque estou sem ordenado e como sou friorenta preferia ter sempre a casa quente e poupar noutro lado qualquer. Mas que a electricidade está caríssima, está!".

Filipa, 34, barmaid, Leiria

"Cá por casa combatemos o frio à base de mantas e casacos. Confesso que foi o primeiro ano que liguei um aquecedor a óleo desde que nasceu a minha filha... e já lá vão oito anos a apostar tudo nas mantas! Estou para ver essa realidade das contas astronómicas, mas até nisso me devo safar, só liguei o aquecedor uma horita à noite e foi mais para aquecer os pijamas. Um grande viva às botijas de água quente e à Maggie (a gata) por dormir aos nossos pés!".

Esta rapariga não é nenhuma das entrevistadas. É a Olivia, sósia australiana de Taylor Swift e apreciadora de gatos, aparentemente o animal doméstico favorito de quem tem frio. Foto via

Rita, 35, técnica de turismo, Leiria

"A casa era gelada, à beira-rio, pouco Sol, mas a malta é jovem, veste mais um pijama e a coisa disfarça. Só que o puto nasceu em Novembro… primeiro filho. Penso que passávamos 24 horas com algum dos aquecedores ligados, na divisão da casa onde estivéssemos com o garoto. Ora isso, aliado a uma placa eléctrica para cozinhar e um jarro eléctrico para fazer biberons, resultou num acerto de cerca de 650 euros, que fomos negociar e pagámos em suaves prestações, antes que nos cortassem a luz. Com dois meses, o João foi internado no hospital com uma bronquiolite".

Joana, 40, realizadora de animação, Lisboa

"Aqui em casa usamos aquecedor a óleo. É mesmo impossível estarmos em casa sem aquecimento nenhum. As contas são cada vez mais astronómicas, ainda que o aquecedor não esteja sempre ligado. Já no atelier, trabalho com luvas sem dedos, gorro, cachecol e mantinha".

Vai uma manta? Foto via

Com as baixas temperaturas, como todos sabemos, os tomates encolhem. E, neste país másculo, temperado e ameno em dias bons, até houve quem tentasse fazer frente a este lobby energético, mas deu-se mal.

A verdade é que, do outro lado, anda muita gente que tem apenas dois amendoins no meio das pernas. Deve ser do frio. Ou se calhar não.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.