O sapo mais solitário do mundo finalmente descolou uma parceira

Um macho de sapo-aquático-de-sehuencas, considerado o último de sua espécie, vai procriar com uma fêmea recentemente capturada na natureza.
t3KpypL-
Romeu, o sapo-aquático-de-sehuencas. Imagem: Robin Moore/Global Wildlife Conservation.

O sapo-aquático-de-sehuencas era conhecido como o mais solitário do mundo porque acreditava ser o último da espécie. Batizado de Romeu, ele parecia condenado a uma existência de isolamento e meditações sobre a vida anfíbia.

Sua sorte mudou há pouco tempo quando, numa expedição feita em florestas da Bolívia, cientistas encontraram outros cinco exemplares da espécie, três machos e duas fêmeas. Para a felicidade de Romeu, uma delas está reservada para se reproduzir com ele. O nome dela, como não podia deixar de ser, é Julieta.

Publicidade

Romeu foi capturado em 2008 e trazido para o Museu de História Natural Alcide d'Orbigny em Cochabamba, ma Bolívia. Conservacionistas da instituição esperavam criar um programa de reprodução em cativeiro para os sapos sehuencas. Enquanto Romeu envelhecia (a expectativa de vida do sapo é de cerca de 15 anos), os esforços de procriação foram ficando cada vez mais desesperados, segundo a BBC informou na terça-feira, já que nenhum outro sapo sehuancas tinha sido visto na natureza desde a captura dele até então.

Numa expedição recente para uma floresta boliviana (ecossistemas neotropicais densos e úmidos) os pesquisadores descobriram não um, mas cinco sapos-aquáticos-de-sehuencas – três machos e duas fêmeas. A descoberta aconteceu no final de outro dia sem sucesso, quando um sapo de repente pulou numa lagoa próxima, segundo Teresa Camacho Badani, chefe de herpetologia do Museu de História Natural Alcide d'Orbigny, disse a Global Wildlife Conservation.

“Entrei na lagoa enquanto a água espirrava ao meu redor, mergulhei as mãos no fundo e consegui pegar o sapo”, disse Badani. “Quando tirei ele de lá, vi a barriga laranja e percebi que tinha finalmente colocado as mãos num tão esperado sapo-aquático-de-sehuencas.”

Os sapos foram transportados para o museu e vão ficar em quarentena antes de Julieta ser apresentada a Romeu, segundo a Global Wildlife Conservation. Os cientistas do museu esperam que o casal se dê bem.

Publicidade

“Romeu é muito calmo e relaxado, não se mexe muito”, Badani disse a BBC News. “Ele é saudável e gosta de comer, mas é meio tímido e lento.”

Julieta, enquanto isso, é “cheia de energia”, acrescentou Badani. “Ela nada muito, come muito e às vezes tenta fugir.”

Juliet the Sehuencas water frog.

Julieta com Teresa Camacho Badani. Imagem: Robin Moore/Global Wildlife Conservation.

Os sapos-aquáticos-de-sehuencas são endêmicos da Bolívia e foram descritos pela primeira vez em 1998. Eles são considerados sob risco de extinção, segundo um relatório de 2004 da União Internacional para Conservação da Natureza, devido a ameaças como perda de habitat e poluição.

Os cientistas também estão monitorando os sapos capturados para o patógeno mortal quitridiomicose, um fungo responsável pela extinção ou quase extinção de 200 espécies de anfíbios, segundo a National Geographic. O fungo pode causar mudanças na pele dos sapos, prejudicando sua habilidade de absorver água e outros nutrientes. Julieta receberá um tratamento preventivo antes de se encontrar com Romeu.

The research team on an expedition to a Bolivian cloud forest in search of Sehuencas water frogs.

Teresa Camacho Badani com um sapo sehuencas recém-capturado. Imagem: Stephane Knoll/Museo de Historia Natural Alcide d’Orbigny.

Até a descoberta recente de mais cinco sapos sehuencas, os cientistas estavam correndo contra o tempo para encontrar uma parceira para Romeu, e também para conscientizar sobre o animal ameaçado. Ano passado, pesquisadores criaram um perfil para Romeu no Match.com, dizendo “sem querer pegar muito pesado, mas literalmente sou o último da minha espécie”.

Badani disse que a equipe vai continuar procurando por mais sapos sehuencas. Eles esperam encontrar uma ou duas populações saudáveis na natureza para estudar a espécie em seu habitat natural e monitorar sua exposição a quitridiomicose.

A conta do sapo Romeu no Twitter estava em polvorosa na terça: “ENCONTRARAM MINHA JULIETA!!! Depois de uma década sendo o sapo mais solitário do mundo, não estou mais sozinho!”

Vamos torcer para que essa versão rugosa de Romeu e Julieta tenha um final mais feliz que seus xarás da ficção.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.