Politică

STF determina suspensão de inquérito sobre Fabrício Queiroz

Decisão favorável ao filho do presidente e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) pode ser um tiro no pé politicamente.
17.1.19
Esq. deputado federal Flávio Bolsonaro (PSL). Foto: Wilson Dias/Agência Brasil. Dir. Fabrício Queiroz. Foto: Reprodução
Esq. deputado federal Flávio Bolsonaro (PSL). Foto: Wilson Dias/Agência Brasil. Dir. Fabrício Queiroz. Foto: Reprodução

O ministro do STF Luiz Fux ordenou a suspensão provisória de um inquérito que investiga Fabrício Queiroz, ex-assessor parlamentar do então deputado estadual carioca Flavio Bolsonaro. Agora senador eleito, Flavio, o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, entrou com o pedido para a suspensão do inquérito, mesmo sem estar sob investigação no caso. O relator do caso no STF é o ministro Marco Aurélio de Mello, mas como a corte está de recesso até o dia 31, coube a Fux, vice-presidente do Supremo, decidir a questão até a volta de Mello.

Publicidade

Fux entendeu que Flavio, que só toma posse do cargo de senador em fevereiro, já teria direito ao foro privilegiado por já ter sido diplomado. Em 2018 o STF restringiu o foro privilegiado – agora o privilégio só cabe a atos que foram praticados durante o mandato do parlamentar. Porém, o STF também decidiu que escolhe o que fica no Supremo e o que vai a instâncias inferiores. O procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro Eduardo Gussem chegou a afirmar que poderia apresentar uma denúncia sobre o caso mesmo sem os depoimentos de Queiroz, que tem se esquivado do MP, mas com a decisão de Fux, não vai rolar. Pra completar, Flavio também quer que o STF cuide das investigações do caso e que as provas já coletadas sejam anuladas, o que vai ser decidido por Mello.

Se criminalmente a decisão de Fux foi uma vitória para Flavio, politicamente a micha caiu: é um desastre para um clã que ascendeu ao poder com um discurso anti-corrupção. No Twitter começaram a pipocar cobranças aos Bolsonaro, vindos de aliados de primeira hora como Danilo Gentili, colegas de Lava Jato de Sergio Moro como Deltan Dallagnol, os ministros militares do governo e mesmo veículos de fake news da extrema direita (desse link eu vos poupo, leitor). A oposição, obviamente, está sambando na cara do presidente, numa semana que contou com notícias como o fato de que Jair Boslonaro embolsou mais de R$ 30 mil de auxílio mudança da Câmara e da polêmica viagem patrocinada pelo PCC de um grupo de deputados do PSL para importar tecnologia de reconhecimento facial dos vermelhinhos.

Publicidade

O caso levanta mais suspeitas ainda pelas contradições dos envolvidos: Flavio Bolsonaro disse, em dezembro, que era o “maior interessado” na investigação sobre Queiroz. Fux, por sua vez, está entre os ministros que haviam votado pela restrição do foro privilegiado em maio de 2018. Enquanto isso, também espanta o silêncio do clã, tão afeito às redes sociais, em comentar sobre o caso.


Assista ao nosso documentário O Mito de Bolsonaro


Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube .