Algumas teorias sobre a baleia jubarte encontrada morta no meio do mato no Pará, Brasil

Para os cientistas, o fenómeno é desconcertante, mas compreensível.

Por Becky Ferreira; Traduzido por Madalena Maltez
|
28 Fevereiro 2019, 2:45pm

Este artigo foi originalmente publicado na nossa plataforma Motherboard.

Os cientistas estão intrigados com a descoberta de uma baleia jubarte morta na floresta amazónica, a cerca de 15 metros da praia. O animal foi encontrado na última sexta-feira, 22 de Fevereiro, na mata da Ilha de Marajó, no Pará, Brasil, depois de relatos do avistamento de abutres a comer a carcaça. O animal foi fotografado e examinado pela ONG Instituto Bicho D'água de vida selvagem e pela Secretaria Municipal de Saúde, Saneamento e Meio Ambiente (SEMMA).

Com aproximadamente um ano de idade, a baleia tinha oito metros da cabeça até ao rabo, segundo uma publicação no Instagram da Bicho D'água. Uma jubarte adulta pode chegar a ter o dobro desse tamanho.

A equipa não sabe exactamente como é que a baleia acabou no meio do mato, mas tem algumas teorias. “Acreditamos que o filhote podia estar a viajar sem a mãe e, provavelmente, perdeu-se durante o ciclo migratório”, avança Renata Emin, especialista em mamíferos marinhos da Bicho D'água, ao site local O Liberal. E acrescenta: “Não temos a certeza de como é que ela acabou aqui, mas pensamos que a criatura estava a flutuar perto da costa e a maré, que tem sido consideravelmente alta nos últimos dias, a apanhou e arrastou para terra”.

Emin aadianta ainda que avistar jubartes no norte do Brasil não é comum nesta época do ano. As jubartes do Hemisfério Sul tendem a passar os meses de Verão a alimentarem-se em águas polares mais quentes. A equipa recolheu amostras da baleia para determinar o que causou a morte. A autópsia vai demorar cerca de 10 dias, segundo a Newsweek. Apesar de a carcaça ser demasiado grande para ser removida, os investigadores planeiam, eventualmente, extrair o esqueleto para ser estudado no Museu Paraense Emílio Goeldi, um museu de história natural na cidade de Belém, avança o Independent.

Por mais estranho que pareça uma baleia acabar na floresta amazónica, este não é um caso sem precedentes. Em Novembro de 2007, uma baleia minke encalhou nos bancos de areia do Amazonas, a cerca de 1.600 quilómetros do Oceano Atlântico. A equipa de resgate local conseguiu libertar a baleia, mas ela foi encontrada morta alguns dias depois.

Ainda assim, apesar de parecer que o Rio Amazonas se está a tornar uma armadilha mortal para baleias, é preciso não esquecer que é ainda o lar de muitos mamíferos marinhos, como golfinhos e peixes-boi.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.