FYI.

This story is over 5 years old.

Dor e Raiva em Forma de Música no novo álbum do Bemônio

Escute "Lágrimas de Sangue e Fezes", obra mais perturbadora da banda drone até aqui.

Lágrimas de Sangue e Fezes é o sugestivo e intrigante nome do novo trabalho do Bemônio, o projeto drone-sludge-doom-dark da dupla carioca Paulo Caetano (synth, samplers, drum machines) e Gustavo Matos (bateria). A novidade, segundo o Paulo, é que este é o primeiro álbum em que os artistas colaboradores participam como membros da banda, e não apenas como convidados. Ou seja, todo mundo que eles chamaram, além de tocar nas gravações, também contribuiu na idealização e construção da obra. São eles o Eduardo Manso (Babotnik, Tono, Babe Hitler), Marcos Campelo (Chinese Cookie Poets) e Alex Zhem (Sobre a Máquina).

Publicidade

"O nome fala da passagem de ano, que terminou e começou muito pesado para mim", desabafa Paulo, explicando a temática do álbum. "Lágrimas de sangue e fezes se traduz em sentimentos que, muitas vezes, se combinam, mas que geram certas barreiras".

Saudade, raiva, arrependimento e tristeza. A densidade de emoções complexas converte-se na mais pura viagem sonora, perturbadora e climática, na interpretação do Bemônio. São três guitarras, synth, voz, sax e bateria, neste disco onde entraram duas faixas com climas distintos. "Sangue", conceitualmente, traz o clima da saudade e o arrependimento de alguém que se foi; "Fezes", interpreta a raiva e a dor de "não ter feito o melhor como um filho", nas palavras do Paulo.

Enfim, uma receita hostil. E é por isso mesmo que você tem que escutar:

Mais insanidade do Paulo Caetano:

"Pai" É o Novo Disco do Adeus, Projeto Solo do Paulo Caetano (Bemônio)

O Diabo em Formato Audiovisual do Clipe "Interlúdio 02", do Bemônio