EXIT Festival: Um Lugar onde o Hedonismo Encontra o Ativismo
Photo courtesy of EXIT Fest

FYI.

This story is over 5 years old.

EXIT Festival: Um Lugar onde o Hedonismo Encontra o Ativismo

O festival sérvio que surgiu há 15 anos como um movimento social impressiona com um lineup que une nomes fortes do techno, house, drum and bass, dubstep, hardcore, metal, punk, hip-hop e mais.

Realizado na fortaleza Petrovaradin na cidade de Novi Sad, na Sérvia, o aclamado festival EXIT começou em 2000 como um movimento estudantil que lutava pela liberdade e pela democracia no país. Nos 15 anos seguintes, o encontro tem desempenhado um papel importantíssimo ao reunir as novas nações da antiga Iugoslávia, que foram devastadas pela guerra no final do século passado. Celebrado como um lugar onde o hedonismo encontra o ativismo, foi sua relevância social que o tornou único e globalmente reconhecido, tendo conquistado recentemente o título altamente cobiçado de 'Melhor Grande Festival' no European Festival Awards de 2014.

Publicidade

Todas as fotos são uma cortesia do EXIT.

À primeira vista, o EXIT deveria levar o crédito por manter um dos lineups mais diversificados no mundo dos festivais. Ano após ano, ele apresenta o melhor do techno, house, drum and bass, dubstep, hardcore, metal, punk, hip-hop e muito mais. O EXIT também é famoso por, desde o começo, dar a mesma atenção para shows ao vivo quanto para a música eletrônica. O palco principal já recebeu grandes nomes como Arctic Monkeys, White Stripes, Moby, Motorhead, Sex Pistols, Prodigy, Snoop Dogg, entre outros ao longo dos anos, enquanto a 'Arena Dance' une os mais cobiçados DJs undergrounds até os mais cobiçados nomes do mainstream EDM. Este ano especificamente, o festival que rolou entre os dias 9 e 12 de julho apresentou uma variedade de talentos da eletrônica, desde o Dixon, Tale of Us e Chris Liebing até o Skrillex e o Hardwell. Dusan Kovačević, o fundador do EXIT, diz que esse "equilíbrio entre 'descolado e 'popular' sempre foi e continua sendo uma habilidade do EXIT".

Considerando profundamente comercial a paisagem musical de hoje em dia, esta é uma conquista e tanto já que o EXIT continua sendo um empreendimento não corporativo. Mas o Kovačević se mantém seguro de que enquanto "a maioria dos festivais no mundo foram feitos para vender ingressos e cerveja, o EXIT se destaca por ter surgido a partir do ativismo social".

"Dinheiro não é o mais importante", diz, "porque nós certamente somos os que menos lucramos dentre todos os grandes festivais do mundo. Ainda assim, mantemos uma programação de altíssima qualidade e produção de ponta, já tendo sido premiados e privilegiados pelos canais de comunicação mais influentes do mundo diversas vezes". Kovačević acredita que isso deixa o EXIT ainda mais responsável e motivado em manter mais contato com seus fãs, que ele ainda considera ser o ingrediente essencial da atmosfera excêntrica da sua amada fortaleza de Petrovaradin.

Publicidade

Aprofundando-se nas raízes do festival, a evolução do EXIT que surgiu como um movimento social até se transformar em um dos eventos de música mais prestigiados do mundo, é algo que o Kovačević se recorda muito bem.

Em 1996, quando ele entrou para a faculdade, os protestos contra o então presidente da Sérvia Slobodan Milošević e sua ditadura opressiva tinham apenas começado. Kovačević imediatamente se juntou à paralisação e as manifestações da faculdade. Numa manhã, o pai da sua namorada na época lhe perguntou: "Por que vocês não marcham até Belgrado? Deem ainda mais poder ao protesto!". Foi então que Kovačević foi até a reunião dos líderes do movimento, fez um pequeno discurso e iniciou sua primeira atividade num protesto. "Lembro de como as pessoas me agradeceram quando chegamos em Belgrado depois de uma caminhada de 80 quilômetros", relembra Kovačević. "Mais de 10 mil estudantes nos deram as boas-vindas. O espírito daquele protesto estudantil de 1996 a 1997 está enraizado bem no cerne e personalidade do EXIT até hoje".

Em 1998, Kovačević organizou um show para o protesto, que ele considera ser o embrião do que o EXIT eventualmente se tornou. Realizado no grande salão de esportes em Novi Sadi, o show estava repleto de simbolismo político. O exemplo mais intenso que o Kovačević se recorda é o do seu time construindo uma grande parede de isopor. Ele então colocou um grupo de bateristas atrás dela, que foi liderado pelo famoso músico sérvio de rock progressivo Dragoljub Đuričić. Num dado momento da performance, a parede explodiu. Kovačević enxerga isto como uma "mensagem emblemática que os jovens queriam transmitir ao mundo". A primeira onda de mídia chegou logo depois do show e o projeto pré-EXIT do Kovačević foi destaque em uma página inteira nos jornais da oposição.

Publicidade

Em 2000, Kovačević decidiu fazer um protesto mais radical contra o regime do Milošević — um protesto que duraria 100 dias. Ele queria convidar as pessoas para shows e festas, e dar a elas o que chama de uma "coragem necessária" para aguentar o clima político barra pesada. Essa "coragem necessária" seria inspirada pela música. O título "EXIT" acabou sendo concebido graças a recomendação de um amigo.

Durante esses 100 dias, foram 34 shows. Ele contou com uma das maiores bandas do país, houve 12 produções teatrais, mais de 120 projeções de filmes, 20 painéis de discussão, 40 festas gigantescas e 11 performances. O último show ocorreu dois dias antes da eleição, com a mensagem "Ele já era" sendo exibida para seus 20 mil visitantes. A revolução sérvia pacífica aconteceu a seguir, o que estimulou o fim do reinado de Milošević.

Uma vez que se livraram do Milošević, Kovačević e a equipe do EXIT decidiram trazer o mundo até Novi Sad e desenvolveram seu conceito num festival de música de calibre europeu com tudo o que tinha direito. A fortaleza Petrovaradin era o lugar ideal. Um baluarte do século 18 localizado na margem direita do rio Danúbio, ela permanece sendo a alma do festival até hoje.

Hoje, 15 anos depois, o EXIT continua organizando de forma orgulhosa suas ações sociais. Na verdade, diversas missões comunitárias e humanitárias conquistaram reconhecimento internacional, incluindo uma cruzada anti-tráfico feita em parceria com a MTV. Todo ano o EXIT também chama a atenção para os direitos LGBT, além de trabalhar anualmente em questões fundamentais em relação a mudança da imagem da Sérvia e temas globais da juventude, como o problema da violência verbal nas mídias sociais hoje em dia. O EXIT também convidou o comissário responsável pelo alargamento Europeu, Olle Rehn, para um júri no festival e uma partida de futebol em seu acampamento contra o Ministro sérvio de Negócios Estrangeiros, partida na qual ele prometeu lutar ainda mais para eliminar o regime de vistos para os cidadãos sérvios que queriam viajar para países europeus. "Quando a Europa finalmente eliminou o regime alguns anos depois", revela Kovačević, "Como garantia, o Sr. Rehn tornou público seu título de cidadão honorário do 'Estado de EXIT'".

Publicidade

Sem dúvida, se o EXIT provou alguma coisa, foi que a música é uma língua universal que pode conectar e aproximar as pessoas em prol de um mundo melhor. Isso reflete em como o festival cresceu ao longo dos anos e foi capaz de atrair uma plateia internacional de 2.5 milhões de visitantes vindos de 60 países diferentes. "É difícil descrever, apenas chamamos de 'O Fator EXIT'", explica Kovačević. "O EXIT na verdade evoluiu para a Aventura EXIT, que engloba o festival EXIT e o nosso novo festival Sea Dance na cidade de Jaz [perto de Budva, em Montenegro]. Dois festivais em dois países vizinhos, um verdadeiro feriado de festivais que dura mais de 10 dias". A equipe também está lançando mais um festival na Romênia, chamado Revolution, o qual Dusan enxerga como um arredondamento da Aventura EXIT enquanto uma trilogia de festivais.

Certamente é um prato cheio. Mas enquanto suas tarefas continuam se multiplicando, uma coisa sobre o Kovačević permanece bem clara: ele não só continua sendo um ativista de coração, mas a mensagem original do EXIT ainda é tão forte quanto costumava ser, e de forma mais abrangente. "Há um mês, o meu filho nasceu, então agora tenho que trabalhar mais arduamente para fazer com que seja ainda melhor para a sua geração. Espero que um dia o EXIT seja uma das forças unificadores para todas as pessoas de mente aberta que entendem que nós enquanto humanidade precisamos evoluir muito rapidamente se queremos sobreviver".

EXIT Festival está no Facebook // Twitter

Christopher está no Twitter.

Tradução: Stefania Cannone