Noisey

Rica Pancita analisa os lançamentos da sexta #124

Suando a camisa para encontrar novidades que vale gastar tempo ouvindo. Não foi fácil.
5.7.19
Rosalia-Press-Photo-2019-1280x720
Foto: Divulgação.

Caros leitores,

Lutei o quanto pude mas hoje realmente não deu. Não deu. Na minha fraca memória eu não consegui lembrar de outro dia tão desgracento, tão bosta, a nível de lançamentos musicais. Afirmo que fui caçando o máximo que dava e ouvi muito mais coisas do que o que está nessa lista de hoje mas, meu Deus do céu, era só babinha que nem vale o esforço entre os envolvidos (eu e você, no caso). Então eu decidi só jogar a toalha mesmo e dar o dia por encerrado.

Publicidade

Vai ver uma série, ler um livrinho, tomar um gelo, jogar no bicho, fazer outra atividade, porque ouvir lançamento mesmo vai tar meio complicado. Tem dia que é foda.

E é nesse clima de fracasso pessoal que apresento: OS LANÇAMENTOS DA SEMANA (oba)!

Um abraço aí.

----A TOPZERA QUE TEVE NA SEMANA----

Rosalía - “Milionària” e “Dio$ No$ Libre Del Dinero”
A verdade verdade mesmo é que AGORA, meio sonado pelas poucas horas dormidas, eu tô ligado que “Milionària” não atingiu o grau máximo de bater legal pra mim, mas é certeza que logo mais a #experiência já vai tar mais show pra mim. Já a outra música do single também tá boa, mas já é bem lentinha, base beeeem simples, se segurando mais no vocal da Rosalía. Uma boa sequência, mas a BOA é a primeira faixa.

----AS OUTRAS QUE TÃO BOAS TAMBÉM DA SEMANA----

Ty Segall - “Radio”
Segue o esquemão “classic rock” do Segall, indo bem de levinho pro psicodélico. Fica uma guitarra bem agudinha, quase que parecendo uma cítara, que me incomodou um pouco, porque o negócio não para por um segundo que seja nessa música. É legalzinha, mas não é das mais criativas dele, não.

Stereo Total - “Einfach kompliziert”
Pop-eletrônico-esquisitinho tal qual era feito na longínqua década de 90. Foi uma vibe boa de tar ouvindo, talvez mais pelas lembranças desse momentinho pré-electro do que pela música em si, a ver. Mas de qualquer forma fica a indicação pra quem tiver curiosidade.

Publicidade

Fresno - Sua alegria foi cancelada
Um bom disco mesmo eu não sendo lá grandes fã do som. Às vezes vai meio pro Muse brasileirinho (mas o Muse aceitável), indo pro My Chemical Romance brasileirinho, e um pop-rock-EDM que, sinceramente, foram as que eu gostei mais. “Sua alegria foi cancelada” e “Cada Acidente” eu achei bem bom. “Convicção” também. Gostei que não ficou na bobeira de querer ser mais som de adolescente do que já seria naturalmente. E é isso, viva o rock nacional.

Ride - “Repetition”
Começa mó baladão dance, já tava achando que partiram pro disco punk. Mas aí é só a intro mesmo, que o resto é aquele brit rock com batida mais de pistinha de festa indie. É boazinha, o vocal não rolou muito legal não, mas ok também.

Jaden - ERYS
Assim que vi que o disco dura exatas 1 hora e 9 minutos já fiquei “ah mano, pensa que é quem pra fazer um negócio desse aí, se liga”. E deu o esperado, um disco de 17 músicas que tem umas 3 bem boas, e uma grande maioria de faixas que se não estivessem ali não iria fazer falta à ninguém. Mesmo assim o disco não tá cansativo de ouvir, até porque não tem nenhuma desgraça no meio, e também porque souberam montar bem a sequência, intercalando as boas das que tão mais ou menos só. Mas se fosse um EP de 20 minutos seria melhor. Mas enfim, é um disco bom sim.

----ALGUNS EXEMPLOS DAS (VÁRIAS) MEIA BOCA DA SEMANA----

Blink 182 - “Happy Days”
Bobildo do jeito que é imaginado pra algo novo vindo deles. Tem um pedacinho que os cara tenta porque tenta enfiar uma bateria eletrônica pra dar uma modernizada, e sai um negocio nada a ver com nada. Fora isso tem novidade nenhuma aqui, e nem pra pegar pelo saudosimo rolou. Bem medianinha.

Belle & Sebastian - “Sister Buddha”
Nhé. Indiezinho que nunca me interessou muito na vida, não. Esse aí é mais um desses casos. Se você gosta aí deve valer a pena, porque é os mesmos esquemas. Se nem conhece aí sei lá, deixa quieto.

Snoop Dogg - “I Wanna Thank Me”
Máximo respeito ao artista, mas é uma música que parece que não acaba nunca. E ela dura tão somente 3:42 minutos. Uma batida meio que trapzinho sem inspiração nenhuma, e um ou outro momento mais legalzinho por causa dos samples e backing gospelzinho. Mas só isso só, bem okzinho o som.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.