Parece que o co-fundador da Google criou uma empresa de táxis voadores
Tecnologia

Parece que o co-fundador da Google criou uma empresa de táxis voadores

O projecto de Larry Page chama-se Tiramisu e foi revelado sem querer no âmbito da batalha judicial com a Uber. A Motherboard teve acesso exclusivo aos documentos.
07 September 2017, 10:23am

Este artigo foi originalmente publicado na nossa plataforma Motherboard.

Há multimilionários que não são muito eficazes a guardar segredos. Documentos enviados por engano durante o caso judicial que envolve grandes nomes de Silicon Valley, nos EUA, sugerem que o co-fundador da Google, Larry Page, criou uma outra empresa chamada Tiramisu. A doce empresa, ao que parece, tem a ver com um projecto ambicioso: carros aéreos.

A novidade surgiu quando, no mês passado, a Uber moveu uma acção com o objectivo de forçar a empresa de carros autónomos da Google, a Waymo, a fornecer testemunhas para os mais variados assuntos. A Tiramisu é listada como relevante para esta recente batalha judicial entre Google e Uber referente aos carros autónomos. Alega-se que Anthony Levandowski, engenheiro acusado de roubar a tecnologia LIDAR e outros segredos técnicos da Google e levar tudo para a Uber, estaria a trabalhar para a tal Tiramisu no seu tempo livre. "A Uber procura mais informações sobre o envolvimento do Sr. Levandowski nas empresas Kitty Hawk, Zee.Aero e Tiramisu, bem como a Waymo (e as empresas relacionadas Alphabet e Google) admite o envolvimento do Sr. Levandowski nestes negócios paralelos", consta no documento.

Não se sabe muito sobre a Tiramisu, que nunca foi reconhecida publicamente por Page, Waymo ou qualquer outra pessoa. A existência da empresa não tinha sido referida anteriormente e a própria Uber pediu a remoção do documento no dia do seu envio. Na Motherboard tivemos acesso às cópias desses arquivos antes da remoção. A Uber reenviou a sua acção com os pormenores que mencionavam Kitty Hawk, Zee.Aero e Tiramisu agora censurados (note-se que a Kitty Hawk e sua subsidiária Zee.Aero, estão a desenvolver aeronaves eléctricas semelhantes a drones para transportar passageiros).

A morada da Tiramisu é a mesma do Carl Victor Page Memorial Foundation.

Uma busca por empresas registadas na Califórnia revela que a Tiramisu LLC foi criada em Maio de 2015. A morada da mesma, um escritório de advocacia em Palo Alto, coincide com a da Carl Victor Page Memorial Foundation, fundação de caridade de Larry, avaliada em dois mil milhões de dólares, baptizada com o nome do seu pai.

Outros processos relacionados com a Tiramisu LCC usam a morada de um advogado especializado em leis de aviação, cuja base de operações é o Aeroporto John Wayne, próximo de Los Angeles. A Tiramisu LLC também foi registada em Delaware, em 2014, uma jurisdição que favorece diversas startups mais discretas, já que o Estado permite que os seus proprietários permaneçam no anonimato.

Mas, ok, o que raios é a tal Tiramisu? Ainda não sabemos, mas os documentos que vimos até agora e as declarações do ex-CEO da Uber, Travis Kalanick, bem como as de Larry Page, permitem-nos tentar adivinhar (caso tenhas alguma informação extra, entra em contacto connosco).

Crédito: Steve Jurvetson/Flickr

Sabemos que, tanto Travis Kalanick, como Larry Page têm interesse em carros voadores. Na declaração de Kalanick, ele deixa claro que ligou a Page para conversar sobre uma possível parceria relacionada com o tema: "Queria falar com ele sobre carros voadores", testemunhou Kalanick.

A Uber já anunciou as suas intenções de criar um serviço de táxi voador autónomo, chamado Uber Elevate, para viagens para o trabalho ou viagens intermunicipais. Até já promoveu uma conferência sobre o tema no início deste ano.

Reportagens recentes do The Wall Street Journal sugerem que Page terá até mesmo testado carros voadores, quem sabe até com a ajuda de Levandowski.

Excerto do testemunho de Larry Page

Excertos essenciais do processo da Uber – e boa parte do testemunho de Larry Page ao qual se refere – foram censurados, de forma a manter a confidencialidade. Independentemente disso, o documento é uma leitura interessante: um excerto do testemunho de Page revela um diálogo onde um dos advogados da Uber pergunta se Page tinha um rancho com um determinado nome. O testemunho foi registado de forma que podemos perceber que o nome do tal rancho é composto por oito caracteres.

Page respondeu: "[Esse nome] é um projecto no qual creio que Anthony estava a trabalhar. Não acho que seja o nome de um rancho". Page confirmou que aconteceram de facto alguns testes numa das suas propriedades ao longo de 2015.

No mês passado, o Wall Street Journal noticiou que Levandowski estaria a trabalhar numa das propriedades de Page a testar carros voadores e citou ainda alguém "familiarizado" com o seu testemunho. Os advogados da Uber moveram então a acção, identificando a Tiramisu (com os seus oito caracteres) como uma empresa em que acreditavam que Levandowski estaria envolvido. Não é lá uma prova muito contundente, claro, mas é o que sabemos até agora e nenhum dos envolvidos abriu a boca sobre o assunto.

Após contacto da Motherboard, um porta-voz da Waymo não quis responder às perguntas sobre a Tiramisu, porém, acusou a Uber de tentar criar "distracções".

"Diante de provas crescentes de que a Uber estaria a usar segredos industriais da Waymo, a empresa tenta criar distracções, através de manobras legais sem qualquer fundamento", disse o porta-voz. E acrescentou: "Há provas significantes e directas de que a Uber está a usar na sua tecnologia, segredos industriais roubados à Waymo. Estamos ansiosos para apresentar tais provas durante o julgamento".

Nem a Kitty Hawk, nem o seu CEO, Sebastian Thrun, responderam às nossas tentativas de contacto.

Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.