Falámos com uma bruxa que exorciza vírus de computador com magia
Talley. Cortesia Reverenda Joey Talley

FYI.

This story is over 5 years old.

Tecnologia

Falámos com uma bruxa que exorciza vírus de computador com magia

Esta bruxa Wiccana não oferece apenas serviços para quem sofre problemas com relacionamentos, depressão e outros males psicológicos.
14.1.16

Este artigo foi originalmente publicado na nossa plataforma Motherboard.

Quando os sacanas dos vírus atacam os computadores da malta do Norte da Califórnia, nos Estados Unidos, a Reverenda Joey Talley entra em acção. Esta bruxa Wiccana – que também é pastora ordenada pelo Estado californiano – não oferece apenas serviços para quem sofre problemas com relacionamentos, depressão e outros males psicológicos: também exorciza vírus de computadores.

Publicidade

"Nenhum problema é grande, pequeno ou demasiado esquisito", anuncia o slogan de Talley. A especialista diz ainda que consegue fazer feitiços de amor, mas que prefere enfrentar fantasmas e demónios. Para remover tais entidades virais de uma máquina, usa uma série de técnicas – podem ser pedras colocadas em cima do computador, uma limpeza da energia obscura ou a purificação da área em torno do dispositivo através da queima de salva. O tempo que demora a remover os vírus "depende da perversidade da entidade", afirma. E explica: "Por vezes é necessária apenas uma hora; em determinadas ocasiões, são necessárias quatro".

Falei com Talley para saber mais sobre como ela se fez valer da bruxaria para constituir uma carteira de clientes que procura suporte técnico alternativo na região de Silicon Valley (sim…) e sobre como lida com as críticas.


Vê também: "As bruxas mais poderosas da Roménia"


MOTHERBOARD: Conta-nos uma das tuas primeiras experiências na resolução de problemas de tecnologia com magia.

Talley: Tinha um cliente com quem havia trabalhado anteriormente na área de feitiços relacionados com negócios e ele tinha um problema com um alarme. A empresa que instalou o aparelho tentou solucionar o problema, sem sucesso, e ninguém sabia o que se passava. Então, ligou-me. Fui ao escritório, entrei em transe e senti tudo. Lembro-me de sentir um bloco dentro da parede e de o remover. Depois disso acabaram-se os problemas.

Publicidade

Como é que usas a magia para livrares os computadores de vírus?

Mais uma vez: chego lá e trabalho com as energias. E há diferentes pedras que funcionam muito bem com computadores. Cloreto é uma delas. Além disso, há quem goste da ametista no caso dos computadores. Não funciona para mim, mas eu sou médium. Então, quando entro na sala onde está o computador da pessoa, entro sem nada, como uma folha em branco e disposta a sentir o que está ali a acontecer. Tudo é único e, por isso, os meus feitiços funcionam. Cada projeto é único.

Por vezes faço um feitiço ou deixo um amuleto preso ao computador, nalgum lugar. Ou posso ainda deixar uma poção para a pessoa borrifar na cadeira antes de começar a trabalhar. Azeviche é, também, uma pedra que uso bastante para proteger computadores.

Conta-me uma situação em que tenhas removido um vírus com sucesso.

Fui contactada por uma pequena empresária do Condado de Marin. Tinha alguns vírus e chamou-me. Primeiro fiz um círculo e evoquei terra, ar, fogo e água, e logo de seguida Mercúrio, mensageiro e comunicador. Depois entrei em transe e tudo o que fiz foi sentir. Literalmente sentia-o [o vírus] no meu corpo. Consigo sentir para onde a energia está a fluir e sinto uma espécie de picada. É assim que sei que o vírus entrou em mim.

"Quando entro na sala onde está o computador da pessoa, entro sem nada, como uma folha em branco e disposta a sentir o que está ali a acontecer…".

Publicidade

Nesse momento fiz uma cerimónia de desaparecimento. Usei uma tigela preta com um íman e água para a remoção [do vírus]. Depois espalhei salva por todo o computador para levar a negatividade à tigela e atirei tudo para a sanita. Por fim, foi feito um ritual de purificação e um feitiço de protecção com cloreto, ametista e azeviche. Deixei tudo no computador em que ela trabalhava.

O vírus desapareceu assim que terminaste?

Sim, imediatamente. Normalmente é assim.

Que empresas procuram os teus serviços?

Geralmente são indivíduos, não empresas. As empresas têm medo. Não querem ser acusadas de serem ridículas, adoradoras do diabo, ou sei lá. Têm que ter cuidado.

Já te deparaste com algum vírus, ou outro problema tecnológico, que não tenhas conseguido resolver?

Ainda não. Mas isso não significa que eu seja uma pessoa perfeita, ou que não haja nada mais poderoso que eu por aí.

Quando um vírus ataca, estamos a lidar com demónios ou fantasmas?

Há diferentes tipos de energias, incluindo entidades que podem ou não ser perceptíveis aos seres humanos. Podes chamá-los de fantasmas, ou anjos, ou espíritos, ou demónios.

Pensa nos demónios como entidades – eles comem, absorvem energia e querem ser alimentados. Os computadores possuem vastos depósitos de energia eletromagnética, bem como mensagens. Quando um demónio está num computador é como uma barata numa cozinha. Só come e não atrapalha. Mas alguns estão a trabalhar para alguém que te quer prejudicar. E esses são os mais rijos.

Para te livrares desses tens algum feitiço especial?

Sim, esses casos envolvem uma cerimónia muito mais intensa, bem como uma armadilha mais forte. Remover um demónio, uma entidade consciente que sente prazer ao ferir, é muito mais complicado. Logo, é preciso ter uma armadilha em que possam entrar, em vez de ficarem soltos para prejudicarem alguém.

Mencionaste teres sido alvo de troça por causa do teu trabalho. O que dirias a essas pessoas?

Muitas vezes, quando as pessoas agem de má fé ou te atacam, fazem perguntas bastante estúpidas, dizem coisas idiotas. Aprendi a responder assim: leiam 'The Spiral Dance'. Se depois tiverem alguma pergunta, liguem-me. Antes de o fazerem não têm informação suficiente para colocar questões lógicas ou entender as respostas a essas perguntas.