Games

Por que nunca fizeram um game decente baseado em ‘Akira'?

Pra falar a real, ninguém tem uma boa resposta – mas já tá mais que na hora da gente ter um jogo bom inspirado no manga.
7.4.17

Esta matéria foi originalmente publicada na Waypoint .

Pode procurar aí no seu Google: nunca fizeram um único game realmente bom baseado em Akira, cuja adaptação pro cinema comemora 30 anos em 2018, enquanto esperamos que os rumores sobre remakes e uma série live-action pra TV se tornem realidade. O que é meio surpreendente, né? Visto que Akira é uma das influências estéticas mais importantes vindas da animação japonesa.

Publicidade

Além do lançamento do filme em 1988, foi lançada uma adaptação visual interativa pro Famicom, da Nintendo, produzida pela Taito. Além de ser restrita ao Japão, a adaptação recebeu péssimas críticas na época. Esse foi o primeiro dos três únicos jogos licenciados oficialmente que foram vendidos.

O game do qual mais me lembro, principalmente lendo sobre ele nas páginas da antiga revista Amiga Power, lá pros anos 90, foi o jogo de plataforma misturado com uma lentíssima corrida de obstáculos de moto pro esquecido console Amiga CD32. Produzido pelo antigo coletivo britânico ICE Software, o jogo foi adaptado (ou qualquer coisa próxima disso) pro Game Boy, segundo dizem alguns vídeos na internet. Pra sorte dos donos do portátil mais clássico da Nintendo, essa adaptação nunca chegou às lojas.

O mesmo destino foi reservado a outro projeto inspirado em Akira, dessa vez produzido pela THQ para algumas plataformas, incluindo o Super Nintendo e o Mega Drive. As imagens da versão pro console da Sega, gravadas diretamente do International Consumer Electronics Show em Chicago em 1994, mostram um jogo com vários tipos de jogabilidade, desde corridas a la Road Rash até mesmo exploração em primeira pessoa e plataforma tradicional. A demo até parece razoavelmente decente… se considerarmos que ainda estava muito longe da versão final naquela etapa do desenvolvimento.

O jogo mais recente – e que de fato foi lançado – que leva o nome da marca é Akira Psycho Ball, um jogo de pinball cheio de cenas do filme e com mesas inspiradas em quatro cenários da história, lançado em 2002 pro PlayStation 2. O jogo estreou apenas no Japão e Europa e, pelo que dizem, também é aceitável. Mas o que pinball tem a ver com o filme, ou com qualquer outra coisa relacionada a Akira? Essa é uma pergunta retórica, porque a única resposta possível é "obviamente nada a ver". (Talvez podemos dizer o mesmo sobre qualquer jogo de pinball baseado em filmes e séries, mas deixa quieto, vamos focar no assunto principal do texto, que é…)

Publicidade

Com o aniversário de três décadas de lançamento chegando aí, já não é hora de alguma alma santa no cenário de desenvolvimento de games atual tentar fazer um jogo verdadeiramente bom inspirado em Akira? Há muito tempo os games têm uma relação intensa com o gênero cyberpunk, e Akira tem um pezinho em várias outras áreas da cultura pop, da TV à música, como bem disse esse artigo da VICE publicado ano passado:

"Akira abriu as portas não só pros animes, mas para toda a cultura japonesa ser aceita pelo público ocidental", lembrou o autor Tom Usher. E pra ser honesto, é assim que boa parte da minha geração também lembra de Akira, ao lado de lançamentos em fita VHS e na TV a cabo de clássicos como Appleseed, Ghost in the Shell e Battle Angel. Akira era muito importante antigamente e, como a história provou, ainda é uma obra relevante.

Acima: Uma nova "edição de colecionador" de Akira foi lançada em 2016.

Claro que hoje podemos curtir jogos que tem estéticas e mecânicas que remetem ao filme – num preview do novo jogo da Devolver, Ruiner, o escritor Jordan Forward, da PC Games N, disse que esse "é o jogo inspirado em Akira que a gente sempre quis". Sem contar os jogos que tem partes que claramente foram inspiradas no filme, como a perseguição de moto em Final Fantasy VII, ou ainda Ronin, Psychonauts, Infamous e qualquer coisa com um "laser em órbita" que já inventaram.

Mas nenhum desse jogos de fato é um jogo oficial de Akira. E acho que é isso que precisamos agora. Por favor? Um jogo que use o melhor da tecnologia gráfica atual. Um jogo que faça mais do que simplesmente recontar a história do filme de um jeito interativo. Um jogo que me deixe viver na cidade de Neo-Tóquio em 2019 (eita, só dois anos até lá, galera!), em que eu possa explorar os seus becos sujos e todas aquelas ruas iluminadas por neon que não aparecem no filme, mas de alguma forma são perfeitamente imagináveis na nossa cabeça.

Eu quero um jogo de mundo aberto – o que é meio obrigatório se você quiser explorar todas as possibilidades de jogabilidade que o universo de Akira apresenta. Não estou falando necessariamente de mini-games, mas de mecânicas como os confrontos entre gangues de Syndicate, talvez; e com certeza muita corrida e treta de moto, também. Se pelo menos o pessoal da United Front Games ainda estivesse produzindo jogos – com Sleeping Dogs no currículo, imagine o que eles poderiam fazer com a licença de Akira. Só pra lembrar, não precisa imitar o filme apenas. Não acho que o jogo tenha que ser 100% fiel à trama do filme, apesar de ainda ser uma história impressionante. Tipo Alien: Isolation, um jogo baseado em Akira poderia complementar a história em vez de só adapta-la.

Tudo isso é puro sonho, porque muito provavelmente um jogo assim fique só na nossa imaginação mesmo. Mas poxa primo, esse sonho é tão bom que dá vontade de ser real, né? Deve ter alguém nesse mundão que está pensando nisso, marcando reuniões com publishers e estúdios, mandando emails nervosos e tal, ainda mais com os 30 anos de Akira chegando em 2018. Se finalmente conseguirem transformar o anime em um filme live-action – que, eu acredito, dependa muito de como a adaptação de Ghost in the Shell se saia nas bilheterias –, será que teríamos interesse o suficiente para também adaptarem Akira pros games? Talvez, quem sabe, por favor?

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.