Publicidade
Sexo

"Dos and Donts" para quem está numa relação quando entra na universidade

Um guia útil para caloiros comprometidos.

Por Emma Garland
12 Setembro 2018, 3:57pm

Fotos por Jamie Clifton.

Este artigo foi originalmente publicado na VICE UK.

Primeiro que tudo: não estejas numa relação. Se ainda assim queres insistir, isto é tudo o que deves saber.

O melhor conselho que posso dar sobre o tema de estar numa relação quando vais para a universidade é mesmo que não estejas nessa relação. Sei que parece muito cínico da minha parte. Quem é que, desde o mais profundo do seu ser, nunca disse um “adoro-te” à sua cara-metade, sentado no banco do passageiro de um Corsa, como só um/a adolescente de 18 anos pode fazer? No entanto, asseguro-te que é uma má ideia porque, na verdade, as seguintes coisas vão acontecer:

  • Ele/a vai-te encornar.
  • Tu vais encorná-lo/a.
  • Farás malabarismos para tentar que a vossa relação funcione durante os três ou quatro anos de curso, para depois acabarem logo a seguir ao final da licenciatura.
  • Vais conseguir, sem te despenteares, manter um equilíbrio tal entre a tua relação, as amizades e o espaço pessoal que farás com que toda a gente à tua volta se sinta ciumento e inútil. Quando acabares a universidade, vão viver juntos, vão-se comprometer aos vinte e poucos anos e no Instagram só vão publicar fotos vossas de férias no Sul de França. Duas semanas antes do casamento, os dois vão sussurrar ao ouvido dos vossos respectivos amigos qualquer coisa sobre “dúvidas” e “problemas na cama”, mas vão avançar com o casamento sem dizerem nada e estarão juntos para sempre. Cada minuto do teu tempo livre vais passá-lo a fantasiar com fugires com o/a empregado/a de mesa do café ao lado do escritório.

Vê: "O que é que se passa com o amor?"


Eu acabei com uma relação longa quando comecei a faculdade, de seguida comecei outra e entre uma e outra tive seis meses de solteira em que me diverti à séria. Como sei qualquer coisa sobre a temática, o meu conselho é: deixa-o/a. Aproveita esta altura da tua vida em que não é mal visto seres egoísta e um pouco irresponsável.

Por outro lado, é bom cometer erros para aprender com eles. Se estás a ler isto porque procuras um conselho verdadeiro, seguramente estarás na idade em que não te interessa ouvir o o que os outros tenham a dizer sobre as tuas decisões, principalmente uma idiota de 29 anos que ganha a vida a monetizar os seus problemas emocionais a escrever para a VICE.

Por isso pronto, faz como quiseres.

"DON'T": NÃO TOMES DECISÕES IMPORTANTES EM FUNÇÃO DE COMO PODEM VIR HIPOTETICAMENTE A AFECTAR A TUA RELAÇÃO

Devo reconhecer que os meus pais nunca me pressionaram para fazer o que quer que fosse. Se o tivessem feito, teria acabado amargurada, a estudar Direito numa universidade da minha cidade e teria retomado as aulas de piano. Mas, esse não era o meu destino. Deixei o piano para tocar um instrumento muito melhor: a guitarra. Também deixei a guitarra sem aprender a tocá-la e, depois de entrar no quadro de honra do liceu, acabei a estudar um curso de escrita criativa numa cidade mais pequena que a minha, só para estar perto do meu namorado. “Estou morta de vontade de passar os meus anos de curso apoiada nessa árvore enorme a ler Keats sozinha”, dizia a mim própria no dia de abertura das aulas, consciente de que passaria os próximos 18 meses agarrada ao Messenger do Facebook e a gastar um dinheirão em bilhetes de comboio. Ah, bons velhos tempos…

Não digo que tenha sido uma decisão horrível. Sessenta minutos de comboio não eram assim tão traumáticos e, de certa forma, era normal que não quisesse afastar-me demasiado da minha zona de conforto. O que nunca deves fazer é pôr de lados os teus planos de futuro para seguires o teu amor do liceu até à universidade que ele escolheu como primeira opção. Ou deixar de ir estudar um ano fora, porque tens sentimentos por alguém do teu curso e queres saber se pode tornar-se algo mais sério. Ou planificar os próximos cinco anos de vida em torno das aspirações de alguém que conheceste numa festa.

"DO": APERFEIÇOA O SEXTING

Esquece as críticas: esta é a habilidade mais importante que vais aprender durante os teus primeiros anos na universidade. Se precisares, começa por um texto pré-fabricado; as grandes estrelas também começaram por imitar a obra de pessoas que admiravam, antes de forjarem o seu próprio estilo. Atreve-te e experimenta. No fim vais acabar com um mestrado em "Tirar Fotografias do Rabo em Instagram Direct Para Serem Vistas Uma Só Vez Antes de Desaparecerem Para Sempre".

"DON'T": NÃO USES TODOS OS FINS-DE-SEMANA E FÉRIAS PARA ESTARES COM A TUA CARA-METADE

Grande parte da piada de andar na faculdade está nas experiências que vais viver, principalmente se estudares algum curso de Humanidades. Esses anos são maravilhosos geradores de vivências, memórias e bons (e não tão bons) momentos, que darão para muita conversa.

"DO": FAZ O QUE TE APETECER

Comunicação e consideração. Estes são os dois pilares de uma relação satisfatória, mas, por outro lado, há quatro meses a tua mãe ainda se chateava contigo por meteres o dedo no nariz e depois o limpares à parede junto à cama. Por isso, analisemos formas de estabeleceres a autonomia necessária, através de uma série de cenários mais realistas:

CENÁRIO 1

O/A teu/tua namorado/a: desaprova o consumo de narcóticos, o que te parece razoável, mas tenta sempre impor a sua opinião e comentários sentenciosos.

Tu: Apetece-te muito experimentar o MD que alguém comprou a um tipo que ainda vive no mesmo apartamento em que vivia quando acabou o curso há cinco anos.

Solução: Não penses, experimenta o MD. Quem não consiga aguentar ver-te com uma garrafa de água na mão e os dentes a ranger numa festa merdosa dos anos 80 não te merece. Vem daí, droga-te e fá-lo de forma segura. Dentro de três anos já terás ultrapassado esta fase e a outra pessoa ainda vai estar a experimentar ketamina de vez em quando, como escape para o seu stressante curso de desenho gráfico.

CENÁRIO 2

O/A teu/tua namorado/a: acha que devias ler esse livro de teoria, porque trata de vários pontos interessantes da contra-cultura yasfjaerhakjwehfakjher.

Tu: não tens vontade nenhuma de o ler.

Solução: que se foda o livro. Lê qualquer coisa que realmente te interesse e diz-lhe para abrir um debate no subreddit.

O que estou a tentar dizer-te é que não deves perder a tua personalidade. É inevitável que nos casais haja alguém que tenha uma personalidade muito forte e acabe por conseguir que as coisas se façam à sua maneira só pela auto-confiança que demonstra, mas o outro não tem porque se submeter. Ou sim, não sei. Em qualquer um dos casos, tudo vai acabar por ir à merda quando comeces a amadurecer, a sair desse molde que fabricaste para ti à semelhança da outra pessoa, e apareças um dia com um corte de cabelo maluco e um gosto requintado por memes. Maasss…

"DON’T": NÃO PINES COM NINGUÉM, IDIOTA

Esta é uma regra básica para os casais monogâmicos, mas pode ser um bom mantra para entoar, tendo em conta que vais estar uma boa temporada num ambiente que é, basicamente, como o Love Island, só que com mais mil pessoas, todas muito menos atraentes mas com as quais, apesar de tudo, vais querer ir para a cama.

"DON'T": NÃO PINES COM COLEGAS DE CASA, IDIOTA

Imagina por um momento a mistura de horror e de incómodo que já é encontrar um one night stand no supermercado. Esses “tudo bem?” tão forçados; o gesto nervoso de arranjares o cabelo e a roupa constantemente, à espera de que a pessoa não se dê conta de que é uma da tarde e ainda estás a voltar de sair à noite; o riso forçado; a esmagadora vergonha de te veres obrigada a olhar nos olhos daquela pessoa enquanto seguras uma dúzia de ovos e um sumo de laranja nas mãos e cheiras a álcool. Então, agora imagina essa cena repetida de cada vez que queres ir à casa-de-banho da tua própria casa.

"DO": TENTA INTEGRAR A TUA CARA-METADE NO TEU GRUPO DE AMIGOS O QUANTO ANTES

Pode-se saber muito de uma pessoa com base nas suas amizades. Se tu não te dás bem com as suas ou vice-versa, provavelmente a relação está condenada ao fracasso. É muito fácil limitar uma relação a uma bolha já estabelecida desde o início, quando se iam encontrando em cafés e em dois quartos. A tua opinião sobre essa pessoa baseia-se unicamente em como interacciona contigo, mas não fazes ideia de como se comporta num ambiente mais social.

"DON'T": NÃO TENTES CONVENCER A TUA CARA-METADE A NÃO FAZER UMA COISA PORQUE TENS MEDO QUE APRENDA ALGO SOBRE SI PRÓPRIO/A E TE DEIXE

Se amas alguém, liberta-o. Se esse alguém voltar, é porque de certeza deixou alguma coisa de valor em tua casa.

"DON'T": NÃO SEJAS UM/A CABRÃO/CABRA; EMBORA, PROVAVELMENTE, VÁS SER

O que costuma acontecer com a maioria dos amores de liceu ou de faculdade é que os dois membros do casal amadurecem. E é algo normal quando estás numa relação antes de teres forjado a tua personalidade. Ainda assim, é muito difícil reconhecer isto sem a ajuda da experiência que a vida traz, ou de um psicólogo.

Mais tarde, apercebes-te que é a evolução natural da maioria das relações, para além da idade, porque as pessoas mudam constantemente ao longo da vida e é muito raro e difícil fazê-lo em harmonia com outra pessoa. Talvez o melhor seja nem começar uma relação? Nunca jamais? Se calhar podes adoptar um gato cego que dependa totalmente de ti, para canalizar nele toda a tua energia emocional e depois começar a ver algum subgénero de porno muito específico até que o conceito do acto sexual se converta num elemento puramente académico. Não sei, estou só a pensar em voz alta.

"DO": OUVE O TEU CORAÇÃO! FAZ O QUE ACHARES QUE É O MELHOR PARA TI! A DECISÃO É TUA!


@emmaggarland

Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.

Tagged:
Dating
Universidade
namorar
casais
Sociedade
dos and donts
conselhos
separação
relações
caloiros
viver a vida
relações de longa duração
Destaques