Com a palavra, os caminhoneiros grevistas no porto de Santos
Todas as fotos por Guilherme Kastner.
Fotos

Com a palavra, os caminhoneiros grevistas no porto de Santos

A paralisação segue por todo o país.
25.5.18

Mesmo depois da proposta do governo para suspender a greve dos caminhoneiros contra o aumento do combustível, a paralisação segue por todo o país. O fotógrafo Guilherme Kastner foi até o porto de Santos, litoral de São Paulo, conversar com alguns deles. Entre os discursos, há quem peça para que seus parceiros de profissão não cheguem "às vias de fatos" com quem furar a greve e até mesmo quem apoie a intervenção militar.

Garcia

"Eu transporto equipamentos pesados, máquinas fora dos padrões das outras carretas. É válido, apesar de eu ser empregado. Não tenho caminhão, mas acho que é válido. Conseguiram roubar tanto a Petrobrás, que agora eles querem tirar esse desfalque do caminhoneiro. Eles estão aumentando o óleo diesel a cada 10, 15 dias, e isso é impossível. Eles vendem o óleo para Bolívia a R$ 1,50, por que para nós tem que ser a R$ 4,50? A culpa não é nossa, a culpa é do governo."

Adélia Regina

"Carrego carga seca, mudança, pouca coisa. Considerando o que meus amigos aqui carregam, eu não faço quase nada, mas eles carregam o Brasil nas costas. Eles largam a família em casa, ficam sem se alimentar. Não tem preconceito comigo, eles são bem educados. Já trabalho faz 40 anos e o meu esposo era carreteiro, e foi ele quem me ensinou essa vida. Graças a Deus eu estou aqui. Faz um ano que faleceu mas eu estou aqui junto batalhando. Eu amo essa profissão."

Warley

"A paralisação é válida para todos, não só para os caminhoneiros. Enquanto a gente não conseguir, ninguém sai do trabalho. Esse aumento muda tudo, né? É desconto da conta de casa até o último parafuso do caminhão."

Gilberto Rodrigues

"É uma paralisação pacífica, onde estamos exigindo os nossos direitos sobre o preço do óleo diesel, sobre o trecho erguido nos pedágios, entre outras coisas. A intervenção militar é fundamental para o nosso país nesse momento para acabar com a roubalheira, que já parte desde o Temer, que é o primeiro que tem que ser preso com a intervenção. Entre eles, o Congresso Nacional todo.

Tem que fechar tudo e começar do zero com o militarismo, por isso estamos pedindo a intervenção militar também."

José da Silva

"Carrego container vazio. É bastante válida a paralisação. [Sobre caminhoneiros pedindo intervenção militar] isso aí é a opinião de cada um, entendeu? Não tem nada de intervenção militar, não queremos derrubar governo nenhum. Estão usando o caminhoneiro autônomo como massa de manobra para querer tomar o governo, eles que tomem sozinho."

Paulo

"É para o país inteiro que estamos aqui. Estamos lutando por todos."

José Adelanio

"Trabalho com container de importação e exportação. O caminhoneiro não aguenta mais essa situação, por isso o pessoal parou aí, e como ninguém pode sair, também estamos juntos nessa paralisação. Tem que ter um resultado positivo, senão não vai adiantar nada, até porque muita gente está se sacrificando na estrada, pessoal sofrendo bastante, prejuízo para todos, todos perdem, infelizmente.

Peço para os amigos que não venham às vias de fatos, porque mesmo aquele que quer furar a greve é um pai de família também, está trabalhando também, são todos caminhoneiros. Vamos ter paciência que certamente logo isso ai vai ser resolvido."

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.