FYI.

This story is over 5 years old.

O que aprendemos com a performance emo soft-core do Jack Ü no Grammy

Justin Bieber, Skrillex e Diplo mereceram sim o Grammy, mas não precisava daquela apresentação né, mores?
Image via Youtube.

É raro que shows de premiação sejam bons. Normalmente, são versões exageradas dos maiores sucessos do ano passado, tocadas para gente cheia de grana e sem o menor interesse naquilo, enquanto a parte realmente interessada do público fica gritando na lateral do mezanino. Seguidamente, parecem um karaokê de luxo num velório.

Isto é, a menos que os artistas consigam pensar fora da caixa. Se você vai tocar uma música que ficou em primeiro lugar nas paradas durante 15 semanas e todo mundo já sabe de cor, por que não apimentar um pouco as coisas? Claro, todos nós gostamos da velha "Uptown Funk", mas por que não tentar uma versão reggaetown? Sim, curtimos "All About That Bass", também, mas por que não fazer uma parada meio Basinski com ela, um loop de uns dois segundos da voz da Meghan Trainor durante uma hora inteira? É claro que adoramos "Where Are Ü Now?", mas ei, Diplo, Skrillex, Bieber — por que não tocá-la como uma faixa emo soft-core?

Publicidade

Leia: "Where Are Ü Now": Como New York Times nos Lembrou que É Possível Levar o EDM a Sério

Só para constar: adoro mesmo "Where Are Ü Now?". Já disse antes que é uma faixa merecedora de estudos, constante atenção e análise. Acredito mesmo que seja um hino para "as crianças do pós-guerra, do pós-internet, do mundo pós-irônico". Acredito nisso de verdade. De certa forma, estou empolgado em poder escrever de novo sobre essa música, só gostaria que fosse em melhores circunstâncias. Ouço aquele som de flauta que lembra um golfinho nos meus sonhos até hoje. Ouço mesmo, sinceramente.

E é por isso que é um pouco mais do que decepcionante ver essa música reduzida à performance do Grammy. Bem, não reduzida extamente, porque tecnicamente a deixaram maior, mas do jeito que um ônibus de dois andares é maior do que uma motocicleta, ou como o Eric Pickles é maior do que o Brad Pitt. Você pode conferir por si mesmo no vídeo acima, mas esteja preparado. Porque depois de uma performance — vamos encarar — transcendental de "Love Yourself", o jovem Justin corre para o fundo do palco gigantesco para se juntar a Diplo e Skrillex. Mas mesmo assim, algo está errado, algo está diferente. Diplo está — sim, isso mesmo — parado atrás de alguns músicos de orquestra, e Skrillex está empunhando uma guitarra, como o membro de uma de banda de nu-metal que você achou que ele era quando viu uma foto dele pela primeira vez.

Publicidade

Então eles começam a tocar a versão mais triste e exagerada possível da música. Parece o tipo de música que tocaria no final da temporada de uma série como One Tree Hill ou outro lixo qualquer. Tem todo o otimismo e a vitalidade juvenil de um tatuador chapado falando sobre a ex-namorada. Soa como um bando de fãs do Fall Out Boy em um acampamento Cristão tocando "um hino moderno" que eles escreveram juntos. Não soa nada parecido com "Where Are Ü Now?".

Imagem via YouTube.

Então, o que podemos aprender com isto? Bem, acredito que esta versão "escrevo poesia angustiada e tenho um pôster da Jack Daniel's no meu quarto" da música pode nos ensinar muito sobre o valor da produção. Para quem não acredita no talento de produtores como Diplo e Skrillex, olhem só isso. Justin Bieber é um vocalista incrível, e a melodia de "Where Are Ü Now?" é incomparável, é claro, mas troque a vibe sobrenatural do golfinho-fodendo-uma-flauta para uma vibe pista-de-hard-rock-numa-festa-universitária-indie e a música do ano fica uma merda.

Não se engane, o Jack Ü mereceu o Grammy [eles ganharam o Grammy de melhor disco eletrônico do ano]. Mesmo que você julgasse todo o disco deles baseado nessa música. De certa forma, esta versão inferior prova exatamente por quê. Eles não precisam fazer versões ao vivo que pareçam uma mistura de Muse com Major Lazer. "Where Are Ü Now?" é prova viva de que instrumentos orgânicos não são o começo e o fim de tudo. Essa é uma música que caga sobre todos os memes musicais arrogantes sobre "instrumentos de verdade" e "músicos de verdade", criando um mundo sonoro inteiro usando a tecnologia e basicamente nada além disso. Falo tudo isso porque gosto dela, sinceramente. O Jack Ü mereceu o Grammy, mas sinceramente, não fizemos nada para merecer essa versão de "Where Are Ü Now?".

Siga o Angus no Twitter.

Tradução: Fernanda Botta

Siga o THUMP nas redes Facebook // Soundcloud // Twitter.