Entrevista

Tudo que aprendi sendo guarda-costas de celebridades

“Sean Penn. Ele é um cara muito legal. Mas te digo uma coisa, ele sabe se cuidar sozinho.”
MS
Traduzido por Marina Schnoor
27.11.17
Mark 'Billy' Billingham. Photo courtesy of Channel 4.

Matéria originalmente publicada na VICE UK.

Quem você acha que são os caras mais fodões do mundo? Tem muitos candidatos por aí: os lutadores de MMA, gente que luta boxe sem luvas, jogadores de rugby, os seals da marinha norte-americana, os spetsnaz russos. Boas opções, sim. Mas, sem dúvida, os caras mais fodões do mundo são do Serviço Aéreo Especial do Reino Unido, o SAS. Então não é surpresa que muitos deles acabem tomando conta dos ricos e famosos quando terminam de servir o país.

Mark “Billy” Billingham passou 27 anos no SAS. Ele lutou no Iraque e foi condecorado pela Rainha depois de capturar um franco-atirador do IRA servindo como isca. Ele também é da Ordem do Império Britânico e atualmente faz o programa de sobrevivência do Channel 4 SAS: Who Dares Wins. Mas antes disso, ele foi guarda-costas de Angelina Jolie, Brad Pitt, Tom Cruise, Kate Moss, Russell Crowe e Clint Eastwood.

Me encontrei com ele para descobrir como é ser um dos caras mais casca-grossa do mundo, como ele entrou nessa de cuidar de famosos e se ele preferia lutar em outra guerra ou ser guarda-costas da Kate Moss de novo.

"Sean Penn. Ele é um cara simpático, um cara muito legal mesmo, mas te digo uma coisa, ele sabe se cuidar sozinho."

VICE: Oi, Billy. Como você entrou pra indústria de seguranças de famosos?
Mark “Billy” Billinham: Foi uma progressão natural. Antes mesmo de deixar o regimento, fui convidado para ajudar com algumas celebridades da lista A, a primeira sendo o Tom Cruise. Um amigo me recomendou, e simplesmente comecei por aí.

Por que tantos ex-SAS acabam envolvidos com segurança de famosos?
É uma coisa de boca a boca. Celebridades querem a melhor proteção, e o SAS é isso. Eles já tiveram guarda-costas do SAS antes, então naturalmente esperam essa mesma qualidade de serviço.

Então, é muito difícil entrar no SAS?
Olha, vou colocar assim: 280 pessoas se inscrevem todo ano, sete entram. É o teste físico e mental mais árduo que você pode imaginar. Você tem que ser uma pessoa robusta, mas o mais importante é sua mente — é uma questão de como você pensa, como olha para as coisas, como interpreta as coisas, sua integridade.

O que torna pessoas como você guarda-costas tão requisitados?
Ser guarda-costas é uma questão de planejar o futuro. Não tem nada a ver com caras bombados com barriga de tanquinho. É saber como escapar, conhecer planos de contingência, como ler a situação. Você tem que estar sempre calmo sob pressão e evitar conflito. Mantemos a cabeça no lugar quando todo mundo já perdeu.

Tem alguma celebridade que foi tão escrota que você preferia voltar para uma zona de guerra a ter que lidar com ela de novo?
Todo mundo sempre foi muito legal comigo, honestamente.

E a Kate Moss?
Ela era a Kate Moss; ela era diferente. Ela era profissional, ela era boa no que fazia. Não conheci ela tão bem porque tinha muita coisa acontecendo na época. Era uma época movimentada com os paparazzi — tinha fotógrafos nos seguindo o tempo todo. Mas ela me respeitava e sempre fazia o que eu pedia, então tínhamos uma boa relação de trabalho.

Quem foi a pessoa mais legal de quem você já cuidou?
Passei mais tempo com o Brad e a Angelina, então provavelmente sou suspeito pra falar bem deles.

Como eles são como pessoa?
Muito profissionais, muito motivados, com uma energia inacreditável — mais do que eu tinha. Eles eram muito bons em planejar suas vidas, sempre arranjando tempo para os filhos e projetos de caridade. Honestamente, a pressão sob a qual eles estavam — estarem sempre bem-vestidos, saberem que todo mundo estava esperando um escorregão deles porque histórias assim vendem mais — o jeito como eles lidavam com tudo isso era incrível.

O que você achou da separação deles?
Não vou comentar sobre isso. Eles eram meus clientes e sempre vou respeitar a privacidade deles.

Você escolhe as celebridades com quem trabalha? Ou porque você é o mais fodão você cuida das pessoas mais famosas?
Não, tem que ser a pessoa certa para a celebridade certa. Para mim, com o Brad e a Angelina, eles confiavam em mim para cuidar dos filhos deles e de seus maiores segredos — até o tamanho das roupas que eles usavam. Então se você quer ter alguém com quem trabalhar, você tem que ser a pessoa certa.

Qual o pior momento que você passou com uma celebridade? Aposto que a maior parte do trabalho é trivial, mas teve algum momento em que você ficou realmente preocupado?
Com certeza. Como você disse, na maior parte do tempo você se preocupa com o que vai acontecer se a pessoa derrubar café no vestido. Mas lembro uma vez com o Brad e a Angelina num festival de cinema de Toronto — eu estava sozinho no carro com eles e o motorista entrou em pânico por causa da multidão. Foi um caos — as pessoas estavam tentando abrir as portas, bloqueando a rua. As pessoas queriam me arrancar do carro. Brad e Angelina olharam pra mim procurando respostas. A resposta era tirar o veículo dali o mais rápido possível, sair da cidade e cancelar a festa que eles deveriam dar. Tivemos muita sorte de não atropelar ninguém.

Você teve que contrariar as pessoas quando as coisas estavam saindo de controle alguma vez?
Meu contrato é cuidar da pessoa a qualquer custo. Se aconselho que aquela situação não é segura, eles precisam respeitar. Quer dizer, eles podem me contrariar se quiserem, mas sempre tive sorte de ter clientes que ouviam o que eu dizia.

Por último, quem foi a celebridade mais durona de quem você já cuidou?
Sean Penn. Ele é um cara muito simpático – um cara legal mesmo – mas te digo uma coisa, ele sabe se cuidar sozinho.

Obrigado, Billy.