Estas não são as tuas típicas fotos de Wrestling
Todas as fotos por Ken Castañeda.
Viagem

Estas não são as tuas típicas fotos de Wrestling

O fotógrafo gay mexicano Ken Castañeda utiliza a "lucha libre" no seu trabalho como forma de expressar a sua complexa identidade.

Este artigo foi originalmente publicado na VICE USA.

Tirando o trabalho excepcional de Ben McNutt e Lourdes Grobet, fotografar wrestlers já se tornou quase um cliché. Contudo, a expressão artística de um recém licenciado da School of Visual Art, Ken Castañeda, parece ser também uma dessas excepções à regra. Filho de pais mexicanos e colombianos, Castañeda despertou para a sua identidade muito cedo. "A retórica que rodeia o ser mexicano nos Estados Unidos era tão estigmatizada que, durante muito tempo, não me queria associar a essa parte da minha cultura", explica Castañeda.

Publicidade

No meio dessa turbulência, contudo, a sua terra natal Passaic, em Nova Jérsia - uma pequena cidade predominantemente hispânica e negra - permitiu que ele se tornasse mais forte face às adversidades. Ajudou-o a assumir a sua identidade com orgulho.

Wrestling, ou lucha libre, é uma grande parcela da cultura mexicana. Um aspecto único na luta livre mexicana são as máscaras coloridas que os wrestlers, ou luchadores, usam no ringue. Muitas vezes, quem perde a luta tem que retirar a máscara permanentemente - um símbolo de derrota ou de fim de carreira. Um dos wrestlers mais celebrados no México, Rodolfo Guzmán Huerta (conhecido por El Santo), nunca tirou a sua máscara. Até quando Huerta morreu foi enterrado com a máscara. Este tipo de expressão em forma de performance e, simultaneamente, o acto de esconder a identidade foi o que atraiu Castañeda quando ainda era criança.

"Eu era, definitivamente, demasiado gay para lutar em competição", brinca Castañeda. E acrescenta: "Era muito magrinho em miúdo. Mas, o desejo esteve sempre lá". O interesse de Castañeda em desportos de contacto, como o wrestling, veio do facto de permitirem que os participantes quebrem a barreira de intimidade entre o mesmo sexo.

"Crescer no armário e brincar a desportos de contacto tornou mais claro para mim o que era uma relação fraternal entre rapazes," explica Castañeda. "De repente era OK tocarmos uns nos outros, simplesmente por causa do contexto em que estávamos juntos. Há um certo elemento psicológico na forma em como os desportos se relacionam com o desenvolvimento da vida sexual que me intrigou, bem como a dicotomia entre a parte física dos desportos e a inocência da brincadeira".

Publicidade

Algumas das imagens de Castañeda são sobre a juventude e a sexualidade, mas ele também fotografa a sua família, mostrando como eles entraram na performance de outras maneiras. Para os seus pais, a máscara permitia-lhes criar a sua própria narrativa, quer fosse para acreditarem num país que se mantinha pouco receptivo a imigrantes, quer fosse para celebrarem a sua herança.

Nesta imagem em particular, a sua mãe está a usar uma máscara de wrestling tradicional com uma t-shirt que diz "All-American Babe". O seu pai parece estar a abraçá-la, mas a expressão facial sugere que ela se esteja a tentar soltar. Talvez o abraço do pai represente tanto a casa que ambos criaram nos Estados Unidos, como as restrições que ainda sofrem enquanto minoria. Ou talvez os seus pais estejam simplesmente a brincar e a actuar em frente à câmara, desfrutando da tal performance. Seja como for, estas imagens dão-nos muito em que pensar.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.