Drogas

MBDB, a droga legal com efeitos parecidos aos do MDMA

É uma substância legal e bastante segura, que está mesmo a pedir para ser "desenterrada".

Por Alex Shulmann
23 Julho 2015, 10:04am

Este gajo adora o Mundo, mesmo sem ter experimentado MBDB. Imagem via.

Este artigo foi originalmente publicado na VICE USA.

Com a oferta desmesurada que temos de substâncias legais e ilegais, não é fácil pensar numa droga que fosse mais fácil de conseguir no passado que agora. Veio-me à cabeça, por um momento, o Khat, uma planta que contém um estimulante de uso comum em certas zonas de África e que aparecia entre os bens dos piratas que assaltavam o barco de Tom Hanks no filme Captain Philips. Foi interessante experimentá-la, mas não foi uma experiência magnífica que quisesse repetir. Um colega meu - no Reino Unido era legal e muito barata, até há pouco tempo -, fazia batidos com a planta inteira e bebia-os antes de sair de casa, como se fosse MDMA natural.

A melhor recordação que tenho de uma substância totalmente sintética e que surgiu no mercado quando começaram as restrições e proibições que complicaram o abastecimento de MDMA, foi o MBDB, ou Éden. Éden não parece uma má descrição, tendo em conta os seus efeitos. No dicionário diz que Éden, para além do paraíso primário da desobediência de Adão e Eva, é um "lugar ameno e maravilhoso". E quem o baptizou, já tinha seguramente experimentado os seus efeitos.


Vê também: "O homem que deu vida ao Ecstasy num tubo de ensaio"


É bastante complexo descrevê-los sem cair nos tópicos típicos do MDMA, porque são realmente parecidos, mas não iguais. O seu criador é o conceituado químico David Earl Nichols, pai de outras substâncias psicadélicas. Foi ele quem pensou no termo "entactógeno", que descreve o efeito destas substâncias que têm como característica comum facilitar o contacto profundo entre sujeitos - ou com partes pouco acessíveis de nós próprios - a nível emocional.

Uma vez perguntaram-me qual era a diferença entre ambas e a melhor metáfora que encontrei foi a seguinte: "Imagina como te sentes quando, depois de meses e meses de espera, estás prestes a ter relações com a pessoa que desejaste de forma tão intensa. Essa sensação seria o MDMA. Agora imagina como te sentes quando já passaste esta emoção intensa e repousas ao lado do corpo dessa pessoa desejada, após uns quantos orgasmos mágicos: isso é o MBDB!".

Pessoalmente, prefiro mil vezes o MBDB ao MDMA, ou melhor, preferia. Onde posso comprá-lo? Tenho de ir aos recantos manhosos da Internet e pagar com Bitcoins para não ser apanhado? Hoje em dia não há resposta fácil a esta pergunta. Nem sequer uma explicação (que me convença) sobre a falta desta droga, quer seja no mercado negro ou "branco", porque, afinal de contas, é uma substância totalmente legal.

O MBDB ou Éden é uma das variantes mais lógicas do MDMA - quimicamente falando - e não é mais que MDMA a que foi adicionado mais um carbono na estrutura de anfetamina do ecstasy. Essa variação mínima tem consequência nos efeitos. Mas, não deixa de ser algo "muito parecido". Quando os sistemas de detecção de novas drogas, que se puseram em prática em todo o Mundo após a proibição do MDMA e a consequente explosão deste composto por todos os cantos do Planeta, começaram a detectar-se as primeiras mudanças sobre a molécula.

Rapidamente encontrámos variantes neste substituto do MDMA. Entre as primeiras que apareceram estavam o MDE ou Eva, o MDA (que era o percursor no metílico do MDMA e que era mais psicadélico sem perder a sua parte "entactógena") e o MBDB (que Nichols sintetizou e deu a provar a Shulgin). O MDA e o MDMA já estavam proibidos, o MDE foi de imediato incluído na lista negra de substâncias e o MBDB ficou em observação.

Como assim, observação? Exacto, foi a primeira substância que o EMCDDA - Comité Científico do Centro para Monitorização de Drogas e Dependências da Europa - achou por bem submeter a avaliação, em 1998. Esta avaliação, sobre se era necessário proibi-la e com que rapidez, foi requerida pelo Reino Unido, que naquele momento ocupava a presidência da União Europeia. A resposta não foi a que se esperava: o tal organismo estudou o que se conhecia do MBDB ou Éden e acabou por determinar que não via necessária a proibição do mesmo, já que ninguém tinha conseguido provar que era especialmente aditivo ou perigoso. E, mesmo que o fosse, estava perfeitamente enquadrado abaixo dos níveis do MDMA.

Não foram os únicos. Depois disso tentou-se algo parecido nos EUA e também a nível internacional. O Centro de Liberdades Cognitivas e personagens como Shulgin, Jonathan Ott ou Thomas Szasz, contribuíram com uma carta em que batiam o pé contra a falta de razões para proibir o MBDB.

O resultado foi um pouco estranho, porque os especialistas da OMS disseram: "Mesmo sendo o MBDB, farmacologicamente falando, tão parecido com o MDMA, os limitados dados disponíveis indicam que os seus efeitos de euforia são menos pronunciados que os deste último. Não se fizeram estudos sobre os efeitos tóxicos ou contra-indicativos do MBDB em humanos. Os dados das forças de segurança sobre o tráfico ilícito [??!!] de MBDB na Europa reflectem que a sua disponibilidade e abuso podem estar em declínio, após o seu apogeu na última metade dos anos 90. Por outras razões, o Comité não considera que o perigo por abuso de MBDB constitua um risco para a saúde pública, por isso NÃO RECOMENDA A SUA PROIBIÇÃO".

Sim, isso mesmo, pode parecer estranho, mas a OMS não recomenda que se proíba. Não a vê assim tão perigosa. E isso é uma grande notícia para o utópico dia em que comecemos a regular as drogas, porque estas substâncias que ainda foram proibidas, são as que têm maior possibilidade de serem postas em jogo. Penso que o MBDB, o Éden de Nichols, é uma grande substância e que não precisa de "ser parecida com o MDMA" para poder ser valorizada. E pronto... actualmente é legal.


Vê também: "As vidas difíceis dos jovens britânicos viciados em marijuana sintética"


Se o MBDB é legal (ou seja, não está proibido) e tem uns efeitos similares aos do proibido MDMA, qual é a razão para não estar no mercado? Temos substâncias de todo o tipo, muito mais perigosas que a maioria e que se vendem como "legal highs". Mas, não encontramos, nem sequer nos mercados da darknet, o (pouco prejudicial) MBDB. E quando se encontra, vende-se como MDMA.

A minha primeira experiência com o Éden ou MBDB aconteceu através de umas cápsulas vendidas como "californianas", com uma composição de cor entre o bege e o castanho, claro, algo rugosas e sem cheiro. O sabor era parecido com o MDMA, mas com um aspecto húmido, como se estivesse escondido dentro da própria molécula. Algum tempo depois, um amigo sintetizou umas gramas de MBDB e ofereceu-me duas. A última vez que o consegui foi através de um fornecedor chinês que tanto te sintetizava o melhor 2C-B ilegal, como fabricava umas doses de MBDB legal e fazia-o chegar a ti discretamente, depois do pagamento via Western Union. Não havia Silk Road, mas existiam outras coisas semelhantes (fóruns privados, por exemplo). O motivo pelo qual não está disponível, deve-se a que os percursores destas duas drogas são os mesmos e estes têm tendência a decantar-se pelo conhecido MDMA, porque tem mais procura.

Era brutal. Lembro-me de ter pensado (sob o seu efeito) que devia estar a acontecer algo com o meu cérebro parecido com o que sucede com os gatos e cães quando recebem carícias. Apesar de gostar de MDMA, há uma parte que me deixa de pé atrás: as trips. Não gosto da cena estimulante, nem das taquicardias, não me enfio na pista a dançar. O MBDB bate com maior suavidade, não te faz perder a cabeça, como acontece com o MDMA. Penso que o MBDB é a droga perfeita para os adultos ou velhinhos que nunca experimentaram MDMA. Mas, não deixa grande espaço para a comunicação ou a revelação de segredos nunca antes contados.


Vê também: "Michael Randall, o homem que quis mudar o Mundo através do LSD"


O MBDB ou Éden é a droga mais "táctil" que conheço. Um gajo pode mandá-la sozinho, mas dali a um bocado está a masturbar-se à grande no meio dos lençóis. Precisas de contacto físico. É uma droga para tocar e metê-la com a tua namorada ou namorado que esteja habituada ou habituado a este tipo de drogas, é realmente parecido com o Éden. Tudo muito ameno e maravilhoso.

No tema sexual não supera o MDMA, porque não é uma droga genital e não ajuda na situação fisiológica, mas, no que respeita à intimidade (e sobretudo para pessoas que, mais que usar a boca para falar, adoram descobrir todos os recantos da tua pele), é a droga ideal, sem rival.

Perfeita para amantes, para os que não têm nada para dizer com palavras, mas que não querem deixar de usar a boca e a língua. Perfeita para transformar o corpo do outro num campo inexplorado. Belos tempos... "Deixa-me chupar todos os centímetros da tua pele, porque estou empapada de MBDB". Algum químico por aí? É uma grande substância, legal e bastante segura, que está a pedir para ser "desenterrada".