actualidade

Lê a carta que o avô imigrante de Trump escreveu a implorar que não o deportassem

"Porque é que haveríamos de ser deportados? É uma situação muito, muito dura para uma família".
6.3.17
avô de Trump
Friedrich Trump via Wikicommons.

Este artigo foi originalmente publicado na VICE US.

Em Novembro último, um tablóide alemão descobriu uma carta de 1905 escrita pelo avô de Donald Trump, Friedrich Trump, em que este implorava às autoridades germânicas que não o deportassem. A missiva, escrita à mão - originalmente em alemão - foi agora traduzida para inglês e publicada no mais recente número da Harper's.

O avô Trump emigrou da cidade de Kallstadt, na região da Baviera, para os Estados Unidos, em 1885, quando tinha 16 anos, escapando ilegalmente ao serviço militar (soa familiar). Esta decisão custou-lhe a cidadania. Mais tarde tornou-se cidadão norte-americano e fez fortuna a gerir bordeis e bares durante a corrida ao ouro em Yukon.

Vê também: "As 24 coisas que ninguém faz melhor que Trump (segundo Trump)"

Friedrich Trump voltaria à sua terra natal no início dos anos 1900, mas seria colocado na lista de deportações, devido ao seu historial de fuga ao serviço militar. A carta agora traduzida é uma súplica ao Príncipe Luitpold da Baviera, que governava a região de Kallstadt nessa altura, para que não o enviassem de volta aos Estados Unidos. "Porque é que haveríamos de ser deportados? É uma situação muito, muito dura para uma família", escreve Trump. E acrescenta: "O que é que os nossos concidadãos vão pensar se pessoas honestas têm de enfrentar tal decreto - já para não falar das perdas materiais que dele incorrem".

Aparentemente, a carta não foi suficiente para convencer o Príncipe, já que a história assinala que Trump acabaria por voltar a território norte-americano, dando origem a uma linhagem de crianças que um dia acabariam na Casa Branca. Será que o clima político de 2017 seria diferente se um barbudo membro da realeza bávara tivesse feito um favor a Friedrich Trump em 1905? É melhor não pensarmos muito nisso.

Podes ler a carta na íntegra na Harper's.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.