Viagens

As imagens de fotógrafos da Magnum que documentam a história do terrorismo

O novo trabalho de Peter van Agtmael é uma colecção de imagens de vários fotógrafos que resume a história recente da nossa sociedade na era do auto-proclamado Estado Islâmico e a própria história do grupo terrorista.

Por Pierre Longeray
27 Julho 2018, 3:54pm

Um homem atira pedras a um retrato de Saddam Hussein em Bagdad, Iraque. 10 de Abril de 2003. © Alex Majoli/Magnum Photos

Este artigo foi originalmente publicado na VICE França.

AVISO: Este artigo contém imagens que podem ser consideradas fortes para alguns leitores.

Peter van Agtmael é um fotógrafo norte-americano da Magnum, apaixonado por história. O seu mais recente trabalho, A Brief Visual History in the Time of ISIS, é uma colecção de 40 imagens, da autoria de 19 fotógrafos, que conta a história do grupo terrorista, mas também do impacto da organização na nossa sociedade. A primeira imagem da série é de 1941, enquanto a mais recente foi tirada durante a libertação de Mossul, em 2017.

“Sem minimizar o impacto dos seus crimes na vida de milhões de pessoas, etse trabalho procura colocar o auto-proclamado Estado Islâmico no contexto de uma visão de longo prazo da história”, escreve Agtmael na introdução. A Brief Visual History é o primeiro projecto da série Chronicles, da Magnum – panfletos em estilo jornal, de tiragem limitada, com curadoria de diferentes fotógrafos.

Encontrei-me recentemente com Peter em Paris, França, para discutir sobre este novo projecto e sobre os os desafios de documentar o terrorismo.

Aurora, Illinois. 2015. Mahmud Al Hajali num supermercado Cermak. Os Al Hajali são parte de um grupo de 2.200 refugiados sírios da guerra civil que conseguiram asilo nos EUA. © Peter van Agtmael /Magnum Photos

VICE: Como é que entraste no mundo da fotografia?

Peter van Agtmael: O meu primeiro emprego foi num jornal do meu campus universitário. Depois, como parte de um estágio no Parlamento Europeu, fui enviado à Roménia para documentar os orfanatos do país. A experiência ensinou-me o poder e os limites da fotografia. Aprendi sobre limites éticos, o que me ajudou a entender melhor as minhas responsabilidades enquanto fotógrafo.

Passaste a maior parte da tua carreira a documentar o terrorismo. O que é que te fez querer criar uma colecção mais abrangente desse trabalho?

Durante os ataques a Paris em 2015, estava num restaurante da cidade, não muito longe do Bataclan. Foi essa experiência que me inspirou a contar uma história mais completa de como chegámos até aqui. Queria criar algo que fosse além das narrativas simplistas retratadas nos media, que fosse mais acessível.


Vê: "O Estado Islâmico"


Aqui, o principal foco parece ser o nascimento do auto-proclamado Estado Islâmico.

Queria mostrar mais que violência e destruição. Queria documentar a história por detrás do Estado Islâmico e como o grupo não apareceu do nada um dia no deserto. Há uma história que vem desde o Império Otomano e, por isso, decidi colocar uma cronologia no começo. Os fotógrafos às vezes esquecem-se que as imagens existem dentro de uma história muito mais ampla.

Mossul, Iraque, maio de 2017. © Lorenzo Meloni/Magnum Photos

Não há muitas fotos dos soldados do ISIS na colecção. Isso foi propositado?

Na verdade, só há uma foto que mostra o grupo e até estava relutante em inclui-la. Não vemos muitas fotos deles, porque raramente concordam em ser fotografados, a menos que tenham controlo da narrativa.

Como é que encontras o equilíbrio entre não mostrar demasiado e mostrar o suficiente?

Tento analisar bem essa situação. Não há razão para fingir que violência e brutalidade não existem. Mas, não podes sobrecarregar o teu público com esse tipo de imagem. Quando cobres conflitos ou terrorismo, é importante mostrar a complexidade dos temas, mostrando um panorama maior do mundo de onde essas imagens vieram. Tratar os temas dessa maneira, permite-nos obter uma variedade de imagens. Algumas podem ser belas, outras brutais ou surrealistas e, algumas vezes, acabam por ser tudo isso de uma vez.

Vê mais fotos de A Brief Visual History in the Time of ISIS abaixo.

Llandudno, País de Gales. 2013. © Martin Parr/Magnum Photos
Damasco, Síria. Oficiais do exército indiano descobrem o quartel-general de Vichy depois da rendição. 1941. © George Rodger/Magnum Photos
Alepo, Síria, 2013. Um soldado do regime de Assad é executado por um membro do Estado Islâmico do Iraque e al-Sham na aldeia de Ehtemlat, norte do país. © Emin Özmen/Magnum Photos
Mossul, um homem gravemente ferido nos olhos por estilhaços espera um táxi para ser levado ao hospital. © Peter van Agtmael/Magnum Photos

Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.