Saúde

Testei o videogame que você joga com o pau

Jogar com suas partes íntimas nunca foi tão fácil com essa nova cueca que combina pontos e assoalho pélvico.
27.3.18
Foto pelo autor.

Matéria originalmente publicada na VICE US.

A internet está cheia de remédios para aumentar a libido, consertar disfunção erétil e fortalecer o assoalho pélvico, mas nenhum tem a atração absurdamente cômica das cuecas incentivadoras de ereção da Vylyv Labs.

Depois de uma campanha de sucesso no IndieGoGo de 2016, a empresa está refinando e dando os últimos retoques em sua criação, cuecas que eles dizem que vão proteger os usuários de um “estilo vida sedentário e outras ameaças a sua masculinidade”. Para encorajar o uso, eles encontraram um jeito de gamificar o processo.

Publicidade

Como jogador de longa data e entusiasmado avaliador de programas de exercícios penianos, fiquei cativado pelo produto desde a primeira vez que li sobre ele. Depois de ler no site deles que, com um mês de exercícios com meu assoalho pélvico usando a cueca, eu seria capaz de “aumentar o ângulo e a dureza da ereção”, eles me convenceram. Quem não nunca quis isso, né?

Consegui uma cueca Vylyv para testar em primeira mão. Enquanto eu duvidava que ela pudesse substituir meu Switch como meu jeito favorito de jogar de cueca, achei que talvez eles pudessem me ajudar com minha saúde abaixo do cinto enquanto eu exercitava o tão negligenciado grupo muscular pubococcígeo.

Forma E função.

O acessório tem o visual bonito, elegante e limpo de uma cueca de marca. Os painéis pretos de tecido transparente nos ossos do quadril eram um pouco chamativos demais pro meu gosto, mas nada pode ficar no caminho da busca pela saúde. Experimentei a cueca, e apesar de ter ficado parecendo a ideia de um conservador cristão de “apimentar seu casamento”, ela era bem confortável.

Um diagrama de como a cueca funciona, screenshot via site da Vylyv.

Levei um tempinho para entender exatamente como a cueca funcionava. Enquanto eu trabalhava nos desafios do exercício, um saco de ar inflado abaixo do meu períneo mandava a mudança de pressão das contrações e descontrações do meu assoalho pélvico para um disco magnético alojado num pequeno bolso no meu quadril. Esse pequeno disco oval removível e recarregável, que lembra aqueles acessórios que eles vivem grudando na têmpora das pessoas em vários episódios de Black Mirror, mandava as informações de pressão pro aplicativo da Vylyv, que as transforma em comandos de jogo.

Parecia muito simples, apesar de ter ficado imaginando por que a Vylyv escolheu tecido branco para um produto pensado para ter o ânus repetidamente pressionado contra ele.

Publicidade

Quando meu disco carregou, o coloquei no pequeno bolso, e a cueca registrou a adição do aparelho mandando uma vibração de vários segundos para o meu períneo.

Acontece que eu tinha que fazer alguns exercícios de cinco minutos para ganhar pontos para destravar os jogos. Eles me mandavam fazer coisas como aperta minha virilha para inflar uma esfera na tela. Como aqueles medidores de força onde você precisa apertar uma barra.

Apesar de o aparelho ter um modo “ninja” sem vibração e o site implicar que homens de terno em suas fotos estavam secretamente fazendo exercício peniano no escritório, me recusei a usar a cueca em público, convencido que, mesmo sob a calça, todo mundo ia saber o que eu estava fazendo. Coloquei e tirei a cueca especificamente para os exercícios. Nem mais nem menos.

Meu treinamento teve um começo meio complicado enquanto eu sofria para calibrar corretamente a sensibilidade da cueca e pegar o ritmo da sequência de exercícios. As atividades também eram bem chatas, mas insisti, focando na sobremesa que esperava por mim depois que eu comesse meus vegetais. Eventualmente consegui pontos suficientes para entrar no jogo.

Mesmo não esperando algo robusto como um Mario, ainda fiquei um pouco desapontado em descobrir que os únicos jogos que eu podia jogar com a cueca eram plataformes de correr para frente, onde eu pulava sobre espinhos e vãos para alcançar uma bandeira, significando o final da fase. Também tem um clone de Flappy Bird disponível, mas preciso subir o nível do meu perfil para destravar esse.

Seu avatar no jogo é um pênis antropomórfico estilo Dickbutt, testículos com um pequeno par de genitais como cauda. Como a cereja do bolo, descobri que os pontos que acumulo no aplicativo podem ser usados não só para comprar vidas extras para os jogos, mas também adquirir acessórios como um cigarro e óculos de sol para meu pequeno bigolim corredor.

Não consegui passar da décima fase, ele não quer pular.

O gameplay deixa muito a desejar. Fora o tédio, as respostas do meu Dickbutt para meus movimentos pélvicos iam de com lag para inexistentes, não importando quão forte eu contraísse. Mesmo depois de trapacear usando meu dedo para apertar o saco de ar, eu não estava avançando muito. Eventualmente descobri que isso estava sendo causado, em parte, por falta de conexão do bluetooth, porque o disco tem uma vida de bateria hemorrágica e eu já estava sem energia menos de uma hora depois de tê-lo carregado. Ter um aviso de bateria baixa ajudaria pacas.

Rotinas de exercício nem sempre podem ser divertidas, claro. Mesmo as baseadas em jogos. Reconhecendo essa verdade amarga, insisti por mais duas semanas, ralando na minha frustrante sequência de exercícios diários e lentamente subindo de níveis, destravando novos recursos e jogos pelo caminho.

Publicidade

Felizmente, a comunidade Vylyv é muito encorajadora e, sempre que ficava muito frustrado com os exercícios e precisava de motivação, eu conferia a guia de Fórum do aplicativo e lia os pensamentos e perguntas de outros usuários sobre o programa.

“Mais alguém acha os jogos muito difíceis? Sou muito ruim nisso”, lamentava um usuário que usava o nome Kumquat. Outros usuários responderam validando seus sentimentos e sugerindo que, com tempo e treino, as coisas ficavam mais fáceis.

Outro usuário compartilhou que alguém lhe disse que ele tinha “um pinto pequeno”, comentaristas se apressaram para oferecer um tapinha nas costas digital e deram novas perspectivas como “às vezes não é questão de tamanho”.

Infelizmente, a positividade do grupo não era infecciosa o suficiente, e logo meus exercícios de cueca se tornaram muito chatos pra continuar. A falta de consistência no jogo resultou em cada exercício parecendo uma tentativa meia-boca, me obrigando a aposentar minha cueca de vez.

Apesar de não ter funcionado para mim, foi encorajador ler que, para alguns desses caras, o produto já estava mostrando resultados notáveis e parecia valer o tempo e dinheiro. Na verdade, tenho certeza que é só questão de tempo até um desses caras subir o nível de seu assoalho pélvico o suficiente para bater “Through the Fire end Flames” no modo expert em Guitar Hero com sua cueca Vylyv. Espero que quando isso acontecer eu finalmente tenha descoberto como pronunciar o nome da empresa.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.