Sociedade

A Geração Z conta-nos o que realmente pensa sobre os millennials

“Uma grande percentagem tem tudo e ainda acha que a vida é injusta”.
23 June 2017, 4:12pm
Foto via Wikimedia Commons.

Este artigo foi originalmente publicado na VICE USA**_.**_

Já deves ter ouvido dizer que os millennials são do pior. Seja através daqueles que os repreendem por desrespeitarem o local de trabalho ao circularem no escritório com hoverboards, ou daqueles que os apelidam de narcisistas por constantemente usarem os telefones para registar todo e qualquer momento das suas vidas. Os mais velhos têm deixado bem claro o que acham dos millennials.

No geral, o desprezo por este grupo demográfico já não assim tão jovem, nascido entre o começo dos anos 1980 e meados dos 90, é difundido principalmente pelas gerações mais velhas, particularmente baby boomers ressabiados. Em vez de voltarmos a esse poço sem fundo para obtermos mais opiniões sobre como os millennials são uns mimados por não aceitarem jornadas de trabalho de 80 horas por semana, pedimos à rapaziada da Geração Z norte-americana (de 20 anos ou menos) que nos contasse o que pensa sobre estes outros jovens tão vilipendiados.

Através de contactos com irmãos, filhos e amigos de contactos, pedi a uma amostra (espero que diversa) de 11 pessoas mais jovens que eu para comentar o que acham de gente da minha idade.

"Acho que os millennials são bem mais inteligentes que a Geração Z. Parecem mais organizados e, basicamente, têm a vida orientada. Podem ter passado por aquela fase de "deixem-me em paz" no liceu, mas sabem quais são as suas responsabilidades e como lidar com a vida. Todos os millennials que conheço parecem ter algo planeado, ou algo para fazer. Não há nada que não goste neles. Acho que os millennials gostam de se divertir, mas conhecem as suas responsabilidades".

– Emily, 17 anos Malibu, Califórnia

"O termo perdeu muito do seu verdadeiro significado, as gerações mais velhas usam-no para se referirem colectivamente aos jovens como irresponsáveis e manhosos. Já percebi que muita gente não sabe sequer os anos associados com ser um millennial. Quem fala mal de millennials às vezes nem percebe que é um. Os millennials são conhecidos por defenderem as suas crenças, o que pode parecer chato para quem não vê benefício pessoal nisso. Vejo o termo como qualquer outro para unir pessoas que querem ver um mundo cheio de oportunidades e potencial".

– Lindsay, 16 anos, Pittsburgh, Pensilvânia

"Vou julgar os millennials, dizendo que eles julgam mais as pessoas que outras gerações. Pela minha experiência, a minha geração parece mais compreensiva com diferentes personalidades e caminhos de vida. Acho que isso aconteceu ,porque tínhamos 11 anos, ou menos, quando a cultura da Internet estava a começar. Ao mesmo tempo, somos de certa forma, mais constrangidos e "perdidos". Acho que teria ajudado se tivéssemos aprendido alguma coisa sobre o vício em Internet. Diria aos millennials para relaxarem e à minha geração para encarar mais a vida real e prática".

– Matt, 20 anos, Washington, DC

"Assim como o gelado de iogurte, os millennials são a versão foleira das pessoas que realmente queres conhecer. Enquanto estamos ocupados a descobrir o Snapchat, relógios Apple e Tom Ford, eles ainda estão a pesquisar o que quer dizer "on fleek" no Urban Dictionary - o que, coincidentemente, deixou de ser fixe no momento em que nascemos. Ao contrário, a Geração Z é cool, tranquila e muito à frente das tendências".

– Christian, 20 anos, Stanford, Califórnia

"Cresci a ouvir dizer o quanto os millennials eram péssimos, como tinham recebido tudo de mão beijada, o que tinha resultado em pessoas preguiçosas. Mas, ao mesmo tempo, acho que não os podemos culpar pela geração em que nasceram. Eles não escolheram nascer numa era de explosão tecnológica, onde qualquer informação está ao alcance dos teus dedos.

Acho que, no fim de contas, aqueles que são capazes de usar essa situação vão ter uma vantagem sobre toda a gente. Terem nascido na era da tecnologia, permite-lhes saber muito melhor como a usar. Ainda penso que uma grande percentagem tem tudo e ainda acha que a vida é injusta. Na minha opinião, isso não é verdade. Se querem muito alguma coisa, devem trabalhar para isso e não achar que as coisas lhes vão cair do céu"..

– Stephanie, 20 anos, Tampa, Flórida

"A minha impressão geral é que eles dependem da tecnologia mais do que qualquer geração anterior. Os millennials também se preocupam mais em ter uma personalidade nas redes sociais e conseguir likes em fotos, do que em ser pessoas genuínas. Têm também intervalos de atenção incrivelmente curtos! Além disso, como futuro professor e actualmente tutor, tenho visto um grande declínio no conhecimento geral, principalmente, basicamente, podes perguntar qualquer coisa à Siri. Sabem muito de tecnologia e têm um grande potencial, mas confiam muito nessa mesma tecnologia e perderam capacidades de socialização importantes!".

– Trevor, 18 anos, Harrisburg, Pensilvânia

Na minha família, cresci com dois irmãos considerados millennials. Para mim, a geração millennial é muito diferente apesar da pequena diferença de idade. tendo em conta o uso das redes sociais, por exemplo, a comunicação da minha geração é definitivamente menos física. Os meus irmãos gozam com o meu uso excessivo do Snapchat, porque envio fotos "sem sentido" e sem um propósito.

Na minha geração, eu e os meus amigos comunicamos constantemente através das redes sociais, sem que necessariamente tenhamos algo para dizer. Mando mensagens e snapchats para amigos para conversar, em vez de realmente sair de casa e falar cara a cara com eles. Admiro honestamente a comunicação física dos millennials. Sinto que fui criada para fazer parte do uso exagerado das redes sociais sem sequer saber e agora isso é algo que, simplesmente, fazparte da vida. Gostaria que a comunicação clássica fosse mais importante na minha geração, mas tenho uma obsessão terrível com o meu telefone".

– Helen, 16 anos, Atlanta, Geórgia

"Os millennials tendem a ter uma reputação má, por causa de tudo o que acontece no Mundo. Só porque têm ideias diferentes das da geração anterior, não significa que as ideias deles sejam más. Respeito efectivamente, a forma como eles valorizam um equilíbrio entre vida e trabalho, em vez de simplesmente trabalharem até à morte. Também acho que a forma como os millennials trouxeram a tecnologia para a frente de tudo é uma boa tendência e acho que isso vai ainda mais além com as pessoas da minha idade. Também gosto da atitude que os millennials têm em relação ao dinheiro.

Penso que é muito bom que seja uma geração que se preocupe menos com dinheiro do que as anteriores. Mas, acho que os millennials são muito "eu primeiro", o que pode ser bom ou mau. Parecem um bocado armados e narcisistas, mas não julgo que sejam mais do que a minha geração. Diria que, praticamente, todas as qualidades negativas dos millennials são tão más ou piores na minha geração. No geral, acho que ganharam uma má reputação por serem diferentes das gerações anteriores".

– Ben, 20 anos, Lincoln, Nebraska

"Acho que os millennials são incompreendidos na nossa sociedade. Há essa necessidade de os colocar em caixas, tipo "millennials são demasiado obcecados consigo próprios e com a tecnologia, millennials adoram Bernie Sanders, millennials são mimados".

Na verdade, a geração millennial representa milhares de jovens adultos de várias origens, ideologias e capacidades. Não podes colocar essa população tão vasta numa caixa de marca genérica. Julgo que, actualmente, os millennials estão a passar pelo síndrome do filho do meio; não são tão experientes ou "sábios" como a Geração X e não estão em ascensão, como a Geração Z (a minha geração); estão presos algures no meio".

– Sloan, 17 anos, Atlanta, Geórgia

"Claro que os millennials têm uma má reputação. O seu status como geração transformou-se a modos que numa piada. As pessoas adoram reclamar sobre como eles são sensíveis e auto-centrados. Não concordo.

Comparando a vida de um adolescente millennial com a vida de um adolescente baby boomer ou da Geração X, os millennials estão sob uma pressão significativa para fazer e conquistar mais e mais, o mais depressa possível. É esperado que,. hoje, toda a gente vá para a universidade, mas é mais difícil entrar e muito mais caro. E, estando na universidade, os millennials não podem lidar com o assunto como a experiência louca e divertida que os seus pais tiveram.

Isso não quer dizer que os millennials são perfeitos. É uma geração extremamente privilegiada, que dá muita coisa como garantida. E estão permanentemente com a cara enfiada no telefone. Facto.

Os millennials tiveram muito mais oportunidades que jovens de outras gerações. Acho que muitos millennials não percebem que, no passado, e mesmo gente da idade deles agora, as pessoas nunca tiveram tantos privilégios como eles, porque alguns millennials são egoístas e só se preocupam com coisas triviais que os afectam directamente, o que é prejudicial e lhes dá uma má reputação. Felizmente, se escolhem usar a sua plataforma nas redes sociais de maneira positiva, o que muitos escolhem, podem aprender sobre pessoas diferentes deles, questões sociais, comunidades que precisam de aliados, etc., e depois usar essa mesma plataforma para informar outros millennials".

– Sam, 19 anos, Littleton, Massachusetts

"Eles só querem saber de tecnologia, são super hipsters e usam bigode para parecerem cool. Por alguma razão, têm sempre piercings. São tipo os nazis. Destruíram completamente a nossa reputação. São idiotas, porque são irritantes e hipsters.

Os millennials curtem Tumblr e Reddit, que são as coisas mais idiotas da história. Riem-se de memes racistas e piadas sobre norte-americanos e outros países. Mas depois, se alguém faz um meme sobre estereótipos de mulheres ou gay, dizem "Como é que te atreves?!". Ficam mais ofendidos com a palavra nigger do que com o real significado dela. Olha, sou de esquerda, sou liberal, mas os millennials acham sempre que sabem mais sobre política que tu. E isto não é uma piada".

– Luke, 11 anos, New Canaan, Connecticut


Segue o Justin Caffier no Twitter.

Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.