Publicidade
Tech by VICE

Por dentro do "mewing", a técnica para alterar o queixo que invadiu o YouTube

A popularidade de vídeos sobre postura da língua e supostas melhorias da linha do maxilar explodiu nos últimos meses.

Por Elena Cresci
15 Março 2019, 10:35am

Este artigo foi originalmente publicado na VICE UK.

Se passas um tempo considerável no YouTube, deves ter reparado num novo tipo de vídeo: youtubers que garantem que mudaram o formato do rosto através de algo chamado “mewing”. A tendência está a ser apelidada de nova febre de saúde” e já inundou o YouTube e o Instagram. Os praticantes dizem que a técnica – basicamente, achatar a língua contra o céu da boca – pode ajudar a respiração e aliviar dores musculares bucais, além de ajudar a definir o queixo e alinhar as fileiras de cima e de baixo dos dentes.

Só há um problema com a definição: o tal do "mewing" não é novidade e é algo bastante conhecido há algum tempo em fóruns de incel e nos recantos hipermasculinos da Internet. Mas, não há qualquer erro no que respeita à explosão de popularidade: nos últimos meses, centenas de vídeos dedicados a esta técnica ortodôntica alternativa começaram a aparecer, com títulos tipo: “COMO MUDEI A MINHA ESTRUTURA ÓSSEA FACIAL com MEWING, linha do maxilar em V, o fim do duplo queixo” e “Como usar a postura correta da língua pode tornar-te mais atraente e saudável”.

Austin – um rapaz de 22 anos conhecido como AstroSky pelos seus 25 mil seguidores – é um dos documentaristas mais diligentes do "mewing". Começou a publicar sobre a técnica há 10 meses, mas diz que começou a praticá-la quando tinha 16 anos, preocupado por não conseguir respirar correctamente pelo nariz. “Honestamente, estava sempre a respirar pela boca”, assegura. E acrescenta: “Era uma mistura de diferentes problemas – tinha dificuldades em respirar pelo nariz e o meu rosto estava a começar a tornar-se alongado”.

Então, fez o que qualquer puto de 16 anos faria e procurou no Google como resolver o problema. Acabou por dar de caras com o trabalho de um ortodontista britânico chamado Mike Mew. “E, simplesmente, apliquei-o na minha vida. Pensei que não tinha nada a perder”, justifica.

Segundo Mew, podes melhorar este tipo de problemas ao manter a língua achatada no céu da boca, também conhecido como “postura correcta da língua”. Portanto, foi isso que Austin fez – e segundo ele, a técnica mudou mesmo o seu rosto. “Com os anos, cheguei a um ponto em que os meus pais me perguntavam: 'perdeste peso?'. Estavam a falar da minha cara. Lembro-me de estar a jogar videojogos com o meu irmão um dia e ele olhou para mim com um ar estranho e perguntou-me: 'O que aconteceu ao teu queixo?'”, revela.

Vendo os seus vídeos, não há dúvida de que Austin tem um queixo quadrado. O thumbnail do vídeo “Porque é que o mewing é importante para toda a gente!!” mostra o “antes” e o “depois”, apesar de ser difícil dizer se a cara mudou por causa da técnica ou apenas com a idade. “Não gosto de fazer afirmações definitivas”, diz. E sublinha: “Só conheço a minha própria experiência com a técnica”.

how to mew
O vídeo de Austin "Why mewing is important to all!!".

Muitos dos vídeos de Austin – e muitos dos vídeos do género – centram-se nos passos básicos do "mewing". Austin oferece até sessões de treino de "mewing" por Skype. Para perceber como é que chegámos a um ponto em que youtubers dão conselhos ortodônticos, é melhor começar com o próprio Dr. Mew, que podemos considerar como o youtuber de “mewing” original. O seu canal Orthotropics, foi criado em 2012 e tem centenas de vídeos sobre a técnica.

“O que estou a dizer é um ponto muito controverso”, diz-me o médico, “que poucas pessoas no mundo moderno atingem o potencial genético total do seu desenvolvimento facial”. Poderias achar que foi o próprio Mew a cunhar o termo “mewing”, mas não foi o caso. “Não faço ideia de como é que o nome surgiu. Só reparei nele, porque o vi a ser usado nos comentários dos vídeos”, assegura.

Mew também reparou em pessoas, como AstroSky, que pegavam em elementos da teoria e os usavam. Quando esses vídeos começaram a surgir, ele entrava em contacto com outros youtubers e encorajava-os. “Não sou dono da técnica, ela não é só minha”, diz ele. “Acredito que a informação deve ser gratuita e só tendo uma comunidade é que podemos ter novas ideias e alguma base de conhecimento.”


Vê: "A YouTuber sérvia que consegue fazer-se desaparecer"


Mas, o "mewing" também é alvo de críticas. Primeiro, muitos dos praticantes são membros da subcultura incel “lookmaxing” – que segundo um artigo de 2018 da VICE é “a prática de tentar melhorar a aparência através de métodos que variam entre comprar roupas mais adequadas, fazer exercícios, até à reconstrução facial radical por cirurgia” – e essas pessoas estão desesperadas por terem um queixo quadrado. Contudo, Mew diz que não conhece essa comunidade e não vai comentar sobre ela. Austin, por sua vez, diz que notou que alguns dos seus assinantes vêm dessas partes da Internet: “Sei que há muita má reputação, mas o 'mewing' é para toda a gente – é o que eu sempre digo”.

E o que é que a comunidade ortodôntica profissional tem a dizer sobre a tendência? Há um certo atrito. “Sempre que surge uma nova ideia, as reacções serão mistas”, diz Mew. E realça: “E, sim, fiquei um pouco desapontado com a reacção de alguns colegas de profissão”.

Mergulhando mais fundo no canal de Mew, vais encontrar vídeos em que ele discute o facto de ter sido expulso da Sociedade Ortodôntica Britânica pelas suas “publicações nas redes sociais”, para além de ter tido uma audiência com o Conselho Geral de Odontologia em Dezembro do ano passado. Mew não comenta este tema, alegando motivos legais. Quando pedi comentários ao outro lado, um porta-voz da Sociedade Ortodôntica Britânica explicou: “Como não somos um corpo de regulamentação, não podemos comentar sobre o status de qualquer indivíduo na SOB”.

Para saber a opinião dos profissionais da área sobre a técnica, falei com Uchenna Okoye, que não vê o "mewing" como algo que seja prejudicial. Refere, aliás, que fica mais preocupada com youtubers que dizem que branquearam os dentes com bicarbonato e limão. E acrescenta: “Não discordo de que haja benefícios em alguns casos, mas não diria que é a solução para tudo”.

O próximo estágio da tendência do YouTube vai ser, inevitavelmente, malta a fazer vídeos a criticar a técnica. E, na verdade, um youtuber satírico chamado Phillion já publicou um destes há cerca de um mês. “Toda a gente que fez um vídeo sobre este tema já tinha um maxilar definido”, garante ele. E salienta: “Eles ouviram falar de 'mewing' na semana passada e decidiram fazer um vídeo para conseguirem algumas visualizações e cliques”.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.