FYI.

This story is over 5 years old.

O Alemão Solomun Arrastou sua Gangue pra Tocar no Brasil

Trocamos uma ideia com o DJ à frente da crew de houseiros do selo Diynamic Music – eles tocam nesse sábado (2) no Tomorrowland Brasil.

Começa nessa quinta-feira (30) em São Paulo, com festa no D-Edge, a turnê do selo alemão Diynamic Music, dedicado à house e ao techno e encabeçado pelo DJ e produtor Solomun, pelo Brasil e Argentina. Além do D-Edge, onde Solomun toca acompanhado de H.O.S.H., Adriatique, Kollektiv Turmstrasse, Stimming e Karmon, a turma segue para o Diynamic Festival no Warung Beach Club, em Itajaí, Santa Catarina, no dia 1/5, e depois para o Diynamic Stage no Tomorrowland Brasil, no dia 2, em Itú, interior de São Paulo, antes de encerrar a série de apresentações no State, em Buenos Aires, Argentina, no dia 9.

Publicidade

Veja o lineup completo do Tomorrowland Brasil

Com sede em Hamburgo, o Diynamic está na ativa desde 2006 e ainda se ramifica no subselo 2DIY4, na agência de DJs DIY-Booking e no club EGO. No começo, a maioria dos lançamentos eram músicas de seus fundadores, Solomun e Adriano Trolio, e dos projetos Stimming e H.O.S.H. Mas depois, eles abriram o leque e, até aqui, o selo já soltou mais de 60 lançamentos de mais de 15 artistas e grupos diferentes. Cata essa ideia que trocamos com o Solomun sobre a turnê e as novidades pelo caminho.

THUMP: Como surgiu a ideia de promover a turnê Diynamic Showcase pela América do Sul? Essa é uma ação que o selo costuma fazer em outros países, ou é um lance inédito?
Solomun: Nós já tínhamos realizado um festival Diynamic ano passado no Warung, e foi tão legal que quisemos repetir a experiência agora. Mas, sim: juntar vários artistas do selo numa turnê pela Argentina e o Brasil é algo novo para nós, e também será a primeira vez que teremos um palco no Tomorrowland. É por isso que estamos tão animados.

A galera que veio para o Brasil vai apresentar sons inéditos nas festas, ou a ideia é mais promover os lançamentos recentes do selo?
Queríamos trazer o máximo de artistas possível. É claro que as brechas de programação são limitadas, então trouxemos mais ou menos a nata do Diynamic conosco. Tenho certeza de que todo mundo vai querer tocar coisas inéditas, mas posso garantir que, da minha parte, vou tocar um monte de sons nunca ouvidos.

Publicidade

Ambos os clubes brasileiros pelos quais vocês vão passar têm no commando o magnight Renato Ratier. Você tem uma parceria especial ou é amigo próximo dele?
Nos conhecemos de longa data e sempre tivemos uma boa relação. Ele está contribuindo bastante para a cena underground no Brasil. Já faz um tempo desde a última vez que toquei no D-Edge, então é um momento importante para mim realizar uma festa do selo por lá. Com o Warung eu também tenho uma especial e antiga relação, e fiquei sabendo que ele também virou sócio do clube há uns dois anos. Fico feliz em poder vê-lo novamente, claro.

Está preparando algo especial para mostrar no Tomorrowland?
O de sempre: tentarei dar o meu melhor e entrar em sintonia com o público.

Tem algum projeto ou lançamento na manga que já possa adiantar para os leitores?
Acabei de soltar um remix para os ingleses do Liu Bei pelo subselo 2DIY4. Em breve está saindo um remix para o Paul Kalkbrenner e também um para o Interpol. Fora isso também estou preparando um novo EP pelo Diynamic, então, tem bastante música nova pelo caminho.

Qual é a diferença entre o Diynamic e o 2DIY4?
Diynamic é a base, 2DIY4 é o parque de diversões para tudo o que vier.

O Diynamic Music está no Soundcloud // YouTube // Facebook