Fotos das monjas kung fu do Himalaia
Jigme Zeskit Lhamo, originalmente de Himachal Pradesh na Índia, treina há oito anos. Todas as fotos por Ahmer Khan.
Fotografia

Fotos das monjas kung fu do Himalaia

As mulheres do monastério Druk Gawa Khilwa nos arredores de Catmandu, Nepal, meditam e repetem preces budistas. E elas também são treinadas para combate.

Matéria originalmente publicada no Broadly .

Por volta das 4 da manhã, todo dia, as monjas do monastério Druk Gawa Khilwa (DGK) no Himalaia acordam, se vestem em trajes marciais marrons e começam a praticar kung fu.

As vozes das mulheres tradicionalmente são mais silenciosas no budismo, onde os monges geralmente ficam com os papéis mais importantes. Mas isso começou a mudar em 2008, graças a Gyalwang Drukpa, o chefe espiritual da antiga escola Drukpa de budismo tibetano.

Publicidade

Gyalwang Drukpa — que também atende pelo nome Jigme Pema Wangchen — é um ativista ambiental, educador e defensor dos direitos das mulheres. Depois de visitar o Vietnã e ver monjas treinando para combate, ele fundou o monastério DGK para fazer o mesmo pelas mulheres da região.

O monastério nos arredores de Catmandu, Nepal, agora é uma colmeia de atividade. Há aulas de inglês junto com o treinamento de kung fu, e as monjas aprender habilidades rudimentares de negócio e lições de como conduzir preces budistas. Por volta de 400 monjas do Butão, Nepal, Índia e Tibete vivem juntas nesse lugar de adoração, onde não é incomum ver monjas falando várias línguas.

"Decidi me tornar monja em 2010 e desde então estou aqui. A maioria das pessoas acha que as monjas só ficam sentadas repetindo preces, mas fazemos mais", disse Jigme Yangchan Ghamo, de 16 anos, uma das monjas aprendendo kung fu atualmente.

E essa não é a única atividade física que as monjas praticam. Ano passado, 500 mulheres cruzaram 4 mil quilômetros de bicicleta de Catmandu até Leh, Índia, numa campanha de conscientização sobre o tráfico humano.

As monjas esperam que sua especialização em artes marciais ajude a derrubar as atitudes conservadoras para com as mulheres em seus países. Algumas delas, como Jigme Paldel Lhadol, 26 anos, até se juntaram ao monastério desafiando a família.

Toda manhã, as monjas passam por uma sessão de treinamento intenso de duas horas com golpes, socos e chutes.

"Desde criança eu queria ser monja, e nunca gostei de cabelo comprido", diz Lhadol. A jovem do Tibete é monja há oito anos. "Eu nunca quis casar, mas minha família sempre me pressionou. De algum jeito, consegui chegar aqui e nunca mais voltei para casa."

Publicidade

Mas fora os saltos mortais e prática com espadas, o monastério é mais que apenas um local de treinamento para artistas marciais impressionantes – é uma comunidade de mulheres que muitas preferem a seus países de origem.

Jigmet Zeskit Lhamo, de 22 anos, por exemplo, é do estado indiano de Himachl Pradesh, e se tornou monja quando tinha apenas 12 anos. "Amigas me convenceram a visitar um monastério no Nepal em 2007", ela diz. "Minha família não gostou da ideia no começo, e agora não gosto muito de voltar para casa. Aqui é minha casa."

Depois de uma visita ao Vietnã de Sua Santidade, onde ele viu monjas receberem treinamento de combate, ele decidiu trazer a ideia para o Nepal e encorajar suas monjas a aprenderem autodefesa.

Todo dia, às 4 da manhã, as monjas se reúnem a céu aberto para praticar kung fu.

As monjas também aprendem inglês e funções de encanador e eletricista, e claro, as preces.

As monjas treinam nos mesmos trajes que ficaram famosos nos filmes de artes marciais dos anos 70 e 80.

Essas monjas usaram seu aprendizado e energia para ajudar as vítimas do terremoto que atingiu o Nepal em 2015.

As monjas se preparam para as preces matinais depois de duas horas de treinamento.

As monjas treinam com espadas, bastões, facões, nunchakus e outras armas.

A monja mais jovem no monastério tem nove anos, a mais velha 42.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.