Entretenimento

Como o lendário anime ‘Cowboy Bebop’ previu o futuro

No 20º aniversário de sua estreia no Japão, revisitamos o inovador anime.
Spike Spiegel. Screenshots feitos pelo autor.

Matéria originalmente publicada na VICE US .

Quando foi lançado nos EUA em 1999, Cowboy Bebop já tinha sido exibido e chegado ao fim no Japão. Na época, o diretor Shinichiro Watanabe e seus colegas estariam completamente com a Guerra do Golfo quando criaram a saga “Guerra em Titã” dentro do anime, um traumático conflito militar em um planeta árido sem qualquer propósito claro que segue atormentando seus personagens até o presente da série. Mas eles não faziam ideia de que em sua esteira viria uma guerra no Iraque que se estenderia ainda mais.

Publicidade

O time de Watanabe também não teria como prever o ataque ao World Trade Center, ocorrido nove dias após a série estrear no Adult Swim, em 2 de setembro de 2001, quando foi concebido o “incidente do Portão Astral”, com a destruição de um incrível feito de engenharia que teria consequências globais por anos a fio dentro do universo da série.

Ainda assim, o único anime dentre os lançamentos inaugurais do Adult Swim tornou-se atemporal ao longo dos 20 anos desde sua estreia em solo japonês, em 3 de abril de 1998. Com um estado norte-americano adquirindo contornos cada vez mais policialescos, onde eleições são hackeadas e cidades com diferentes posicionamentos políticos podem estar a anos-luz de distância uma das outras, Cowboy Bebop não é só um marco neste ano de 2018, mas quase que uma profecia.

Cowboy Bebop conta a história de Spike Spiegel e Jet Black, dois caçadores de recompensas em busca de trabalhos que rendam o suficiente para poderem comer e abastecer a Bebop¸sua nave interplanetária. Spike costumava trabalhar para a máfia e Jet é um ex-policial, mas ambos são amigos de longa data e se dão bem o suficiente para manter as coisas funcionando, ao menos até tudo ficar um pouco mais complicado com a chegada de Faye Valentine, malandra oportunista e alvo de uma de suas caçadas, que tenta antes roubar a dupla antes de decidir juntar-se a eles; completam a trupe uma garota chamada Ed, uma hacker excêntrica de 13 anos que faz da nave deles sua casa e Ein, um “cão de dados” geneticamente aprimorado que foi roubado de centro de pesquisas, dotado de inteligência e percepção superiores (cujo propósito ou missão nunca é revelado ao longo da série). A chegada destes três não é lá muito bem-vista pelos dois caçadores, mas no final todos aprendem a trabalhar juntos quase que como uma família.

Publicidade

Em um primeiro momento, a série funciona como uma espécie de crime/drama procedural, com boa parte dos episódios se dando em torno da equipe tentando capturar um alvo em especial. O episódio piloto, “Asteroid Blues” começa com dois amantes procurados lutando contra um cartel no asteróide Tijuana (chegando a lembrar a cidade de mesmo nome), numa referência ao filme A Balada do Pistoleiro, de Robert Rodriguez. “ Toys in the Attic”, em que uma forma de vida misteriosa se infiltra na Bebop e começa a incapacitar sua tripulação, se desenrola como uma mistura entre filmes de alienígenas e terror como Alien e Predador. “Mushroom Samba” é uma homenagem aos blaxploitation e faroestes italianos dos anos 70, completinho com direito a uma caçadora de recompensas parecidíssima com Pam Grier chamada Coffee um dos irmãos “Shaft”, que anda carregando um caixão pra cima e pra baixo, uma referência direta a Django, de 1966, dirigido por Sergio Corbucci. Cada episódio conta com uma trilha memorável, composta pela renomada compositora japonêsa Yoko Kanno, que ajudou a dar vida a uma série animada através da mesma forma que Vince Guaraldi levou o jazz aos lares americanos em 1965 com O Natal do Charlie Brown.

Jet Black

Como acontece em cada episódio, cada um dos personagens tem uma ligação com o passado — Jet é assombrado por sua vida pregressa de policial; Faye não consegue lembrar sua identidade verdadeira e vive enrolada em dívidas; enquanto isso, o pai de Ed a esqueceu na creche (sério, pai?); já Ein é o produto perdido de um experimento científico. Nunca sabemos a história de Spike por completo, mesmo ele sendo o personagem principal, mas ela envolve crescer nas favelas de marte e sua ascensão na máfia conhecida como Red Dragon Crime Syndicate, inspirada tanto nas Tríades Chinesas quanto na Yakuza junto de outro promissor capanga, Vicious, inclusive fugindo com sua namorada enquanto este luta na Guerra de Titã. Em um episódio mais adiante na trama, Spike explica que seu olho direito é uma prótese, o que o força a seguir com um olho no presente e o outro no passado, assombrado por tragédias prévias.

Publicidade

Este é só um exemplo de como o pano de fundo da série cria um futuro que nos parece cada vez mais próximo. Em 2071, a humanidade partiu para as estrelas — de colônias florestais flutuantes em Vênus a cidades em Marte e até mesmo gélidas colônias penais em Plutão. Mas a diáspora humana a partir da Terra cobra um preço: quase cinco bilhões de mortos após um desastre de engenharia que arruinou a Lua 50 anos antes do início da série, fazendo com que pedaços desta caíssem sobre o planeta. A única ligação entre povos e culturas agora espalhadas pelo sistema solar é, aparentemente, uma grande presença criminosa e o sistema de recompensas que surgiu de forma a auxiliar uma polícia interestelar em frangalhos.

Spike e Faye Valentine

Ao longo da série, Spike e companhia seguem atrás de recompensas e observam pessoas em conflito e se matando, sacrificando suas vidas por completa ou se jogando de cabeça em sonhos, acertando erros ou buscando vingança. A Guerra em Titã criou alguns dos maiores vilões de Bebop, como Vicious e Vincent Volaju, ex-soldado que foi abandonado e aparentemente morto, apenas para ressurgir como uma ameaçada mais implacável no presente – não muito diferente de como os esforços norte-americanos no combate à Al-Qaeda no Iraque resultaram no surgimento do Estado Islâmico. Tanto o Estado Islâmico quanto Volaju usam bombardeios surpresa como tática para alcançar seus objetivos, um deles sendo adiantar o fim do mundo e a realização de um Julgamento Final.

Publicidade

Volaju, como o EI, seduziu centenas de seguidores por meio de seus ideais “Te devo muito por fazer isso acontecer”, diz Lee Sampson, hacker adolescente que atua como cúmplice de Volaju no filme. “É sério, eu tinha que tentar ao menos uma vez, ser um terrorista de verdade, digo”.

Shinichiro Watanabe, diretor de Cowboy Bebop já disse que não faz filmes para passar uma mensagem em especial, visto que estas apenas “refletem naturalmente como nos sentimos no momento”. Quando questionado sobre o porquê do longa de Cowboy Bebop de 2001, Knockin’ On Heaven’s Door ter um clima meio árabe em termos de estética e som, ele respondeu apenas que “Tive uma queda, ou quem sabe foi coisa de instinto, digamos […] Apenas senti que ele deveria ter esse toque árabe”.

Ao longo da série, a tripulação da Bebop encontra palhaços sobrehumanos geneticamente modificados, líderes de cultos religiosos, “crianças” que na verdade são assassinos muito mais velhos do que aparentam, satélites de inteligência artificial espiões solitários e ecoterroristas que usam como armas vírus que causam modificações genéticas. Mas pouco do que se apresenta é tão revelador quanto o episódio-piloto, “Asteroid Blues”, onde Spike e Jet perseguem um casal que acaba de roubar drogas do crime organizado. Ao perceber a futilidade que seria continuar fugindo, a mulher atira em seu namorado e morre em meio às chamas da glórias enquanto sua nave é derrubada pela polícia, tudo isso observado por Spike.

Publicidade

Em uma história relativamente inocente em comparação a tudo que a tripulação passaria futuramente, “Asteroid Blues” serve a dois propósitos: primeiro, ela reflete diretamente o episódio final de Bebop e dá indícios de como a série terminará. Este é só mais um dos milhares de desastres que eles já viram neste tipo de trabalho. Quando toda semana leva a um tiroteio ou incidente com a polícia ou atentados terroristas, nos lembramos de como ficamos anestesiados pelas tragédias no telejornal, e neste 2018, elas continuam acontecendo.

É necessária uma série inteira para que Spike e seus amigos possam reconhecer e aceitar o passado. Observamos a tripulação, enquanto ela mesma observa e aprende com alvos que enfrentam de cara seus demônios ou são consumidos por estes. A mensagem ao final da maioria dos episódios diz “SEE YOU SPACE COWBOY”, tendo em mente a ideia de que o público voltaria posteriormente, semelhante ao “James Bond voltará” ao final de cada filme do 007.

No último episódio, porém, após Spike lutar contra Vicious pela última vez, a mensagem é trocada para “YOU’RE GONNA CARRY THAT WEIGHT”. É uma mensagem ao espectador, ao ter observado os personagens de Cowboy Bebop lutarem contra o passado, será que teremos forças para enfrentar o nosso? Não enfrentaremos a máfia nem nada do tipo, mas todos tempos nossos problemas a serem resolvidos, desde o acesso facilitado à armas a militares veteranos que foram negligenciados e o ignorar constante de problemas ambientais que só crescem. Cowboy Bebop foi uma série moldada pela cultura – e desafios - do Séc. XX. O resultado foi um anim pioneiro que nos permitiu vislumbrar o amanhã: ainda faltam mais de 50 anos para chegarmos ao 2071 de Cowboy Bebop, mas em 2018, este futuro parece mais próximo que nunca.

Siga James Charisma no Instagram .

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.