Tudo que aprendi no Mercado Místico
Foto por Guilherme Santana/VICE.

FYI.

This story is over 5 years old.

Outros

Tudo que aprendi no Mercado Místico

Fomos à feira paulistana que reúne toda sorte de produtos e profissionais do universo místico para tentar entender por que as pessoas acreditam tanto no oculto.
28.9.16

Astrologia é uma parada que acompanha a humanidade há séculos. Há quem ache ridículo a forma de explicar a personalidade das pessoas por meio do posicionamento dos astros no céu, outros comemoram o fim do Mercúrio retrógrado como se o fenômeno representasse a paz no mundo. O lance é que de tantos seguidores também não faltam profissionais que atuam no mercado do místico, empresas que direcionam seus investimentos por meio do que diz astrologia ou simplesmente eu e você que buscamos saber o que pode nos acontecer (ou não) num futuro próximo.

Publicidade

E é justamente graças a este público que existe o Mercado Místico, uma feira que rola trimestralmente em São Paulo, e no último fim de semana (24 e 25 de setembro), passamos por lá para saber por que há tanta gente adepta ao misticismo.

A apresentação das Fadas para comemorar a chegada da Primavera. Foto por Guilherme Santana/VICE

Entre corujas, imagens de Budhas, xamãs, oráculos, pedras nunca antes vistas e incenso, muito incenso mesmo, os olhos brilharam ao ter contato com todo aquele aparato do movimento místico, até perceber que aquela feira (muito maior que as feirinhas que já trombei nas praias do litoral paulista) unia algo muito além do misticismo: era a comunhão de grupos que talvez sejam considerados o desvio padrão do que é "ser normal", mas ainda assim todos muito felizes e gratos por estarem ali.

Localizada na entrada do evento, esta barraquinha contava com centenas de imagens que representam a diversidade de crenças presentes no Mercado. Foto por Guilherme Santana/VICE

Entre vassouras de bruxas sendo vendidas, além de baús bem trabalhados com imagens de dragões, havia também pózinhos para trabalhos variados e rituais com finalidades de prosperidade e amor eram vendidos. Deposito moedinhas num pote de 'Tire sua sorte' e, além de uma mensagem de agrado, ganho um olho de boi, que segundo o dono da barraquinha serve para proteção. Idas e vindas nos corredores, passei por mulheres vestidas de bruxa, outras com roupa estilo medieval, barracas de roupas étnicas (indianas, ciganas, africanas), uma moça desenhando um mehndi em henna num par de mãos.

Uma cliente recebendo o desenho indiano mehndi em suas mãos. Foto por Guilherme Santana/VICE

E ainda que entre os corredores houvessem inúmeras atrações, o que parecia atrair os visitantes eram os Oraculistas. Num hall que antecede o auditório — onde rolavam palestras de hora em hora — ficavam as mesinhas decoradas, velas acesas, plaquinhas informativas de cada consultor e suas especialidades. A consulta funcionava da seguinte forma: pagando R$ 50 você recebia um cartão que lhe dava o direito a uma consulta de 15 minutos.

As estudantes de jornalismo Natália, Karina e Renata foram atendidas pelos oraculistas e saíram do evento com a certeza de que voltarão ao próximo. Foto por Guilherme Santana/VICE

Bati um papo com a Karina Bettone, de 18 anos, que havia deixado —, pela segunda vez — a mesa de consulta e contou para as amigas as revelações que ouviu: "ele me disse que serei mãe de uma menina entre os 29 e 30 anos", e me revela: "vim para esse mundo para ser mãe." É esperar pra ver.

Daí foi a minha vez de conhecer melhor os protagonistas do Mercado Místico, a proposta do evento e um pouco dos oráculos.

Rosa Eliana e suas cartas de Tarot e baralho cigano sobre a mesa. Foto por Guilherme Santana/VICE

Rosa Eliana é terapeuta holística e esotérica. Começamos a falar de sua vida e como foi a percepção dela ao misticismo; logo revelou que participou da série Os Paranormais do Domingo Legal, no SBT. A Rosa também me contou que, na infância, sua consciência ao mundo místico estava sendo descoberta, com sete anos ela já enxergava as cores em volta das pessoas, me dizendo que cada um tem a sua luz, a sua energia e que sua referência era A Família Addams. Me explicou que seu papel no mundo é encontrar as origens das dificuldades que cercam aqueles que a consultam.

O melhor Deus é o autoconhecimento. — Rosa Eliana

Para Rosa, todos nós provemos do conhecimento de entender melhor o que se passa conosco e o universo místico, e que essa é a melhor religião e que o melhor Deus é o autoconhecimento, assim buscamos a melhoria da própria humanidade. Aproveitei e pedi para que ela me mostrasse como é a sua consulta, para ela e para todas as oraculistas, perguntei sobre relacionamento. Ela descreveu alguns conflitos pelo qual passei no último, e que isso deixou marcas. Mas, que com o tempo encontrarei alguém para estar ao meu lado. Gentilmente, ela sugeriu que eu fizesse a terapia de Constelação e que ela mesma dá uma palestra gratuita sobre o tema em seu consultório.

Mãe Ieda Paula e os búzios. Foto por Guilherme Santana/VICE Brasil

Enquanto disputava por um lugar vago para conversar com os oraculistas, consegui bater um papo com a Ieda Paula, a mãe de santo que joga búzios, Tarot e faz todos os tipos de trabalho. Ela, que é formada em Psicologia, aos 13 anos de idade incorporou a entidade Maria Mulambo e hoje lá se vão quase 35 anos no espiritismo e atuando como terapeuta espiritual.

As pessoas a procuram por um esclarecimento espiritual e querem saber o que são os oráculos. —Mãe Ieda

A Mãe Ieda falou da importância do Mercado Místico, que as pessoas a procuram por um esclarecimento espiritual, saber o que são os oráculos e que o evento a aproxima do público e quebra tabus. Em sua consulta, ela comenta que sabe que alguns dos meus parentes são da religião (e é verdade) e que devo buscar um terreiro para me orientar com meus Orixás e me aconselha que será bom para amenizar a intensidade da minha anemia. Sobre os relacionamentos, ela também falou das mágoas passadas e que haverá superação.

A terapeuta Filó, abrindo os portais de energias em sua Mesa Quântica. Foto por Guilherme Santana/VICE

Filomena Gosciola, que preferiu que eu a chamasse de Filó, me disse que seu oráculo era novo para mim e ela o apresenta como a mesa quântica, desenhado por ela mesma. Composta por um portal com pedras, mandalas arcturianas, respeitando a geometria sagrada, a função do portal é despertar as energias que nós mesmos bloqueamos, e que o efeito do portal é imediato. Sendo franca, a Filó me narra que entende que as pessoas se sentem perdidas, e que elas estão ansiosas e buscam respostas nos oráculos, se questionando qual o papel delas na terra: o quê elas estão fazendo aqui e por quê.

As pessoas se sentem perdidas, estão ansiosas e buscam respostas nos oráculos, se questionando qual o papel delas na terra. — Filomena Gosciola

Filó também declara que gostaria de estar em outro mundo e num outro planeta. Comenta que somos seres de energia e que vivemos entre seres galácticos, só não os enxergamos frequentemente porque nossas vibrações não estão alinhadas com as deles e, para isso, basta querer, relaxar, meditar e se concentrar. Fiquei tão concentrado em seu discurso, que ela mesma deu risada da minha notória atenção ali prestada. Logo, pedi para ela me transferir energias para o relacionamento. Ela fez o ritual de abrir o portal, de colher minhas memórias num cristal e depois segurar uma pedra relacionada a relacionamentos e amor. Me concentrei segurando a pedra na testa e depois, ela leu uma de suas mandalas, a Confiante. Sua mensagem para meus conflitos era deixar o medo de lado e confiar nas minhas ideias e propostas. Dei um abraço bem forte de agradecimento e ela ficou completamente empolgada em saber que a consulta seria relatada na VICE.

A senhora Marisa intercalava entre a leitura das mãos e da borra do café. Foto por Guilherme Santana/VICE

Minha última visita na Feira Mística foi à consultora mais disputada, a Marisa Lascani (Beduína Latifa). Muito receptiva, a senhora Marisa e fez questão de dar entrevista, mesmo com sua agenda cheia. Seu oráculo é a borra de café e a quiromancia, que é a leitura de mãos. Com 65 anos e muita disposição, conta que aprendeu a leitura da borra com sua avó e uma prima, e que frequenta o Mercado Místico desde o começo. As pessoas, segundo ela, querem saber muito sobre o profissional e que o oráculo irá conduzir uma resposta pra alma. Geralmente, atende um público muito diverso, e de diferentes idades. Dos 18 aos 70, me diz ela.

As pessoas querem saber muito sobre o profissional e que o oráculo irá conduzir uma resposta pra alma. — Marisa Lascani

À medida em que a senhora Marisa me servia um café, ela contava que em seu consultório prepara o café na hora, narrando a longevidade da prática da cultura iniciada pelo povo otomano, a exemplo do próprio pó de café que ela adiciona na xícara: o café sírio. Depois que tomo o café com calma, conforme seu pedido, ela lê as minhas mãos e pergunta minha idade e o que eu quero saber. Depois, derramei um restinho do café num pratinho e ela tenta descrever o que ela vê nos desenhos da borra no prato e na xícara. Ela repete várias vezes o quanto me apaixono e me desapaixono (dou risada e concordo), diz que sou muito novo, que devo cuidar dos meus trabalhos na internet, e que ela não vê no momento ninguém na minha vida, mas que irá aparecer alguém importante e especial. Nos despedimos com um abraço e ela me desejando boa sorte e felicidade.

Siga o Bruno Costa no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram.