FYI.

This story is over 5 years old.

Como John Digweed e Nick Muir Fizeram de um Spam uma Obra-Prima

Autores do projeto The Traveler, os DJs e produtores John Digweed e Nick Muir se uniram ao escritor John Twelve Hawks e soltaram um disco que conta uma história.

A pasta "spam", sabe? Mesmo que não sejam spams, alguns e-mails ainda acabam nela. Não é culpa de ninguém, mas um pequeno erro no sistema, ou o seu provedor de e-mail te dizendo para parar de se inscrever em tudo quanto é site para receber coisas de graça. Às vezes os e-mails mais importantes são erroneamente classificados como spam, acabam nunca sendo abertos e você perde algo que não gostaria de ter perdido. É clássico, todos nós passamos por isso.

Publicidade

John Digweed também. Só que John teve a sorte de checar sua caixa de spam – ainda que 18 meses depois – e achar um e-mail do John Twelve Hawks. Hawks disse a Digweed que era fã do seu programa de rádio, Transitions, e tinha escrito um dos seus best sellers escutando-o.

"Tivemos a ideia de colocar Hawks para ler algumas passagens do livro e fazer música em cima disso. No começo, a ideia era apenas para algumas faixas, mas depois decidimos fazer um disco inteiro. Escolhemos a dedo alguns dos trechos favoritos dele e depois o levamos para dentro do estúdio, onde gravamos sua voz", explicou Digweed.

John Digweed e Nick Muir estavam envolvidos com o projeto quando ele foi lançado pela Bedrock. Os dois artistas continuaram lotando clubes e festivais ao longo do ano, mas ficaram muito felizes em trabalhar em um projeto que fosse além das pistas.

"Nick Muir e eu viemos da dance music e podemos fazer esse tipo de música o dia inteiro", disse Digweed. "Mas foi legal nos voltarmos para uma coisa diferente".

Para Digweed, o fruto do trabalho, intitulado The Traveler, parece ter acontecido organicamente. Como Haws era fã do programa de rádio e Digweed era fã do livro, os dois artistas, à sua maneira, viram mérito na maneira de contar a história um do outro.

"O que chamou mais a atenção dele na minha música foi que ela conta uma história. Um DJ tocando ao vivo pode contar uma história tanto quanto um escritor. Se você conta bem uma história, tem um impacto maior. Hawks viu o que eu estava fazendo musicalmente e achou que havia uma conexão ali", disse Digweed.

Publicidade

O disco tem 13 faixas, a maioria delas ambient e progressivo. O objetivo da dupla era fazer o ouvinte escutar o álbum na íntegra, sem pular nenhuma faixa. E enquanto ouvia o disco, descobri que ele fazia sentido sem nenhuma pausa abrupta ou transição entre as faixas.

"Queríamos juntar todas as peças do quebra-cabeça, então, quando você ouve o disco, ele flui da primeira à última faixa. Não queríamos faixas aleatórias coladas umas nas outras", acrescentou. "Sou de um tempo em que as pessoas realmente ouviam discos do começo ao fim, não só entravam no iTunes e escolhiam faixas aleatórias", manda Digweed.

O álbum não é exatamente bom para as pistas, mas, em vez disso, serve o seu propósito como contador de histórias. A única faixa dançante no disco é "3B3", que me fez viajar um pouco enquanto a escutava.

"3B3 era a droga utilizada para levar um dos personagens a mundos diferentes. Com isso em mente, sentimos que o acid house e uma batida 303 tinham a vibe adequada para a faixa e o contexto geral", disse Digweed.

A carreira brilhante de John Digweed também não está em pausa. Ele busca constantemente desafiar a si mesmo e fazer algo diferente dentro da música. Fiquei surpreso em ouvir que, na verdade, é neste momento da carreira dele que ele está se divertindo mais, enquanto alguns dos originais estão desaparecendo. Parece que Digweed está feliz em fazer o lance dele. Para ele, tocar não tem nada a ver com estar no primeiro lugar das paradas, mas sim com ser consistente na sua arte.

Publicidade

"A esta altura, já fiz tudo que há para ser feito, então participar de um projeto como o The Traveler é empolgante. Quando você chega neste ponto da sua carreira, você não pensa em estar no topo das paradas do Beatport, mas pensa sim no que faz você se sentir feliz e recompensado."

"Em termos de shows, só estou feliz em tocar nos clubes e festivais onde me chamam. Estou me divertindo mais do que nunca tocando porque não sinto nenhuma pressão em estar no primeiro lugar. Estou vivendo o sonho há muito anos. A essa altura, posso aproveitar!"

The Traveler está disponível para venda no Beatport e no iTunes, e para aqueles que preferem o disco físico, ele está disponível na loja virtual da Bedrock.

Ani acha que você devia ouvir discos na íntegra sem pular nenhuma faixa. Siga-o no Twitter: @AniHajderaj.

Tradução: Fernanda Botta