Actualidade

Poderá o país de Ronaldo ser uma “lavandaria” aberta aos cartéis de droga?

Como os responsáveis escasseiam em Portugal a cada escândalo que arrebenta, o melhor é ter as portas abertas para “lavar” tudo e mais alguma coisa.
24 January 2020, 5:26pm
“Ouvi dizer que têm aí uns quantos políticos e advogados manhosos… Que bueno”. (Série Narcos. Cortesia Netflix)
“Ouvi dizer que têm aí uns quantos políticos e advogados manhosos… Que bueno”. (Série Narcos. Cortesia Netflix)

Com a informação que foi sendo divulgada através do "Luanda Leaks” desde o início da semana, era impossível não estar atento às opiniões dos comentadores televisivos nos canais portugueses. Dentro do que é quase consensual, fala-se da presumível bênção dada a família Santos por parte dos partidos do arco do poder, da banca, de escritórios de advogados, de consultoras e de Grupos Económicos, sem esquecer a frequente inaptidão dos reguladores (Banco de Portugal e CMVM).

Do lado do ridículo, houve quem analisasse o tópico com o foco somente na guerra entre facções angolanas e na ascensão da China no território;

Quem afirmasse que os nossos políticos são os menos culpados desta enorme trapalhada - como se a filha e o pai que caíram agora em desgraça não tivessem sido apaparicados por várias cores partidárias (é ver quem anda nas administrações onde a empresária é acionista);

Ou quem se mostrasse “amuado” por não ser possível receber fundos de países onde haja alta probabilidade do dinheiro estar ligado a maroscas.

Um fartote, portanto.

Anedótico foi também ouvir António Costa negar que tenham sido feitos favores a Isabel dos Santos. Vindo de um primeiro-ministro que “ajudou” a entrada da milionária no BCP - mesmo que depois não desse em nada - ou do líder de um governo que alegadamente pretendeu ocultar a Operação Marquês e a corrupção num relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), o desplante é titânico.

(Cada vez mais, apetece ver o PM enfrentar o juiz Carlos Alexandre por causa de Tancos…)

Como os responsáveis escasseiam a cada escândalo que arrebenta (em “vacas sagradas” não se toca), o melhor é ter as portas abertas para “lavar tudinho”. É que tal como noutros países ocidentais, a algibeira dos sonsos está preparada para acolher um dólar ou um euro suspeito.

Da próxima vez que um interlocutor não souber o que é Portugal, além de CR7 e de estarmos na moda no plano turístico, podes garantir que somos uma afável “lavandaria” na Europa.

Já agora, tens o contacto de algum cartel da Colômbia ou do México? É para informar que podem vir. Aqui, no pasa nada.

O RISCO é controlado e protegido por fãs “intocáveis” de Stevie Wonder.

(Não seria surpresa que um patrão da droga retribuísse o gesto com esta “chamada”):


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.