O maior torneio de games de luta já teve uma versão alternativa no Brasil
Faixa no galpão do EVO South America 2009. Todas as fotos cortesia de: EVO South America/Carlos Luna.
Games

O maior torneio de games de luta já teve uma versão alternativa no Brasil

Exclusivo: os bastidores do EVO South America, que teve duas edições anuais em São Paulo .
3.8.18

O Evolution Championship, ou só EVO mesmo, é o principal e mais importante evento de jogos de luta do mundo. Ele acontece todos os anos nos EUA e, agora em 2018, estreou uma edição extra no Japão, expandindo ainda mais sua popularidade e importância na comunidade competitiva. Mas essa não foi a primeira vez que o campeonato fez uma edição fora dos EUA: o torneio também já teve uma versão brasileira.

Publicidade

Em 2008, aconteceu em São Paulo o primeiro EVO South America, com torneios de Marvel vs Capcom 2 e Super Smash Bros Brawl que rolaram dentro do Anime Friends – famoso evento de cultura pop japonesa na capital paulista. Em 2009, o evento se repetiu no mesmo formato.

Que os torneios aconteceram a gente sabe, como as fotos e vídeos nesse post provam. Porém, a realização de um EVO em terras brasileiras não é citada no site oficial ou Wikipedia do evento. Será que o EVO South America pode ser considerado um evento regional oficial do EVO?

EVO South America 2008.

EVO South America 2008.

EVO South America 2008.

A organização da primeira edição do EVO South America foi feita pelo pessoal que falava de lutinhas no fórum Meia Lua e que, logo depois, criou o Portal Versus, site especializado em jogos de luta. O mesmo pessoal também foi responsável pela realização da segunda edição do campeonato no ano seguinte.

Hoje, tanto o fórum Meia Lua quanto o Portal Versus não existem mais. Felizmente, as pessoas responsáveis ainda estão aí pra contar a história.

Um deles é Carlos Luna, o Gordão, que é apontado como o principal idealizador do EVO South America. Ele garante que o evento teve o aval de Seth Killian, um dos criadores e donos da marca EVO. Gordão explica até como eles chegaram junto do pessoal do EVO nos EUA.

“Eu fiz uma postagem no fórum do Shoryuken [principal site gringo sobre o gênero de luta e que organiza também o EVO] explicando que a gente era sério e que tinha uma cena razoavelmente grande aqui pra receber um EVO”.

Publicidade

A postagem que Gordão mencionou é essa, de 26 de fevereiro de 2007, e é possível ver uma resposta de Joey Cuellar, o Mr. Wizard, outro dos criadores do EVO, mandando um sincero “não rola”, porque precisaria de um membro oficial presente pro torneio acontecer.

Joey Cuellar, o Mr. Wizard. Foto: James Chen/Flickr.

Na resposta, Mr. Wizard diz que “enquanto aplaudimos o seu espírito, não estamos em posição de realizar qualificatórias mundiais no momento. Membros do EVO teriam que estar presentes pra acontecer. Nós vamos levar a América do Sul em consideração se fizermos qualificatórias globais”.

É importante contextualizar que, na época, eram realizados torneios paralelos qualificatórias pro EVO, mas só nos EUA. Em 2007, o Circuito EVO contou com quatro locais: EVO South (Texas), EVO North (Illinois), EVO East (Connecticut) e EVO West (California).

O desejo da comunidade era que esses mini-EVOs se expandissem globalmente e que a América do Sul sediasse um deles, já que seria importante tanto pra cena brasileira como também dos países vizinhos, que buscavam mais visibilidade.

Segundo Gordão, poucos meses após a postagem no Shoryuken, Seth Killian entrou em contato com ele e as conversas começaram pra realização do EVO South America, em 2008.

“O Seth (Killian) deu bastante liberdade, só que foi meio em cima, então só realizamos um torneio de Marvel [vs. Capcom 2], que já iriamos fazer mesmo, e um de Smash que a comunidade organizou e convertemos em torneios pra esse primeiro EVO”, contou Gordão.

EVO South America 2008.

EVO South America 2008.

Pra essa reportagem, nós até tentamos entrar em contato com Seth Killian e a organização do EVO pra saber o lado deles dessa história, mas não tivemos resposta. Ainda assim, é possível confirmar a legitimidade do EVO South America nesse artigo do site Kotaku, em 2008, em que é citada uma qualificatória em São Paulo. Há também um post no blog oficial da Capcom, em 2009, falando sobre o evento.

Discussões sobre legitimidade à parte, o fato é o EVO South America chamou a atenção e teve gente vindo da Colômbia, Chile e Argentina pra competir.

Publicidade

De acordo com uma postagem no fórum Shoryuken na época, o primeiro EVO South America sagrou os brasileiros “Nils” e “Madruga” como campeão e vice, respectivamente, de Marvel vs. Capcom 2, com os argentinos “EMA” e “Cesar” completando o top 4.

EVO South America 2009.

Já a segunda edição do torneio, em 2009, foi quando a coisa ficou mais séria, com direito a trailer no YouTube e conta oficial no Twitter.

Para quem participou dos torneios, eles eram encarados como uma versão alternativa da competição. “A maioria via a EVO South America como uma iniciativa oficial relacionada à marca Evolution, mas do calendário paralelo”, falou Guilherme Galbes, o Sarda, que viajou de Londrina, no Paraná, para participar da edição 2009 da competição.

“A EVO South America aconteceu num período em que já existiam vários torneios de jogos de luta organizados por pessoas diferentes, mas, na época, o escopo era menor e a percepção dos torneios também bem diferente. Era um outro momento tanto para os eSports quanto pro cenário de jogos de luta”

Ainda realizado no Anime Friends, o evento contou com mais torneios e de jogos recentes pra época, como Tatsunoko vs. Capcom, Mortal Kombat vs. DC Universe e, claro, o queridinho de todos: Street Fighter IV.

Aliás, ali foi a primeira vez que muitos jogadores colocaram as mãos no novo Street Fighter, o que deixou todo mundo na pilha de soltar uns hadoukens e lariats. “Como era o começo do Street Fighter IV, muito do jogo ainda tava sendo descoberto”, relembrou Sarda, que participou do torneio. “Eu lembro do jogador ‘Ken-Returns’ que usava bastante o Lariat do Zangief e as peitadas do El Fuerte que ninguém conseguia defender”.

Publicidade

Foi assim que Ken-Returns chegou à grande final de Street Fighter IV, só que ele foi derrotado por Fabio Fujiyama, o Binop, que acabou sendo campeão.

Binop lembra que, mais do que ganhar o torneio, o EVO South America foi importante pra voltar a criar uma cena competitiva pra Street Fighter por aqui. “Na época ainda não tínhamos muitos torneios nem um cenário competitivo pro jogo, não tínhamos tantas oportunidades de jogar off-line, então estava todo mundo empolgado em participar”, falou o ex-pro player, que hoje mora no Japão.

“Lá eu também encontrei grande parte da comunidade de jogos de luta brasileira ao vivo e acabei fazendo muitas amizades, isso me motivou a continuar sendo um praticante dos jogos de luta”, disse Binop.

Assim como os campeões dos torneios de KOF 2002 (Valdo) e Tatsunoko vs. Capcom (Fbro), Binop levou pra casa um monitor Samsung como prémio, além de uma vaga pro EVO nos EUA, mas como não tinha visto americano, não pode aproveitar essa parte da premiação.

Fbro, Valdo e Binop, campeões do EVO South America 2009.

EVO South America 2009.

Depois da edição de 2009, o EVO South America parou de ser realizado. Em parte porque Gordão se afastou da cena e, como ele era o principal organizador e o intermediário que conversava com Seth Killian nos EUA, não dava mais pra usar a marca.

Ao mesmo tempo, o Portal Versus começou a realizar diversos torneios que, de certa forma, substituíram o EVO Brazuca e que davam mais liberdade, principalmente na hora de escolher os games que seriam jogados, o que sempre gerou confusão no EVO South America.

Por sinal, treta e polêmica foi o que não faltou das duas edições do evento: segundo uma postagem no fórum do Shoryuken, os participantes reclamavam porque tinham que pagar duas vezes (uma pra entrar no Anime Friends e outra pra se inscrever nos torneios) e gente querendo que certos jogos estivessem na competição (Marvel vs. Capcom) e outros não (Smash Bros.).

EVO South America 2009.

Teve até mesmo um caso de roubo, como contou Dennys Michelassi, o Trancas, que ajudou nos bastidores do EVO South America: “Os videogames que usavam nos torneios eram nossos, de quem organizava, aí deram fim no Wii em que a gente estava fazendo o campeonato de Tatsunoku [vs. Capcom], que era de um brother nosso. Deram as costas um minuto e quando foram ver… cadê o videogame? Depois a gente fez um tópico no fórum do Portal Versus pra fazer uma vaquinha e comprar outro Wii pro cara”.

Nada como um torneio de jogos de luta tipicamente brasileiro.

Hoje em dia parece que a organização do EVO prefere não lembrar que uma versão sul-americana do torneio aconteceu, só que seria uma derrota (de perfect) se a história da realização de um EVO em terras brasileiras se perdesse na memória e no tempo.


Veja aqui mais fotos do EVO S.A. de 2008 e também de 2009.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.