Publicidade

Pára de usar aplicações de previsão meteorológica... andam a vender os teus dados

Por diversas vezes, aplicações como as do Weather Channel, Accuweather e WeatherBug foram apanhadas a vender as tuas informações de localização.

Por Jason Koebler; Traduzido por Madalena Maltez
15 Janeiro 2019, 5:24pm

Crédito: Shutterstock

Este artigo foi publicado originalmente na nossa plataforma Motherboard.

Uma das primeiras coisas que faço todos os dias quando acordo é pegar no telemóvel e abrir alguma aplicação de meteorologia. Suspeito que muitos façam o mesmo e fica aqui a dica: certifica-te de que a aplicação que usas não te está a espiar.

Aplicações de previsão do tempo são, possivelmente, as mais perigosas que podes ter no telemóvel porque, afinal, o seu desenvolvimento é simples e isso significa que há várias opções disponíveis por aí (a grande maioria consegue as previsões nas mesmas fontes globais), as pessoas utilizam-nas diariamente e, acima de tudo, são das poucas aplicações que têm motivos genuínos para solicitarem os dados da tua localização, já que queres saber o clima do sitio onde estás.


Vê o primeiro episódio de "Cyberwar"


O problema é que, ao longo do tempo e por já diversas vezes, foi comprovado que essas apps pedem permissões que não precisam nem deviam ter. Muitas delas vendem dados a anunciantes e outros traficantes de dados - mesmo muitas, desde os programinhas mais desconhecidos aos mais populares.

O Accuweather foi apanhado em 2017 a vender dados de localização de utilizadores a terceiros, mesmo os dos utilizadores que tinham essas informações desactivadas. No final de 2018, o New York Times descobriu que as apps WeatherBug e a do Weather Channel enviavam dados precisos de localização a terceiros. Esta semana, o Wall Street Journal relatou que uma aplicação popular na Play Store chamada “Weather Forecast - World Weather Accurate Radar” recolhe dados de localização, endereços de e-mail e números de identificação IMEI do telefone, ao mesmo tempo que tenta fazer com que os utilizadores assinem, sem consentimento, plataformas pagas de realidade virtual.

Em Dezembro último, a cidade de Los Angeles processou o Weather Channel pelo alegado uso indevido de dados de localização – o processo acusa o Weather Channel de “se aproveitar da popularidade da aplicação e usá-la como ferramenta intrusiva para a obtenção de dados privados de geolocalização dos utilizadores, que são depois enviados para afiliados da IBM e outros, para fins de publicidade, bem como fins comerciais não-relacionados com o clima ou serviços oferecidos pela aplicação”. O mais seguro a fazer é, pois, parar de usar estas aplicações. De certeza que existem alternativas de confiança por aí, mas o facto é que a água do poço foi envenenada por outros na indústria.

Usa a aplicação embutida do Google nas plataformas Android, ou a aplicação Clima embutida do iOS (que utiliza informações do Weather Channel). O Google também usa os teus dados de localização para os mais variados fins, mas numa plataforma Android não há muito a fazer para evitar isso. Já as aplicações da Apple têm-se vindo a mostrar confiáveis em termos de privacidade (por mais que a empresa tenha sido cúmplice de um modelo económico que possibilita a aplicações “gratuitas” venderem os teus dados de maneira a prosperarem na App Store).

Ou então, não uses aplicação nenhuma e verifica as informações manualmente na Internet, quem sabe até mesmo num aparelho separado. A indústria de apps de clima não se tem mostrado digna de confiança de qualquer forma.

Actualização: algumas pessoas perguntaram-nos sobre a app Dark Sky, que está muito bem avaliada e, ao contrário de outros programas do género, não é gratuita. Não a utilizei, mas ouvi dizer bem – é uma das poucas apps que deixa claro como utiliza os teus dados. Numa publicação de 2017, o co-fundador da Dark Sky, Adam Grossman, deixou claro que a empresa não partilha estas informações: “Não partilhamos – e nunca partilharemos – os teus dados de localização com anunciantes ou com empresas de monetização de dados”. Grossman também comentou que muitas outras aplicações se tinham mostrado pouco confiáveis, salientando que a sua app tinha um preço, o que significa que pode muito bem sobreviver sem vender dados. Não me cabe a mim recomendar a Dark Sky ou não, mas é óptimo ver o tema a ser falado de forma tão transparente com o público.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.

Tagged:
apps
Internet
SmartPhones
pirataria
Sociedade
meteorología
Privacidade
segurança online
aplicações
Destaques
previsão do tempo
venda de dados
Weather Apps
aplicativos de tempo