Entretenimento

Como o Reddit está ensinando homens jovens a odiar mulheres

O grupo de “celibato involuntário” do Reddit foi tirado do ar no começo do mês, depois que um debate antimulher se tornou violento. Mas o problema é muito maior que apenas um subreddit.
17.11.17

Matéria original da VICE Canadá.

Entre a discussão global sobre ataques sexuais, um grupo de homens reclamando de seu “celibato involuntário” perdeu sua principal plataforma.

No subreddit r/incels, homens jovens escreviam sobre como não conseguiam arranjar uma mulher para transar com eles. O subreddit, que tinha 40 mil usuários uma semana atrás, era um fórum de misoginia casual que comparava mulheres a nazistas e os Incels a judeus, propunha que estupro é “só sexo” e argumentava que era preciso incluir “estupro reverso” – não transar com alguém – na conversa em torno da hastag MeToo.

Publicidade

Logo depois que um homem foi até o fórum para falar sobre seu colega de apartamento, que ele chamava de “combustível de suicídio”, o subreddit foi tirado do ar por conteúdo violento. O usuário dizia que era doloroso ver seu colega, um “ser humano melhor”, tendo uma namorada e falando sobre sua família unida. Outros membros começaram a dar conselhos sobre o que o cara deveria fazer com seu colega, um “Chad” na linguagem dos incels. Eles encorajaram e instruíram o autor da postagem a castrar seu colega.

Como outros subreddits antimulher, o r/incels vem fervendo faz um tempo. Ele até gerou sua própria comunidade de observadores, o r/inceltears, que continua na internet para registrar extremismo incel. O Reddit não disse qual comentário exatamente levou o site a derrubar o subreddit por incitar violência.

“Comunidades focadas nesse conteúdo e os usuários que postam conteúdo assim serão banidos do site”, dizia a declaração da plataforma. “Em 7 de novembro, o r/Incels foi banido por violar essa política.”

Um incel reclama de mulheres que correm com calças de ioga. Imagem via r/incels.

O Reddit anunciou recentemente seus planos para perfeiçoar suas políticas em se tratando de conteúdo violento, depois de um financiamento de US$ 200 milhões de um fundo de capital. Eles começaram esse trabalho tirando do ar grupos nazistas e de supremacia branca, incluindo o r/Nazi, r/DylannRoofInnocent e r/farright. Mas muitos subreddits misóginos, como r/MensRights, continuam prosperando.

Essa não é a primeira tentativa do Reddit de limpar a casa: a primeira rodada veio depois da renúncia do CEO Yishan Wong em 2014, resultado da polêmica causada por uma matéria do Gawker sobre um Redditor altamente envolvido em subreddits como r/jailbait e r/creepshots. A CEO interina Ellen Pao, famosa por processar Kleiner Perkins por sexismo, instigou a primeira grande limpeza usando revolt: muitos Redditors não queriam desistir de nenhum subreddit, incluindo os devotados a odiar gordos ou vazar nudes de celebridades. Pao, claramente vilipendiada durante seu tempo no cargo, não durou um ano como interina, deixando o posto depois de oito meses. (Pao mais tarde descreveu como a exclusão está enraizada na indústria da tecnologia.)

Publicidade

A cola de comunidades como o r/incels é óbvia: homens se sentem prejudicados por mulheres que “têm tudo fácil”. E como a maioria das comunidades abertas para qualquer um com internet, não é difícil perceber a doutrinação de fora. (Mas em circunstâncias especiais, subreddits públicos podem passar para o underground: o r/incels passou para privado recentemente depois que um membro se fingiu de mulher no r/legaladvice e pediu dicas legais de como não ser preso por estupro.)

Se seitas nos ensinaram alguma coisa é que a primeira regra da doutrinação é tentar chegar até os mais jovens. A maioria dos Redditors são homens jovens, e o Reddit oferece a eles a chance de formar e se envolver com “bases misóginas” – comunidades antimulher que compartilham DNA, mas têm personalidades e crenças distintas. R/incels é um primo de outros grupos misóginos no Reddit, incluindo o r/MensRights, r/MGTOW (Men Going Their Own Way – caras que escolhem ficar de fora da “dança do acasalamento”) e o r/TheRedPill.

Um incel tenta argumentar que "estupro reverso" deveria ser incluído na discussão #MeToo. Imagem via r/IncelTears.

A ideologia funciona criando um inimigo monolítico: no caso da base misógina, o inimigo é a mulher. Mulheres não podem ser incels – elas são reduzidas a “femoids” ou “robôs que só querem transar com os Chads”. O inimigo muitas vezes é descrito como o feminismo em si, que essa base vê como uma “doutrina de classe, ódio e violência” – querendo dizer que as mulheres usam o feminismo para se fazerem de vítimas e extorquirem ganhos econômicos.

Linguagem é outro aspecto da doutrinação. Para esse fim, essas bases misóginas criaram glossários para seus termos, resumos e têm seus próprios padrões de linguagem. O jargão da misoginia inclui “hamster” (uma “fêmea” que pula sobre obstáculos mentais para evitar dissonância cognitiva), “AWALT” (“all women are like that” - todas as mulheres são assim), “roastie” (uma palavra repulsiva comparando a genitália feminina com bife), “pussy pass” (não ter que enfrentar consequências para comportamento criminoso por ser mulher), as distinções entre alfa e beta em nível de atração, e assim por diante. A doutrinação depois é cimentada por reforço positivo e punição com likes e dislikes.

"Meu novo suéter de Natal." Imagem via r/incels.

Obviamente, o problema real com a ideologia é que ela não é só conversa jogada fora, e não fica só na tela do computador. A ligação entre violência e misoginia é forte – atiradores como Elliot Rodger, que matou seis pessoas e se identificava como incel, geralmente são homens brancos jovens, e têm um histórico de violência sexual e achar que têm direito sobre mulheres. O atirador da Virginia Tech assediava mulheres no campus. Adam Lanza, que escreveu sobre como as mulheres são “inerentemente egoístas”, matou a mãe antes de atirar contra crianças em Sandy Hook. O atirador da igreja no Texas foi dispensado desonrosamente do exército por abusar da esposa e do filho. Em geral, nos EUA, 40% das mulheres assassinadas são mortas pelos parceiros. Quando as pessoas tentam culpar doenças mentais em vez da misoginia para esse padrão, elas estão subestimando e diminuindo a violência da misoginia, minando assim a segurança das mulheres. Não há um diagnóstico único para todos os atiradores. Achar que tem direito sobre as mulheres não está no DSM – mas está em um monte de comunidades online.

A radicalização de homens jovens online é algo que pode ser reduzido: funciona empurrar essas bases misóginas cada vez mais fundo na internet, onde elas são menos acessíveis e mais difíceis de serem encontradas por acaso. De maneira similar, a radicalização pode ser revertida quebrando esses silos – um Redditor afirma que ler perspectivas diferentes na comunidade de observadores/paródia r/inceltears o fez parar “de receitar essa merda” para si mesmo. O Reddit, enquanto implementa suas novas políticas de conteúdo, precisa fazer mais que apenas tirar do ar conteúdo questionável – o site precisa encontrar uma maneira de desradicalizar os homens jovens por quem é responsável.

Siga a Aditi Natasha Kini no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.