Documentário conta a fascinante história da mais valiosa carta de "Magic: The Gathering"

De sapatilhas contaminadas com gripe por Michael Jordan, a cartas de 87 mil dólares, "The Black Lotus" mostra como artigos raros levam o coleccionismo a extremos.

|
out 4 2018, 1:34pm

Imagem: Wizards of the Coast.

Este artigo foi originalmente publicado na nossa plataforma Motherboard.

Se curtes o jogo de cartas coleccionáveis Magic: The Gathering, então sabes o seu nome: Black Lotus (A Lótus Negra). É uma das cartas mais raras, caras e poderosas do jogo. Uma Lótus Negra da impressão original de Magic foi recentemente vendida por 87 mil dólares [cerca de 75.400 euros] no Ebay, mas versões em condições menos perfeitas são vendidas regularmente por alguns milhares de dólares. É a carta mais procurada.

Quando era puto e jogava Magic: The Gathering, o dono da loja de cartas que eu frequentava tinha uma colecção de pacotes de cartas aleatórias embrulhadas. Por cinco dólares, qualquer miúdo podia comprar um desses pacotes, mas, geralmente, só continham porcarias. No entanto, voltávamos sempre para comprar mais um. Porquê? Porque um cartaz enorme em cima do balcão dizia que havia uma Lótus Negra escondida num deles. Tentei encontrar aquela carta sagrada mais vezes do que gostaria de admitir.

Mas, porque é que a Lótus Negra e outros coleccionáveis do género levam as pessoas a torrar milhares, às vezes milhões, de dólares para terem a possibilidade de os ter? Esse é o tema do novo vídeo do YouTuber Rhystic Studies, The Black Lotus, um documentário de 30 minutos que explora a estranha obsessão de coleccionadores por objectos raros.

Para Rhystic, tudo começou com as Air Jordan. Em 1997, Michael Jordan - no auge da carreira - jogou uma partida de basquetebol engripado. Depois do jogo, autografou as sapatilhas com que jogou e deu-as a um fã. Em 2013, esse fã vendeu-as por mais de 100 mil dólares. Ténis raros saem por centenas de milhares de dólares, pessoas pagam milhões por selos e, hoje em dia, cartas de Magic, Yu Gi Oh e Pokemon também valem um bom dinheiro.

São objectos simples, pedaços de plástico e papel, a que, segundo o Rhystic Studios, os fãs atribuem significados especiais, o que faz com que os seus preços descolem. A raridade também tem um papel importante, claro. Só existe um par de Air Jordans contaminado com o vírus da gripe de Michael Jordan. Há apenas mil e 100 cópias da impressão original da Lótus Negra e, graças a algo chamado lista reservada, vai ser só mesmo isso e ponto final.

A história da lista reservada é a parte mais fascinante do documentário The Black Lotus. Em 1996, Magic: The Gathering estava a vender muito bem e a editora Wizards of Coast andava numa azáfama para imprimir mais cartas e acompanhar a demanda. Cada nova impressão baixava os preços de cartas raras, o que irritava os fãs que gostavam de coleccionar cartas pela sua raridade. Então, a Wizards criou o que chamou de um compromisso: a lista reservada, uma colecção de cartas que a empresa prometia nunca mais imprimir.

A Wizards já acrescentou coisas à lista e reviu-a uma vez, mas a Lótus Negra continua a ser uma presença constante. É o item de colecção definitivo de Magic: The Gathering e continua a ganhar valor.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.

Mais da VICE
Canais VICE