Caos e abandono na fronteira entre Brasil e Venezuela
Foto: Victor Affaro/VICE
Noticias

Caos e abandono na fronteira entre Brasil e Venezuela

Débora Lopes, editora da VICE, pegou a estrada de Roraima até Ciudad Guayana para entender a realidade de imigrantes e brasileiros na região.
27.8.18

Nas últimas semanas, a editora da VICE, Débora Lopes, pegou a estrada entre Boa Vista, Mucajaí e Pacaraima (em Roraima), até Ciudad Guayana, na Venezuela. No caminho e em visita a estas localidades, ela viu de frente e de perto uma situação de total caos e abandono. Fome e falta de emprego assolam a Venezuela de Bolívar Soberano, ao passo em que dormir na rua e viver com R$ 30 no Brasil é melhor para mulheres, homens, crianças e idosos venezuelanos que migram a Paracaima para escapar do horror econômico e social de seu país. A jornada tem cunho jornalístico que em breve será visto num documentário. Na tarde desta sexta (24), a colega esteve nos estúdios da rádio CBN, para uma entrevista em que relatou em primeira mão a experiência.

Publicidade

“Eu passei quase 12 dias lá, entre essas cidades brasileiras, mas não dava pra entender a história estando só no Brasil, em Roraima”, contou ela durante o programa. “Então a gente foi até a Venezuela, pegamos aquela estrada perigosíssima e maluca, onde não tem posto de gasolina, e, se tem posto, é uma fila enorme.” Diante de uma situação nebulosa, a ideia da equipe de reportagem era entender o que se passava. Quais são os problemas reais na fronteira e o que há por detrás da animosidade entre brasileiros e venezuelanos. “O que pude conferir de perto foi bastante triste e um pouco desesperador também”, desabafou, “porque vemos que tanto Pacaraima como Boa Vista são cidades simples, que já estão completamente abarrotadas de pessoas brasileiras e venezuelanas, num clima difícil”.

“Quando cheguei em Boa Vista, pensei ‘Pô, eu não tive acesso a tudo isso pela tevê, rádio e jornal.’ Então, foi uma experiência de vida e jornalística muito intensa, ouvindo muitos relatos de brasileiros e venezuelanos, dos dois lados da fronteira.” Pacaraima é uma cidade muito simples, pobre e praticamente rural, com uma população de mais ou menos 16 mil habitantes. A cidade só tem duas viaturas de polícia e cerca de 15 policiais. Nos postos de saúde, há muitas venezuelanas grávidas. Muitos imigrantes chegam querendo atendimento. Alguns são agressivos, e os brasileiros reagem violentamente.

“É uma espécie de caos, em que os brasileiros se sentem desamparados, e, os venezuelanos, muito vulneráveis."

Muitas mulheres cruzam as fronteiras já grávidas ou praticamente parindo e falta trabalho. “Trabalhador brasileiro que cuidava de um jardim e cobrava R$ 50, de repente, se vê ameaçado por um venezuelano que cobra R$ 20 pra fazer o mesmo serviço”, Débora relata. “É uma espécie de caos, em que os brasileiros se sentem desamparados, e, os venezuelanos, muito vulneráveis. Uma situação muito complexa. Nem as prefeituras de ambas as cidades afirmam terem recebido repasses da União, estão sem ajuda do governo federal”.

“Os venezuelanos que conheci em Pacaraima, daquela esquina onde ocorreu o episódio de violência, eram coordenadoras pedagógicas, costureiras, jardineiros, todas essas pessoas estavam em situação de rua, dormindo em calçada, e mesmo assim diziam pra mim que a situação delas aqui no Brasil era melhor do que na Venezuela. Porque aqui as pessoas trabalham, e às vezes conseguem juntar R$ 30, o que garante a alimentação da família por um mês na Venezuela”.

A maioria dos imigrantes são homens em busca de trabalho para enviar dinheiro às suas famílias, mas chegam também casais, muita gente com criança, de colo e pequena, e idosos. Muitas mulheres vêm sozinhas, com filhos que permanecem na Venezuela. “O que dava pra sentir é que esse clima de oposição deixa uma tensão no ar. É difícil falar em xenofobia porque lá as pessoas vivem uma vida muito simples, de interior, aquela coisa de ficar sentado na calçada”, afirma a jornalista. “Muitas vezes, são pessoas que já têm muito pouco, e aí elas veem aquele pouco delas sendo retirado”.

Débora Lopes acompanhou um venezuelano vindo ao Brasil com um motorista particular. Os motoristas cobram alguns milhões de bolívares para fazer a viagem. É uma viagem longa, de mais ou menos 13 horas numa estrada em péssimas condições. As pessoas chegam a ficar um dia inteiro na fila dos postos de gasolina. Um carro comum pode carregar até 80 litros em galões. “A estrada é muito diferente do que estamos acostumados aqui, não tem lugar pra comer. A minha ida pra lá, foram 12 horas sem comer”.

Ouça a entrevista:

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.