O disco de estreia do Eletrique Zamba é a intrigante mistura de Amsterdã com Teresina

Com lançamento pelo inventivo selo Geração Tristherezina, o multi-instrumentista Fábio Crazy voltou da Holanda para o Piauí misturando samba, jazz, eletrônica e reggae.
1.2.17
Foto: Sérgio Loureiro/Divulgação

Numa forma untada com manteiga, organize um samba de guitarra arrumadinho, pra dançar de camisa aberta. Acrescente jazz refinado, sincopado, cheio de requinte. Adicione gotas de chorinho a gosto. Misture bem juntando pequenos beats eletrônicos, uma reggaeira pra dar liga e versos de protesto em três acordes para apimentar. Deixe maturando no calor do Piauí por alguns dias e pronto: tá na mão o disco de estreia do Eletrique Zamba, Volume 1, que você ouve exclusivamente no Noisey nesta quarta (1).

Publicidade

O experiente multi-instrumentista Fábio Crazy conta que o Eletrique Zamba surgiu em Amsterdã, pela vontade de misturar os ritmos que ele não tinha tanta intimidade, como o samba por exemplo. "Em 2000 eu participei e um espetáculo chamado Binnerland tocando cavaquinho. E trabalhei uns 13 anos com um coreógrafo brasileiro radicado na Holanda. Viajava em turnês com peças de dança contemporânea. E daí comecei a compor no cavaco, sambas com três acordes, estilo punk rock sabe… foi daí que veio a coisa toda."

Na cidade holandesa, Fábio conseguia tocar o projeto com o nome de Electric Samba Sound System. Ele chegou a fazer alguns shows com este nome e formação.

Mas foi no retorno ao Brasil, em 2014, depois de uma viagem a Cuba, que o trabalho tomou a forma que se apresenta no disco de estreia. "A política para cultura em Amsterdã mudou muito e a grana ficou escassa, daí voltei liso e cheio de ideias. Encontrei no Lívio Nascimento um parceiro forte e prolífico musicalmente, guitarrista criativo e muito íntimo de samba, jazz e afins… fã de Black Sabbath (risos). Aí a coisa tomou uma cara".

Lançado pelo inventivo selo da Geração Tristherezina, o disco é mais um tom a compor a face miscigenada da música independente piauiense: "Acho que a música piauiense é a que mais fuça a procura de identidade. Teresina, por exemplo, é uma cidade planejada que sofreu reformas de diferentes modelos urbanos. Acredito q isso se reflita culturalmente nos indivíduos" pondera Fábio.

Ouça a estreia oficial da discografia do Eletrique Zamba no player abaixo: