FYI.

This story is over 5 years old.

Noticias

A Terceira Intifada Palestina Já Começou?

A imprensa de Israel está atualmente no meio de um ciclone de paranóia, e os meios de comunicação têm alimentado essa preocupação.
7.3.13

De acordo com a mídia de Israel, a Terceira Intifada Palestina já está bem encaminhada. O que não significa que esteja mesmo, claro — a imprensa de Israel está atualmente no meio de um ciclone de paranoia, e os meios de comunicação têm alimentado essa preocupação em particular desde dezembro passado. Mas isso pode significar que estamos perto. O Mondoweiss, um site que promete fornecer notícias “de uma perspectiva judia progressista”, citou o comandante do exército israelense Yaniv Alaluf no começo do ano: “Não estamos mais à beira da Terceira Intifada — ela já está aqui”.

Depois da morte de Arafat Jaradat, de trinta anos, na prisão israelense de Megiddo no dia 23 de fevereiro, especulações sobre quando a Terceira Intifada vai chegar e provar que a mídia de Israel estava certa atingiram o pico. Uma autópsia revelou que Jaradat não morreu de ataque cardíaco como informaram oficiais da prisão, mas que mostrava sinais de “tortura extrema”, incluindo alguns hematomas de formato suspeito, marcas de chicote e costelas quebradas. As forças de Israel afirmam que as costelas quebradas são sinais da tentativa de ressuscitação, mas vai ser bem mais difícil explicar de onde vieram os ossos quebrados no pescoço, espinha, braços e pernas do prisioneiro.

Publicidade

A morte de Jaradat veio num momento em que a questão do tratamento recebido por prisioneiros palestinos está dominando o discurso da mídia, e seu falecimento já aumentou os protestos contra o tratamento de prisioneiros em greve de fome parcial de longo período. Até agora, esses protestos têm acontecido em Hebron, Belém, Jenin, Nablus, Jayyous, Beit Ummar, Tulkarm e na prisão Ofer, próxima de Ramallah. Na terça-feira seguinte, um garoto foi baleado num protesto em Belém e acabou morrendo. Os direitos dos prisioneiros são uma questão chave entre os palestinos, o que não é surpresa, considerando que 40% da população masculina já passou alguma parte da vida numa prisão israelense.

Enterro de Arafat Jaradat, foto de Matthew J. Bell.

O enterro de Jaradat em sua cidade natal, Sa'ir, reuniu milhares de pessoas, incluindo representantes de todos os maiores partidos políticos, do Hamas ao PFLP. A cidade é um reduto do Fatah e o braço armado do partido, a Brigada de Mártires Al Aqsa (BMA), se mostrou fortemente no evento, realizando salva de tiros e anunciando que pretende vingar Jaradat. Combine isso ao aumento dos protestos e das informações da inteligência espalhadas pela segurança interna de Israel e dá para entender por que a mídia está em pânico com a Terceira Intifada. Mas seria realmente isso?

O primeiro problema aqui é a falta de liderança — aparentemente não há nenhuma. O BMA pode prometer vingança, mas sendo o braço armado do Fatah, estão fortemente conectados à Autoridade Palestina, que tem tentado arduamente parecer mais “estadista” do que revolucionária. Como resultado, se uma intifada irromper, é mais provável que a AP esteja no time oposto.

Publicidade

No Ramallah Café, ponto de encontro onde os intelectuais de Ramallah param para fumar narguilé e ler os jornais, um cliente se disse ex-membro da BMA e ficou feliz em papaguear sobre a situação da AP. Chamando o líder da AP de “senhor presidente”, ele disse que a AP vai defender essa “revolução de prisioneiros”, que para ele já tinha começado. Evasivo quanto ao por que ele mesmo não se juntava à revolução, ele disse que a AP vai apoiar os manifestantes, mesmo que ela tenha passado a sexta anterior pisando entre eles e as forças de defesa israelenses para conter os protestos em Hebron.

Foto por Eloïse Bollack.

Na segunda, dia 15 de fevereiro, membros da Autoridade Palestina se recusaram a participar de atividades similares de “controle de multidão”, talvez apenas porque isso poderia ter começado uma revolta em grande escala contra a polícia da AP ou mesmo contra a própria AP. “Estamos muito desapontados com a AP depois que eles voltaram do exílio”, disse o manifestante Abu Ashraf, recebendo os jornalistas em sua casa para que se abrigassem do gás lacrimogêneo na última sexta-feira. “Não esperávamos que eles fossem se tornar uma folha de figueira para a ocupação.”

O “senhor presidente” também tentou rebater o pedido do primeiro-ministro israelense para que ele acalmasse os protestos na Cisjordânia, dizendo: “Israel quer o caos, mas não seremos arrastados para isso” — fazendo parecer que ele está se levantando contra Israel e que é capaz de sufocar a ira palestina. Até o presente momento, há poucas evidências de que ele seja capaz de qualquer uma dessas coisas.

Publicidade

Para assegurar que Abbas e o resto da AP, particularmente a força policial, permaneçam do seu lado, Israel liberou receitas fiscais que tinha confiscado do AP em novembro, na esteira da proposta da ONU de um Estado Palestino.

Com isso em mente, parece mais possível que a Terceira Intifada venha de outro lugar que não a Cisjordânia. Não é segredo que lugares como Jeni, Hebron e Nablus não são os maiores fãs tanto da AP quanto de Israel, especialmente entre quem vive nos campos de refugiados que não são controlados pela AP. Protestos regulares e enfrentamentos têm acontecido do lado de fora da prisão Ofer, nas proximidades de Ramallah, abastecidos principalmente por estudantes da Universidade Birzeit, mas outros se centraram em conhecidos pontos anti-AP, especialmente Hebron, que fica próxima da cidade natal de Jaradat, Sa'ir. No entanto, estes coincidiram inicialmente com protestos planejados para exigir a reabertura do assentamento judeu Shehuda Street para palestinos, então, embora as manifestações continuem, resta saber se vão durar no longo prazo.

Foto por Eloïse Bollack.

Até agora, aqueles envolvidos em protestos e confrontos usaram métodos não-violentos de resistência, popularizados na Primeira Intifada. No entanto, mesmo se grupos armados de resistência escolherem este momento para começar algo mais próximo da Segunda Intifada, que foi mais violenta, vão acabar enfrentando o problema da escassez de armamentos. A AP tem tido muito sucesso em reprimir o tráfico de armas, num esforço para fazer a Cisjordânia parecer menos um foco de resistência e mais um lugar onde o Obama possa se sentir confortável para passear durante sua visita no próximo mês.

Publicidade

Também foi sugerido que qualquer intifada que aconteça na Cisjordânia provavelmente resultará num ataque aos assentamentos. Mas fora um ataque dos colonos aos palestinos em Qusra sábado passado, não houve mais nenhum confronto informado entre palestinos e colonos até agora, então as manifestações permanecem centradas contra as forças de defesa israelenses pelos direitos dos prisioneiros palestinos.

Essencialmente, falta outro elemento para que essa situação se torne uma intifada completa. Não há dúvida de que a situação dos prisioneiros é digna de protestos, mas seria necessário que a raiva dos palestinos contra a economia vacilante se espalhasse para arrastar mais pessoas para as ruas, e a situação financeira ainda não afundou até esse ponto. Alguns protestos menores contra os Protocolos de Paris, que governam a economia palestina, aconteceram no verão, mas não há sinal de que eles voltem a acontecer tão cedo. Comerciantes de Nablus e Ramallah estão enfrentando a situação com bom humor, ao invés de escreverem cartazes e saírem às ruas.

Você provavelmente já adivinhou, por ler literalmente qualquer história recente na mídia, que a situação na Cisjordânia não é muito agradável, e as pessoas têm mesmo o direito de estar com raiva. No momento, essa raiva está sendo ventilada pela indignação com o tratamento dos prisioneiros e vai ser preciso mais que isso para transformar esses protestos isolados em uma intifada, principalmente se a AP tiver qualquer coisa a ver com isso.

Publicidade

Quando perguntei se esses protestos eram o começo de algo mais significativo, um quitandeiro da praça central de Ramallah coçou o queixo e disse: “Estamos cansados. Isso é tudo”. Então, esse é o começo da Terceira Intifada? Resposta curta: não. Resposta longa: ainda não.

Siga a Ruth no Twitter: @_Ms_R

Mais Palestina:

Gays Palestinos Estão Sendo Chantageados Pela Polícia Para se Tornarem Informantes

Hamas Vs. Fatah

Mais um Dia no Paraíso