EXCLUSIVO! A delinquência juvenil é Sexy AF

Novo single, novo vídeo, a mesma urgência rock n' roll que fez de "Portuguese Freakshow" um clássico instantâneo dos The Dirty Coal Train.

|
29 Janeiro 2019, 10:40am

Em Março de 2018 deixamos-te aqui umas questões: "Pronto para entrares noutra dimensão? Preparado para um universo cinemático de amor sangrento no fio da navalha, escuridão e luz, Sailor e Lula e uma paixão tóxica em loop eterno? Não estás, estivesses, porque o circo está na estrada e os The Dirty Coal Train não esperam por ninguém".

Ora bem, entretanto o circo papou quilómetros de asfalto e destilou litros de suor por esses palcos fora. É certo que algum sangue terá sido derramado e algumas vidas terão sido transformadas, por esta dupla infernal. Portuguese Freakshow, álbum duplo (lançado em vinil pela Groovie Records em parceria com a Garagem Records), de intensidade em modo estratosférico, é um desses OVNIS que volta e meia surgem nas nossas vidas para não deixar pedra sobre pedra.

Na altura, lançávamos o vídeo para o primeiro single, "Summer Asphalt", e garantiamos: "O amor segundo Beatriz Rodrigues e Ricardo Ramos é feito de guitarras secas, ritmo arrastado e de uma tensão asfixiante, sombria, mas nem por isso menos viciante. Um "desvio" ao habitual rock n' roll de inspiração punk e garage, assente num imaginário cinematográfico série B que, desde o início, norteia o caminho dos The Dirty Coal Train". Quase um ano depois, o ciclo encerra-se com "Juvenile delinquent". Gravado com Mário Mendes na bateria (dos Monkey Cage e Conan Castro & the Moonshine Piñatas) é, segundo os próprios, "um tema que brinca com os clichés do rockabilly: a delinquência juvenil dos 50's e o espírito da geração beat". Um petisco, dizemos nós.

O vídeo (que podes ver acima) marca o regresso da dupla à produção e realização, o que não causará estranheza a quem segue a banda e a sua postura Ultra-DIY. Dança, amor, assaltos a farmácias e vadiagem pelo Sabugal. O que mais poderíamos querer.

Entretanto a banda de Viseu continua num frenético ritmo de trabalho: nos próximos tempos tem datas ao vivo por Portugal, Espanha, França e Itália e, após a muito limitada edição de uma split cassete com a one man band de blues punk argentina, Trash Colapso (que saiu na também argentina Scrap Metal Dealer Records), acabou a produção do seu próximo LP (gravado em São Paulo, Brasil e a que, de acordo com Beatriz e Ricardo "não será alheia a turbulência que se começava a sentir no país aquando da gravação". A edição está prevista para Maio e mal podemos esperar.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.