Jovens comunistas brasileiros coreia vice Centro de Estudos da Política Songun
Os brasileiros Lenan Cunha, 19, e Lucas Rubio, 21, na Coreia do Norte. Foto: arquivo pessoal.
Política

Os jovens comunistas brasileiros bem-vindos na Coreia do Norte

"Fomos tratados como verdadeiros chefes de Estado."
14.11.18

No dia 21 de setembro de 2017, Kim Jong-un, o líder supremo da República Popular Democrática da Coreia, fez uma das primeiras declarações em resposta às constantes ameaças de Donald Trump a respeito do programa nuclear do país. No texto, Kim enfatizava a falta de preparo do presidente dos Estados Unidos em lidar com a tensão crescente na região e o comparava a um "cão covarde".

A declaração teria sido divulgada e noticiada aqui no Brasil como qualquer outra do âmbito das relações exteriores, não fosse um porém. No mesmo dia, minutos após a divulgação do discurso pela mídia estatal norte-coreana, o texto foi traduzido na íntegra, direto do coreano para o português. Não por alguma editoria de jornal focada em cobrir o assunto, nem por acadêmicos aprofundados na língua coreana ou nos conflitos da península, mas por um grupo de cinco jovens, entre os 19 e 24 anos de idade, que compõem o Centro de Estudos da Política Songun (CEPS).

Postado na página de Facebook do grupo, o texto foi a primeira publicação do discurso em língua portuguesa. Foi também um trampolim, já que era a primeira vez que a proposta encabeçada por esses jovens simpatizantes do regime comunista coreano recebia alguma atenção positiva.

O menino da Coreia

O interesse no tema surgiu por causa da cobertura da mídia tradicional que, segundo eles, aborda o país de maneira fantasiosa e desrespeitosa, como um "inferno na Terra governado por uma dinastia louca e habitada por milhões de famintos que vivem na era da pedra lascada", diz Lucas Rubio, 21, fundador e presidente do CEPS.

Estudante de letras com ênfase em russo na UFRJ, ele divide as atividades do grupo com o trabalho formal enquanto coordenador do Núcleo de Política Internacional da Tribuna da Imprensa Sindical no Rio de Janeiro. Sua jornada de imersão no regime norte-coreano começou pelo finado Orkut e em blogs como o Solidariedade à Coreia Popular.

1542205618891-COREIA_05

Os brasileiros Lucas Rubio, 21, e Lenan Cunha, 19, na Coreia do Norte. Foto: arquivo pessoal

A morte de Kim Jong Il, em 2011, foi um divisor de águas na vida de Lucas. "Na época, eu estava começando a ter contato com experiências socialistas do século 20 e não conhecia nada da Coreia", fala. "Todo o alarde midiático com a morte do líder me assustou bastante e acabei tendo uma imagem ruim do país. Mesmo assim, aquilo parecia tão caricato que me chamou a atenção para a temática. Foi então que comecei um verdadeiro mergulho de imersão em estudos sobre a Coreia do Norte."

Desde então, ele tem dedicado sua vida a se aprofundar no tema e difundir a palavra da ideologia Juche, vertente do comunismo próprio do sudeste asiático, criada por Kim Il-sung após a guerra da separação das Coreias. O estudante diz, inclusive, que é conhecido como "o menino da Coreia do Norte" na última escola em que estudou e também na faculdade. Nesses sete anos de trabalho de difusão e produção incessante de textos pró-ditadura, Lucas foi agraciado com os prêmios de "Destaque Sindical" e "Destaque Liberdade de Imprensa", ambos iniciativa da OAB-RJ.

Os membros do grupo se dividem pelo Rio de Janeiro e São Paulo, e mantém atividades como a manutenção de suas páginas e blogs com o intuito de trazer a perspectiva pessoal de norte-coreanos, assim como traduzir livros, notícias, músicas e vídeos por lá produzidos para a língua portuguesa.

"Evento na UERJ apoia a ditadura da Coreia do Norte"

O CEPS foi fundado no final de 2016 com incentivo da Embaixada da República Popular Democrática da Coreia e seu funcionário de mais alto escalão, o embaixador ‎Ri Hwa Gun. Em um evento inaugural na UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), o grupo reuniu mais de 70 pessoas interessadas no regime norte-coreano. A ideia inicial era divulgar um "lado positivo" do governo ditatorial. Entretanto, o evento sofreu represálias de alunos que não viam com bons olhos as pretensões do CEPS de “desmentir as farsas da mídia ocidental” e apoiar a “luta anti-imperialista do povo coreano”, pontua Lucas. O que resultou em diversos ataques feitos pela internet – majoritariamente de grupos de direita – aos membros.

Na época, o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente eleito Jair Bolsonaro (ambos do PSL), mostrou indignação nas redes sociais, dizendo que a UERJ estava promovendo um evento em apoio à ditadura da Coreia.

1542214372003-COREIA_01

Apesar das dificuldades, o evento foi o suficiente para que o grupo chamasse a atenção do governo norte-coreano, que divulgou o acontecimento em seus principais canais de notícias na internet e passou também a noticiar para o povo coreano até mesmo pequenas ações do CEPS.

Os números de engajamento online do CEPS, apesar de modestos, têm apresentado crescimento constante, principalmente após o "furo" de tradução feito em 2017. Sobre o período de negociações do encontro de Singapura realizado no final do ano passado, Lucas conta: “Por vezes éramos os primeiros a noticiar uma atividade militar da Coreia, como um teste de míssil, de maneira bem detalhada.”

1542205634247-COREIA_02

Hoje, as páginas administradas pelo grupo já somam quase 50 mil curtidas, sendo elas "O Outro Lado da Coreia do Norte", "Coreia do Norte em Foco", "A Verdadeira Coreia Popular" e "Centro de Estudos da Política Songun - Brasil".

A viagem para a Coreia

A jornada de Lucas rendeu frutos além das premiações. Este ano, a convite do governo norte-coreano e da Academia Coreana de Cientistas Sociais, ele fez uma viagem oficial ao país junto do seu "camarada", como ele mesmo diz, Lenan Cunha, membro do CEPS e responsável por boa parte das publicações traduzidas diretamente do coreano.

O convite não veio por acaso. Em 2018, a Coreia do Norte comemora os 70 anos da instauração do governo socialista no país. Em 1910, o território foi ocupado pelos japoneses e, com a derrota da Segunda Guerra, foi dividido entre soviéticos e americanos. A parte posicionada acima da linha imaginária da divisão ficou a cargo da União Soviética. Já os coreanos que viviam abaixo da linha passaram para as mãos dos norte-americanos. Apenas em 1948 foram instaurados os novos governos independentes.

Com a instauração do governo revolucionário de Kim Il-sung – que detém até hoje o cargo de presidente eterno da Coreia do Norte – e da ideologia Juche, criada por ele, o país assumiu um socialismo de viés militarista que preza pela independência bélica como forma de subsistência.

A ideologia Juche é vista por Lucas e seus colegas de CEPS como vital e coerente devido às "constantes ameaças" sofridas pelo país, tendo o ciclo de desenvolvimento militar como garantia de defesa ampla que a Coreia deve atingir antes de focar esforços para as demais questões internas.

Durante os 10 dias que estiveram lá, os dois ficaram hospedados no hotel Koryo, que possui construção monumental usada principalmente por turistas chineses em viagens a trabalho. O hotel também é conhecido por ser estratégico, tendo seu acesso de entrada e saída controlados por guardas do governo. Frequentemente criticado por jornalistas que passam por lá, as restrições e vigilância não parecem ter incomodado os membros da comissão brasileira.

"Sofri vários julgamentos, hostilidades, problemas e dificuldades ao longo desses 10 anos de interesse na Coreia e estar ali em Pyongyang, ainda mais em circunstâncias tão especiais, foi surreal", rememora Lucas. Ele e Lenan estiveram acompanhados das demais delegações vindas de diversos países, como Suécia e Inglaterra. Com 19 e 21 anos, respectivamente, além de serem os únicos brasileiros presentes, os dois eram também os mais jovens a participar do Seminário Internacional da Ideia Juche nos 70 anos de fundação da Pátria Socialista, possivelmente a data mais importante para o regime.

"Fomos tratados como verdadeiros chefes de Estado"

Lucas não poupa elogios ao país, mantendo sua posição de que a cobertura tradicional da mídia distorce as informações sobre a Coreia a fim de manter a hegemonia de uma agenda capitalista anti-socialista. Ele diz ter visto muita ordem, limpeza e harmonia na capital Pyongyang. "A cidade é muito verde, a todo momento bate uma brisa fresca, não há odores ruins, há poucos carros e bastante transporte público."

Segundo o próprio, a experiência da viagem foi a realização de um sonho. Lá, ele recebeu uma insígnia condecorativa de nível oficial com os rostos dos dirigentes Kim Il-sung e Kim Jong-il. Distintivos como esses só estão disponíveis aos membros do partido comunista coreano e são diferentes das utilizadas pelos cidadãos comuns e civis da Coreia do Norte. Aqui no Brasil, o estudante usa o broche em suas suas roupas do dia a dia. "Em toda nossa viagem fomos tratados como verdadeiros chefes de Estado", ele relembra.

A viagem foi um marco para o CEPS. Após o retorno ao Brasil, Lucas foi agraciado com mais um prêmio "Destaque Liberdade de Imprensa" na OAB-RJ pela produção de um diário de viagem. O trabalho continha textos quase institucionais a favor do regime de Kim Jong-un e foi tido como um contraponto às matérias produzidas pelo programa Fantástico, da Rede Globo, que esteve na Coreia do Norte no mesmo período.

1542215493452-COREIA_07

Lucas Rubio durante o Seminário Latino-Americano pela Paz e Independência do Mundo, realizado em Caracas na Venezuela. Foto: arquivo pessoal

Houve também uma segunda viagem, mais curta, desta vez para a Venezuela. O convite foi realizado pelo Instituto Latino-Americano de Estudos da Ideia Juche, onde Lucas participou, sozinho, como delegado oficial do Brasil no Seminário Latino-Americano pela Paz e Independência do Mundo, entre os dias 4 e 7 de outubro, em Caracas, capital do país.

A viagem a Venezuela durante o período eleitoral foi um dos fatores pelos quais o CEPS não esteve presente durante as eleições no Brasil e não se posicionou oficialmente, apesar de Lucas e outros membros terem publicado em suas redes pessoais conteúdos contrários à candidatura de Jair Bolsonaro à presidência – a quem o estudante se refere como "um militar tosco de má reputação até mesmo no Exército Brasileiro; que promove um culto ao fetichismo belicista inútil e que não resolve nada".

Apesar do sucesso institucional e do reconhecimento de organizações de Estado, Lucas relata já ter sido alvo de difamação e de grupos de direita que planejavam “lhe dar uma lição”, mas segundo o estudante, o CEPS não tem intenções de parar suas atividades devido a eleição de um presidente que se aproveitou abertamente de uma caça ideológica à esquerda para se promover. Apesar de também se utilizar de estratégias e posicionamentos que tem por objetivo tirar a legitimidade da mídia tradicional e de veículos de comunicação formais, o CEPS se enxerga como oposição e faz planos para a divulgação da ideologia Juche. "Esperaremos esse turbulento momento [no Brasil] passar para abordar de forma mais profissional, e agora com materiais e experiências próprias, esse tema."

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.