As esculturas de Los Carpinteros trazem um pouco de Cuba em pregos gigantes e congas derretidas
The Creators Project

As esculturas de Los Carpinteros trazem um pouco de Cuba em pregos gigantes e congas derretidas

Com peças artesanais e um tiquinho assim de absurdo, dupla de artistas cubanos tira inspiração do significado de seus materiais para expor uma visão de mundo centrada em sua musa – a ilha em que nasceram.
29.6.16

Duo de Congas Gris y Plata, 2015, Los Carpinteros, materiais diversos, 48 x 181 x 120 cm. Imagens cortesia dos artistas e da Galeria Peter Kilchmann

Com olhar apurado para peças artesanais e um tiquinho assim de absurdo, a dupla de artistas cubanos Los Carpinteros tira inspiração do significado de seus materiais para expor uma visão de mundo bem particular nas suas esculturas. Basta observar uma de suas obras para captar seu estilo ímpar: dentre as mais simbólicas e marcantes estão os pregos enferrujados gigantes e tambores brilhantes que derretem em poças metálicas gosmentas.

A junção de materiais, o tamanho e a posição das peças culminam na visão conceitual completa das obras de Los Carpinteros. A dupla formada por Marco Antonio Castillo Valdés e Dagoberto Rodriguez Sanchez se deu cerca de 30 anos atrás quando, segundo a revista Elephant, os dois estudavam no Instituto Superior de Arte, uma das maiores escolas de arte de Cuba. Anteriormente havia também um "terceiro carpinteiro", mas foram Valdés e Sanchez que permaneceram unidos e deram continuidade ao trabalho.

Bola de pelo, 2013, poliestireno, resina, cabelo, 135 x 250 x 134 cm

Clavo Siete, 2015, metal, 40 x 140 x 192 cm

Clavo Seis, 2015, metal, 140 x 160 x 138 cm

O nome "Os Carpinteiros" foi escolhido devido à preferência do grupo por criar pequenos conjuntos de móveis e por se utilizarem da madeira. Mais tarde, quando os artistas pensaram em um nome oficial, Los Carpinteros parecia a opção mais apropriada.

Há sete anos os dois vivem em Madri, na Espanha, onde afirmam ter mais controle da manufatura de seus materiais. A princípio, o plano era ficar ali por um tempo e depois retornar a Cuba, mas com as dificuldades de se montar um estúdio e as similaridades entre Madri e Havana (que, segundo os artistas, sofrem com a falta de itens básicos e o excesso de burocracia), a estada temporária se tornou residência semi-permanente.

"Aqui na Espanha as pessoas precisam fazer as coisas e nós todos temos uma meta comum", dizem. "Nesse sentido, a crise foi uma benção… as limitações geram uma boa energia e a vontade de mudar as coisas."

Mas apesar de seu amor por sua nova cidade, Los Carpinteros se mantêm fiéis às suas raízes, ao artesanato e à sua pátria e musa geográfica, Cuba.

Lugar sin ventanas dos, 2015, aquarela sobre papel, 93 x 126 cm

Celosía Estrella, 2015, terracota, 63 x 63 x 20 cm

Superficie amarilla, 2014, watercolor on paper, 213.5 x 127.2 cm

Para ler mais sobre Los Carpinteros, acesse sua página na Galeria Peter Kilchmann aqui.

Tradução: Flavio Taam