Entrevistamos as Caravanas dos Países no Tomorrowland

FYI.

This story is over 5 years old.

Entrevistamos as Caravanas dos Países no Tomorrowland

As mais diferentes nacionalidades se encontraram em Boom na Bélgica e seus representantes nos falaram o que levam na bagagem para festa.

O Tomorrowland aconteceu na semana passada, durante os dias 24 a 26 de julho na cidade de Boom, na Bélgica. Ao comemorar sua décima primeira edição, o festival cimentou sua reputação como maior festival de dance do mundo. Baladeiros de mais de 100 países vieram para provar que esse negócio de dance é um dos grandes unificadores do planeta.

Com isso em mente, nós colamos na pista de dança para nos misturar com os representantes dessas nações e descobrir o que eles acham uns dos outros. Eis o que descobrimos:

Publicidade

NORUEGA

O que os noruegueses trouxeram para a balada que ninguém mais trouxe?
O espírito viking! Nós viemos para conquistar o Tomorrowland. O que nós fazemos é ficar doidões de bêbados e trazemos muita diversão pra festa. Nós somos conhecidos na Europa inteira pela nossa bebedeira. Nós temos uma cultura de bebida nervosa. Não é bom, não é nada bom. Mas nós estamos sempre felizes, então está tudo bem.

O que vocês acharam dos seus colegas internacionais?
Tem muitos australianos aqui, surpreendentemente. Eles podem ser o único povo que bebe mais do que nós, nossos principais competidores.

GUÃO

Como é a cena rave em Guão?
A cena de dance music, EDM, está apenas começando. Nós acabamos de ter o segundo EIF anual, Electric Island Festival. Infelizmente, nossa população em Guão não é tão grande quanto a que está aqui, nós tivemos três mil pessoas no festival, o que é bom para nós. Mas, enquanto guamêses, queremos viver mais festivais de música, então cerca de dez guamêses voaram até aqui para curtir o Tomorrowland.

O que vocês acharam dos seus colegas internacionais?
Nossa bandeira de Guão é a mais rara aqui. E ninguém tem o espírito hafa adai guamês como nós. Uhul! Eu notei que os suíços levaram todas suas bandeiras e tomaram conta da colina logo alí. Três pessoas colocaram suas bandeiras e vinte minutos depois, tinham tipo cinquenta pessoas lá em cima. Isso foi bem legal. Ano que vem nós vamos trazer bandeiras maiores e tomar aquela colina também.

Publicidade

ÍNDIA

Estou surpreso de ver tantos indianos aqui!
Sim, na verdade o Tomorrowland é tão famoso na Índia agora que todo mundo quer vir. Então aqui estamos nós! Estamos curtindo! É a primeira vez de todos nós. É insano. É lindo. E tudo no Tomorrowland é maluco. Até na chuva!

O que vocês acharam de todas as outras nações representadas?
Tudo o que eu vejo são indianos! Eu vejo bandeiras indianas em todo o lugar. E obviamente belgas. Esse lugar é tão lindo. Obrigado à Bélgica por sediar um festival tão maravilhoso para o mundo todo.

IRLANDA

O que vocês irlandeses trazem para a rave que ninguém mais traz?
Unidade! União! Nós unimos as pessoas! Além da música, nós unimos as pessoas. Esse fim de semana abriu meus olhos para… o melhor festival NO MUNDO. Esse lugar é maluco.

Quais suas observações sobre as outra nações?
Ah, as mulheres suécas são as mais gatas. E esse grupo de caras é o mais bêbado, bem aqui. Os irlandeses são sempre os mais bêbados.

EUA

O que vocês ianques trouxeram para a rave, então?
Energia. Nós somos bem mais energéticos que a maioria. Quando uma boa música surge, nós pulamos mais. É estranho! Eu acho que somos mais divertidos, sei lá.

Como isso se compara às festas na sua casa?
Las Vegas é perto de onde moramos, então aprendemos a curtir. Nós fomos ao EDC todos os anos, a não ser nesse. É diferente. Todo mundo está vestido. No EDC todas as garotas estão peladas, basicamente. Aqui, é mais como se estivessem apoiando seu país, sua nacionalidade. É como um caldeirão fervilhante.

Publicidade

Algumas observações sobre uma nação em particular?
As garotas suecas são as mais lindas.

ISRAEL

Como são os israelenses na rave?
Bom, nós somos loucos. Nós nunca paramos de dançar. Nunca. Olhe pra esses caras. Nós somos um pouco estranhos às vezes sobre como dançamos. Nós nunca paramos!

Quais seus pensamentos sobre alguma nação em particular?
Eu amo os holandeses. Eles são tão simpáticos, eles sempre dançam com a gente… e eles são gigantes!

PAQUISTÃO

Puta merda! Você é do Paquistão. Eu também!
Eu vi um monte de paquistaneses aqui. Cerca de dez. Tem uma cena de rave no Paquistão, mas é meio restrita, só para gente rica. Apenas com convite. Tem alguns DJs que vão lá, mas eles não são muito famosos.

Como são todos os países por aqui?
As pessoas são bem simpáticas embora eles tenham equívocos sobre nosso país. Eu vou ser um embaixador da dance music no Paquistão.

MÉXICO

Como os mexicanos curtem?
Nós festejamos por qualquer motivo. Nós festejamos em funerais, festejamos em aniversários, nós festejamos no domingo. Nós não precisamos de um motivo!

O que torna o festival tão especial?
É a nossa segunda vez aqui. Não é a música. OK, é a música, mas é também a união de todos os paíxes. É puro amor. Todo mundo aqui é puro amor.

CANADÁ

O que os canadenses trazem para a rave?
Uma abertura, mentes abertas. Nós somos muito dispostos em nos abrir para qualquer cultura, conhecer qualquer um. Nós somos muito amigáveis! Tem uma grande representação de culturas aqui. Mas mesmo fora disso, todo mundo se mistura e está disposto a curtir juntos. É muito bonito de ver.

Com o que vocês ficaram entusiasmados em encontrar?
Eu diria que os suécos são os mais parecidos conosco. Nós funcionamos juntos, nós entendemos uns aos outros.

Publicidade

BÉLGICA

Nos conte como o Tomorrowland se desenrolou.
Se você comparar os palcos agora com o que eram dez anos atrás, é tipo… Você não pode descrever como era pequeno. Agora é conhecido no mundo inteiro. É louco ter um festival tão grande em um país tão pequeno.

Quem são seus visitantes preferidos?
Ano passado, nós conhecemos alguns japoneses. Eles são super felizes. Eu não sei, talvez seja por causa das suas caras, mas eles sempre parecem felizes. Era um sujeito muito pequeno e ele estava sempre sorrindo e começamos a fazer contato. Ao final do festiva, ele estava sentado nos meus ombros e ainda somos amigos. Eu gosto de pessoas da Africa do Sul porque sua linguagem é um pouco como a nossa, então podemos conversar bem facilmente. Mas no final, eu não prefiro nenhum país a outro.

Jemayel Khawaja está no twitter - @JemayelK

Todas as fotos por Jennica Abrams (exceto as duas ruins) - Facebook // Oficial

Tradução: Pedro Moreira