Identidade

Confirmado: mulheres são seres superiores

Um novo estudo mostra como o cérebro dos homens está voltado para o egoísmo, e o cérebro das mulheres para a bondade.
13.10.17
Imagem via Shutterstock.

Matéria publicada originalmente na VICE Austrália.

Sabe como as mulheres são deusas generosas que fariam qualquer coisa pelos amigos, pela família e até por estranhos na rua? E como os homens… bom, não são assim? Uma nova pesquisa da Universidade de Zurique, na Suíça, parece dar uma razão para isso: o cérebro dos homens recompensa comportamento egoísta, já o cérebro das mulheres recompensa a generosidade.

Publicidade

Numa série de experimentos comportamentais que envolviam tomar decisões sobre compartilhar ou não dinheiro, neurocientistas examinaram que áreas do cérebro se ativavam quando decisões "pró-sociais" (não egoístas) eram feitas, em oposição a quando decisões egoístas eram tomadas.

Num grupo de teste de 56 homens e mulheres, ele descobriram que o corpo estriado (o centro de recompensa do cérebro, que administra um delicioso fluxo de dopamina por comportamento "correto") respondia muito mais forte em mulheres quando elas tomavam decisões "pró-sociais" do que quando homens faziam o mesmo.

Em contraste, comportamento egoísta desencadeava uma resposta no corpo estriado dos homens muito mais forte que nas mulheres. Em outras palavras, mulheres são recompensadas por bondade, homens são recompensados por serem escrotos. Igualzinho na vida real!

Intrigados, os cientistas realizaram então um segundo experimento onde neutralizavam o corpo estriado usando medicamentos que inibem a liberação de dopamina. Eles descobriram que neste caso as mulheres de repente se comportavam de maneira muito mais egoísta, e os homens se tornavam mais generosos.

Essa foi uma descoberta surpreendente, que levou o pesquisador Alexander Soutschek a comentar num press release que os resultados "demonstram que o cérebro das mulheres e o cérebro dos homens também processam generosidade de maneira diferente num nível farmacológico". Ele apontou a necessidade de mais pesquisas e dos neurocientistas "levarem em conta as diferenças de gênero mais seriamente".

Publicidade

Agora, antes dos caras lendo isto saírem achando que podem ser babacas porque isso é do cérebro masculino, note que essa história pode ter uma base cultural em vez de biológica. Soutschek disse que é improvável que as diferenças entre os cérebros de homens e mulheres existam inerentemente, o mais provável é que isso seja resultado de atitudes sociais enraizadas.

"Os sistemas de recompensa e aprendizado do nosso cérebro funcionam em cooperação próxima", ele disse. "Estudos empíricos mostram que meninas são recompensadas com elogios por comportamento pró-social, implicando que seu sistema de recompensa aprende a esperar uma recompensa por um comportamento generoso em vez de um comportamento egoísta.

"Com isso em mente, as diferenças de gênero que observamos em nossos estudos podem ser melhor atribuídas a expectativas culturais diferentes colocadas para homens e mulheres."

Siga a Kat no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram .