FYI.

This story is over 5 years old.

Noticias

A Polícia de Porto Alegre Está Perseguindo os Movimentos Sociais

Oficiais levaram materiais de divulgação, livros, fotos e computadores de ativistas e de integrantes do Bloco de Luta pelo Transporte Público.
1.10.13

Biblioteca do Centro de Cultura Libertária da Azenha, conhecido como Moinho Negro. Foto: Ali Savage

Hoje de manhã (1° de outubro), a Polícia Civil de Porto Alegre surpreendeu militantes e sedes de movimentos sociais. Portando mandados de busca e apreensão, oficiais levaram materiais de divulgação, livros, fotos e computadores de ativistas e de integrantes do Bloco de Luta pelo Transporte Público. As investigações buscam conexão com possíveis atos de violência durante as manifestações deste ano na cidade, que foram grandes.

Publicidade

Para as redes sociais dos movimentos que tiveram materiais apreendidos nesta manhã, o objetivo policial é bem claro: criminalizar a militância, acusando-a de formação de quadrilha. E não é a primeira vez que esse tipo de coisa acontece na cidade. Em junho, enquanto a onda de manifestações pelo país aumentava de maneira imensurável, a polícia arrombou a sede da Federação Anarquista Gaúcha (FAG), apreendendo materiais de divulgação.

Por volta das 8h40 de hoje, um delegado e dois policiais arrombaram a porta do Centro de Cultura Libertária da Azenha, em Porto Alegre, mais conhecido como Moinho Negro. O espaço, que promove oficinas de dança de rua e yoga, serve como ponto de encontro de anarquistas aos sábados. Vincent Acrata, um dos integrantes do Moinho e morador do apartamento alocado ao espaço, disse que estava se preparando para ir ao trabalho quando a polícia chegou com o pé na porta. “Descemos e os policiais estavam revirando o espaço. Quando perguntamos o que estava acontecendo, eles disseram que era uma investigação e que tinham mandado. Reviraram tudo. Apreenderam alguns cartazes e panfletos anarquistas, ligaram o computador da biblioteca e começaram a mexer.” A polícia tentou levar fichas cadastrais com dados dos associados, mas depois da insistência dos moradores, acabou desistindo. Uma garrafa com solvente de tinta a óleo também foi levada.

Não só o Moinho foi perseguido. Lucas Maróstica, militante do Juntos e do PSOL, conta que estava no aeroporto de Confins, em Minas Gerais, quando recebeu uma ligação desesperada da diarista, dizendo que a polícia iria invadir seu apartamento e levar seu computador. “Uma clara perseguição política ideológica por parte de um governo que se propunha ser diferente dos anteriores”, disse pelo Facebook, referindo-se ao governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT). O mesmo aconteceu com Matheus Gomes, coordenador-geral do DCE da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e integrante da Anel. Num relato postado no Facebook, ele conta que a polícia levou textos marxistas, fragmentos de um caderno, e, inclusive, fotografou imagens de crianças na intifada palestina que ele tinha no quarto.

Procurada pela reportagem, a Polícia Civil disse não ter nenhuma informação concreta sobre as buscas que aconteceram hoje, mas afirmou que é o delegado Marco Antônio Duarte de Souza, do DAE (Departamento de Assessoramento Especial), quem está à frente dos inquéritos referentes às manifestações. Liguei diversas vezes para seu celular, mas, até o momento da publicação, não fui atendida. Enquanto isso, outros relatos de batidas são publicados nas redes, ainda sem confirmação.

ATUALIZAÇÃO: Em coletiva de imprensa, o PSOL reiterou que o militante Lucas Maróstica não possui vínculo algum com as depredações acontecidas durante as manifestações em Porto Alegre. Também em coletiva, o delegado Marco Antônio, responsável pelas investigações, afirmou que os documentos apreendidos durante as buscas têm o objetivo único de auxiliar nas investigações dos atos de violência ocorridos nos protestos.

Siga a Débora Lopes no Twitter: @deboralopes