Sama

Havana, cidade sem lei e a ressurreição de "Calavera Roja"

Um resumo do que está a acontecer em Cuba, depois da morte de Fidel Castro, numa versão não muito oficial de Sama*.

|
30 novembro 2016, 3:34pm

Sama

Depois das declarações de Raúl Castro, o exército e as forças de segurança de Cuba têm vindo a enfrentar diversas dificuldades para manter a ordem no país. Havana transformou-se numa zona de guerra, depois da decisão de não permitir que o corpo do falecido líder fosse visto uma última vez pela população.

Em Havana a situação é dramática. Os tumultos, incêndios e saques já duram há três dias. Tudo começou após a decisão do Mandatário Raúl Castro, de cremar o corpo do seu irmão, Fidel Castro Ruz, o líder histórico da Revolução cubana, que faleceu na noite de sexta-feira, 25 de Novembro. Esta decisão gerou imenso desgosto e revolta junto da maioria dos cidadãos que, neste triste momento, queriam cumprir o ritual de despedida de "El Comandante".

Segundo uma crença popular, o processo de cremação impediria uma suposta ressurreição de Fidel. Raúl alega que apenas cumpriu a vontade do irmão, que lhe foi passada nos seus últimos momentos no leito de morte. Mas a declaração não foi o suficiente para acalmar os ânimos da população, que além de sofrer a dor da perda do mítico líder, ainda está apreensiva e com medo de uma nova tentativa de invasão às suas praias. Raúl pediu apoio da sociedade civil, mas advertiu que se a situação ficar descontrolada, irá declarar Estado de Sítio em Havana e decretará Lei Marcial.

Esta situação poderá pôr em risco o acordo russo-americano de aproximação política e comercial, assinado por Vladmir Putin e Donald Trump, pois o início desta cooperação dar-se-ia através de um projecto de reconstrução de casinos em Cuba, visando a criação de milhares de postos de trabalho, além do intercâmbio cultural entre as duas potências.

O Presidente Donald Trump, líder da maior Nação-Corporação do Mundo, os Estados Unidos Corporativos da América, declarou estado de alerta máximo na Flórida e nos Estados Amazônicos. Da Segunda Casa Branca, antiga mansão Playboy em Los Angeles, Trump ordenou o envio imediato de uma força operacional para actuar em Cuba.

LÊ TAMBÉM: "A Cuba dos Castro em 15 mensagens revolucionárias"

Segundo as últimas declarações do Secretário de Defesa americano, Arnold Schwarzenegger, a função desta força operacional, composta por comandos especiais da Coca-Cola, será de pacificar a população cubana e restaurar a ordem na região. O porta-aviões Rambo, que já se encontra nas Caraíbas, será a nave-capitã e a base de operações de onde partirão os primeiros aviões carregados de bombas-refrigerantes para Cuba. Putin, que ainda mantém mísseis russos em solo cubano, ainda não se pronunciou.

Em Caracas, logo após as declarações de Trump, o Presidente Maduro e Xi Jinping, líder chinês e comandante-em-chefe da coligação militar Pepsi-Samsung, advertiu que qualquer acção agressiva das forças da Coca-Cola em solo cubano será interpretada como uma declaração de guerra.

O General Ross, comandante da unidade americana em Guantánamo também se pronunciou: "Estamos aqui para cumprir o nosso dever e estamos preparados para o que der e vier! Que venham os cucarachas e os amarelos!". Em contrapartida, em Miami o povo saiu às ruas para comemorar... "hasta que finalmente se rompió!", "Já foi tarde!", "Fidel is in hell!"... São algumas das inscrições nas faixas e cartazes dos alegres manifestantes.

CAUSA MORTIS

Após 638 tentativas de assassinato realizadas pela C.I.A. e outras agências do serviço secreto americano, o laudo oficial da causa da morte de Castro, segundo Flores Sandino, chefe da Casa de Saúde de Havana, foi insuficiência cardíaco-pulmonar, devido ao alto índice de nicotina encontrado no sangue, somado à idade avançada do paciente, que faleceu aos 90 anos.

O que prova que ele morreu de velho, apesar do alto consumo de cigarros industrializados e não só de charutos artesanais como se pensava até agora. No palácio presidencial foi descoberto um depósito secreto, onde guardava pacotes de Marlboro filtro amarelo, contrabandeados do Panamá.

FIDEL IMORTAL

Uma boa parte da população espera a ressureição do seu líder, na encarnação de um espírito vingador, conhecido popularmente como, Calavera Roja. Há também uma facção do exército que não acredita na morte de Castro. Segundo a teoria deles, Fidel não poderia morrer, pois, quando esteve em Sierra Maestra na guerrilha, teria participado num ritual da Santeria para ter o corpo fechado.

A partir de então, Fidel seria o "cavalo" de um orixá que lhe daria protecção e imortalidade. Eles acreditam que o Comandante esteja refugiado nas montanhas, como na época da Revolução. Ainda outros crêem que Fidel faça parte do selecto grupo de celebridades que vivem em segredo na paradisíaca ilha do também suposto falecido actor, Marlon Brando, desfrutando da companhia de outras personalidades, como Elvis, Mandela, Margaret Thatcher, Marylin Monroe, Roberto Marinho, Michel Jackson, David Bowie, Zeca Afonso entre outros...

*Sama nasceu numa montanha em Minas Gerais, mas cresceu em lugares perigosos como São Paulo e Rio de Janeiro... É o irmão mais novo de uma matilha de 8 canalhas... Não acredita muito na sorte, mas sobreviveu ao crime, ao exército e à família. Tem formação em teatro e jornalismo, mas prefere fazer cinema e BD. No seu trabalho é notório o interesse por política e sacanagem. É autor dos livros: "A Balada de Johnny Furacão", "A Entrevista", "Xmas Thing" , entre outros... É ainda o criador do " Motel Sama", uma obra de teor erótico  noir, que se desdobra em séries, filmes, etc... que realiza com a sua cúmplice, Luísa Sequeira. De há uns anos para cá tem vivido em Lilliput, na Europa como refugiado intelectual...

Mais da VICE
Canais VICE