Quantcast
O Guia VICE para ser gay

Tudo aquilo que queriam saber sobre ser-se gay.



Os gays foram inventados por dois gajos na cidade de Sodoma no ano de 254 a.C.. Desde aí que toneladas de homens têm desfrutado uns com os outros sexualmente. Mas por mais divertido e normal que seja, MONTES de pessoas têm problemas com isso. Aliás, montes de pessoas acham que meter uma pila no rabo ou na boca de outro homem é como se a tivessem a esfregar na escova de dentes de Deus. Por causa disto, as “merdas gays” continuam a ser um assunto controverso especialmente evitado em eventos religiosos ou na presença de idiotas. Aqui fica o nosso guia completo para tudo aquilo que sempre quiseram saber sobre a gayzada, mas tinham medo de perguntar.

Ah, e para as lésbicas, também sabemos que vocês são gays. Mas isto é um guia para cenas gays de gajo. Vocês terão o vosso próprio guia em breve.



Sexo anal
Aparentemente, 15 porcento dos gajos gays nunca fazem sexo anal. Se alguém desses 15 porcento está a ler isto, DEVIAM EXPERIMENTAR! Até vos baterem no sininho por dentro, não vão saber o que estão a perder. Sim, as primeiras vezes vão doer, mas foda-se, pede ao teu rapaz para te dar no cu com jeitinho. É óptimo! Um aviso apenas, se perfurarem a toca do coelho vezes suficientes, vão acabar por encontrar um coelho. Mas, neste caso, esse “coelho” é cocó.

Cena aborrecida
A cena gay é uma merda. Mas se querem ter sexo, nem que seja pouco, vão ter de fazer parte dela. Seria de pensar que haveria um bar gay com as tuas especificações, existem bares para bears, paizinhos, punks gays, cowboys gays, gunas gays, e bares para gays com fetiches por cabelo ruivo (isto são tudo bares onde eu já fui, já agora). Mas não. Seja qual for o sítio, vais sempre ouvir o mesmo remix da “We Found Love” quatro vezes na mesma hora. E, puta que pariu, vais aborrecer-te.



Sair do armário
Uma miúda que eu conheço assumiu-se aos amigos num bar, algumas pessoas à volta ouviram, começaram a comentar, e ela teve estranhos a oferecerem-lhe bebidas a noite toda! Altamente, não é? Outro tipo que eu conheço assumiu-se à família e o irmão dele amarrou-lhe as mãos atrás das costas e atirou-o ao rio! Menos altamente, não é? Na maioria das vezes as histórias de saída do armário andam muito entre estas duas. Provavelmente nenhum pai celebra quando o filho leva o namorado a casa, mas também são poucos os que o atropelam à saída da garagem quando se vai embora.

O mais importante em sair do armário é que é melhor FAZÊ-LO REALMENTE. Eu sei que às vezes pode ser meio excitante ter um grande segredo que escondes de toda a gente (como se fosses o Batman), mas cada dia que um homem gay passa dentro do armário, faz com que ele enlouqueça um bocadinho. Por isso deita abaixo essas portas ou aceita o facto de que te vais tornar no Jeffrey Dahmer. A não ser que vivas na Arábia Saudita ou assim. Nesse caso, fica calado.

PS: Desculpa, mas toda a gente já sabe. Até a tua mãe. É óbvio, meu.

PPS: Se os teus pais forem cabrões e recusarem aceitar-te, eles que se fodam. Dá-lhes três anos para ficarem 100 porcento ok com isso (cinco se forem velhotes), depois disso é tarde de mais.


Drogas
A metanfetamina costumava ser a droga gay de escolha. Nos velhos tempos, os rabetas fodiam-se todos com metanfetamina e depois iam para festas de merda com música de merda e mandavam uns viagras para depois terem montes de sexo desprotegido e apanhar sida. A metanfetamina é horrível, nunca mandem essa merda. Ecstasy, erva e ácido (e coca) é na boa, mas prometam lá, não mandem metanfetamina. E a mefedrona ou seja lá o for essa nova merda que até os cotas andam a mandar. Drogas com “M” não são fixes, pessoal. Parem lá com isso.

Igualdade
Nunca vai acontecer! É o que diz toda a gente. Pensa nisso, há tantos sítios em que os gays são vistos com tanto respeito como merda na almofada: Médio Oriente, África, 50 porcento da Europa, um bocadão dos EUA, 99 porcento da América do Sul e 80 porcento da Ásia. Aposto mil euros como toda a gente que pisou a lua é ou era homofóbico — o que significa que também não é para nós.

Sim, já foi feito algum progresso, mas mesmo sendo optimista a pensar que os tipos medievais que odeiam gays vão ser substituídos pelos novos e fabulosos tipos liberais, vai demorar tanto tempo que os sítios que são agora liberais no planeta, vão acabar por voltar a cair no despotismo religioso e ódio aos gays. Que seca. Ainda assim, sabem o que é fixe? Quando os gays fodidos partem a boca a homofóbicos. Vamos fazer mais disso. E não se esqueçam de pôr no YouTube!



Bicha
Ei, heterossexuais! Esta é a nossa versão de nigga: os brancos não podem dizer nigga tal como os heteros não podem dizer bicha. Nós podemos e dizemos “ei, bicha, ‘tá tudo?” ou “achas que use esta t-shirt da tour da Celine Dion, ou é muito bicha?”, mas vocês não podem. Porquê? Porque é uma palavra (entre outras) que é usada em recreios e balneários e estádios de futebol e outros sítios onde retardados gostam de congregar. Eu sei que as vossas pessoas favoritas no mundo dizem que é na boa dizer estas coisas (Louis CK e o Tyler the Creator, já se sabe), mas eles não têm autoridade para decidirem estas cenas. Por isso, parem de dizer “bicha”, suas bichas.

Grindr
Os homessexuais ainda não encontraram uma tecnologia que não conseguissem adaptar para foder. Enquanto os reprodutores usam os seus smartphones para jogar MS Paint Pictionary uns com os outros (que divertido!), os gays usam-nos para entrar em contacto com qualquer homo entesoado nas proximidades. Os gays sempre andaram à caça; na rua, em banhos públicos, em lojas de pornografia, em casas de banho públicas, e nas saunas dos melhores ginásios do mundo. Agora isto está tudo no telemóvel.

Queres saber o quão excitados são os gays? Conectem-se agora… Estás a ver, há MILHARES, literalmente MILHARES de homens a tentar pinar-te. Sim, ninguém curte, mas aquele barulho que anuncia novas mensagens é oficialmente o novo grito de acasalamento, pelo menos até aparecer a próxima tecnologia. (Espero que seja aquela tecnologia de videochamadas com hologramas 3D, como no Star Wars.)

VIH/Sida
A sida é chunga e assustadora e a pior coisa de sempre e vais estar SEMPRE a pensar nela porque vais ficar paranoico. Constipado? É sida. Acordas com o pescoço dorido? É sida. Estiveste a 150 metros de um pénis desprotegido? É sida. Se fizeres uns exames e estiver tudo bem (e é melhor fazer isso, mesmo) e não tiveres sida? Bem, existe aquele período de três meses de incubação do vírus. É sida!



Vai acabar bem
Existem aqueles vídeos de celebridades no YouTube a falar com jovens gays que são ostracizados a dizer para eles não se matarem porque um dia, num futuro vago e cinzento, as coisas vão melhorar (e depois publicitam o seu novo álbum/filme/livro). E o que eles dizem é verdade! Juro, as coisas melhoram, mesmo. Mas também pioram. Não é tudo festas de sexo e concertos da Beyonce, miúdos. Os vídeos não falam do namorado tono que te deixa por um gajo mais novo, que se está sempre a preocupar com os abdominais e que é alvo de chacota por usar sempre os sapatos errados. A cena gay é lixada! Sim, há muitas coisas fixes em ser gay (quase sempre festas de sexo e concertos da Beyonce) mas também piora. Ninguém te vai dizer isso, mas é verdade. Mas tem calma, não te mates.

Prisão
Só estou a incluir esta aqui, porque acabei de ler um artigo sobre como ser gay na prisão. E não me pareceu muito fixe. Por isso, porta-te bem. Ah, e se alguém te disser que a prisão deve ser tipo o céu para os gays, viola essa pessoa e depois bate-lhe com uma meia cheia de pedras, depois chama-lhe paneleiro e pergunta se ela curtiu.

Suicídio
Os gays fazem isto com muito mais frequência do que os heteros. Tipo, umas duas ou três vezes mais, segundo uma pesquisa que acabei de fazer no Google. Obviamente, isto não é boa cena. Deve ser porque uma grande proporção da Terra é habitada por otários que gostam de ser maus para nós. Toda esta maldade significa que, para além de suicídio, também vão lidar bastante com distúrbios mentais. Todos os gajos com quem dormires/namorares vão ser um bocado malucos. Mas tu também és, por isso não te queixes. Imagina o quão divertido isto torna as separações!

Lésbicas
Sim, elas são as nossas irmãs da luta, mas tirando o facto de também não terem os direitos todos, gajos gays e fufas não têm nada a ver. Até nem nos damos muito bem socialmente. No entanto, se vives numa cidade pequena e só tens um bar gay, vão ter de conviver. O que é ok, mas não lhes dês muita atenção, não estás lá para isso.



Casamento

Não dá para fazer em muitos sítios. Mas também para que é que te queres casar? Nunca viste uma sitcom? Casamento é uma seca. É tão seca que quase toda a gente se divorcia, que é a única coisa mais chunga do que o casamento. Mas era bom ter a opção.

Sexo badalhoco
Sabes como é fixe fazer sexo? A cena ainda melhor em ser gay é que ninguém quer saber se és uma puta (excepto aqueles gays burgueses monógamos e aborrecidos. Também ninguém quer dormir com esses gajos). No entanto, 95 porcento dos gays têm um fetiche estranho qualquer e que esperam que tu os satisfaças. O relatório do meu último mês:

— Pediram-me para bater umas com preservativo e guardar para depois um gajo qualquer beber a beita;

— Um gajo enviou-me um anexo com coisas horríveis que alguém lhe disse quando andava na escola e pediu-me para lhe escrever isso violentamente no corpo enquanto lhe cuspia;

— Levar um gajo para um campo, tirar-lhe a roupa, bater-lhe com todas as forças, mas sem partir nada, e deixá-lo lá.

Mas pronto, se achas que consegues fazer essas cenas sem te rir ou vomitar, força nisso! A não ser que eles curtam que te rias e que te vomites, nesse caso, força nisso também. Pode ser que encontres uma cena diferente que até curtas.

Gajos velhos
Ei, gajos velhos: é ok curtirem tipos mais novos. Porque também há tipos mais novos que curtem gajos velhos! Mas, por favor, tentem não tornarem-se em velhos estranhos. Não preciso de ter a conversa educada “põe-te no caralho” com pessoas de 60 anos cada vez que entro num bar gay. Deixem essas merdas para o silverdaddies.com, ou isso.

Abichanado
Se és um gay abichanado, as coisas vão ser mais difíceis para ti. Não só é mais fácil para heteros homofóbicos identificarem-te, como também os outros gays vão ser chungas contigo. É que os gays adoram odiar-se uns aos outros. Seja quem fores, alguém vai achar que és demasiado gay ou que não és gay suficiente, ou que és nojento porque achas que o Zac Efron é todo bom, ou que és um homofóbico recalcado porque não sabes a letra toda da “Vogue” da Madonna. Suponho que quando toda a gente é idiota para ti enquanto cresces, acabas por ser um bocado cabrão. Tipo, quando nas novelas há aquele episódio em que aparecem os pais do bullye são tão cabrões que ficas todo “ohhhhhhh”. Por outro lado, se és mesmo muito abichanado, provavelmente também és mesmo muito divertido e montes de raparigas heteros vão querer ser tuas amigas. Yay!



Moca
Os poppers são a melhor cena. Mandas e depois fazes broches. Broches mesmo fundos e insanos em que levas a pila pelo teu esófago até ao intestino delgado. Os poppers tornam-te gay ao quadrado. Fazem relaxar os teus músculos involuntários como os da garganta e do ânus e torna aquelas badalhoquices gays muito mais fáceis de se dizer. Também te deixa meio tonto e tão assanhado que és capaz de afogar qualquer pila num raio de 10 quilómetros em qualquer um dos teus orifícios e mesmo assim não ficar satisfeito. Também te faz sentir como se estivessem a acumular pedras na tua cabeça, mas vale mesmo a pena.



Estereótipos
Existe o estereótipo do homen gay efeminado, que fala fininho e é obcecado por moda. É chato ter de viver com isto. Mas também é meio libertador. Tipo, a maioria dos gays tem muito mau gosto. Por isso, se gostas da música da Katy Perry ou achas que o Miss Congeniality 2 é um filme fixe (que até é), podes admitir que ninguém vai querer saber. Até é estranho se não o fizeres. Não tens de fingir que não curtes, como fazem os heteros.

E vamos dizer as coisas como elas são, pessoal hetero: vocês estão a fingir. Isto é entretenimento criado num laboratório e testado em amostras de audiências para o tornar o mais universalmente apelativo possível. Vocês são livres de não querer ver ou ouvir estas coisas. Mas não digam que as odeiam. É como dizer que não curtem o sabor de um Big Mac porque é demasiado popular. Divirtam-se a arrumar o vosso quarto ao som daquele maluco do Aphex Twin!

Transexuais
Não tem muito a ver com ser gay, eu sei. Mas fazemos todos parte da grande família LGBTQIOULÁQUERAIOÉ, e os transexuais são os que estão pior — viver em “pobreza extrema” é quatro vezes mais provável, 41 porcento já tentaram suicidar-se, e 78 porcento dizem ser frequentemente assediados —, por isso sejam simpáticos com eles. Ok?



Roupa interior
Podemos parar de usar cuecas tipo speedo ou seja lá o que for aquela merda? Roupa interior elaborada/sexy/cara é a pior cena. E já que estamos a falar de roupa, nova regra gay: se alguma peça de roupa não tem mangas, também não pode ter carapuço. Sem excepções. Obrigado.

Vaginas
Eu sei que existe uma rotina de stand up sobre isto, mas não sei de onde vem a reputação dos gays serem mariquinhas. Enfiar o pénis num monte fofo, carnudo, auto-lubrificante que cheira a camomila é que é mariquinhas. Levar com uma pila dura de 20 centímetros num buraco desenhado para fazer cocó, é de homem.

Espiritualismo
Não sei bem porquê, talvez tenha alguma coisa a ver com a popularidade que programas como o Buffy ou o The Craft têm entre gays de uma certa idade, apesar de os gajos gays curtirem muito merdas hippies. Se alguém te perguntar de que signo és ou falar sobre Reiki ou, e ESPECIALMENTE, se mencionar o termo “radical faerie”, não importa se ele é todo bom: foge!



C
romossoma X
Supostamente, é onde está o gene gay. Vês? O Freud tinha razão. A culpa é da tua mãe.

Desejo
Oh meu deus, o desejo. Só para aí dois ou três porcento das pessoas são gays, não? E, como já devem ter percebido, os homens hetero são muito mais suculentos do que os gays. Vais apaixonar-te pelos amigos do teu irmão. E pelos amigos do teu pai. E pelos amigos dos teus amigos. E gajos na rua. E pelo gajo que se senta ao teu lado no trabalho (oi, Bruno!). O cinema gay leva-te a acreditar que os heteros são capazes de ser seduzidos, mas não são e vais passar 25 porcento do teu tempo a envergonhar-te em frente a eles. Talvez seja melhor nunca ficar bêbado em situações onde vais ter de interagir com um hetero. Não vai acabar bem.

Zzzzzzzzzzzzz
Ser gay torna-te parte da comunidade gay, o que quer dizer que vais fazer parte de um grupo de pessoas super-sérias insuportáveis e politicamente correctas que mandam expressões para o ar como “privilégios heterossexuais” ou “subcultura homogeneizada, ultra-comodificada”, reduzindo uma cena que tem montes de potencial para os LOLs, à merda mais aborrecida de sempre. Aliás, até são capazes de encontrar alguns desses tipos nos comentários abaixo. Olá!!!