Imaginemos as terríveis festas futuras do Justin Bieber

Uma coisa é certa: tenham medo.

|
04 janeiro 2013, 2:00pm



Em 1982, o Prince declarou que iria dedicar-se à borga como se fosse 1999 — o ano anterior ao suposto apocalipse do novo milénio. Claro que o tipo que venera a chuva roxa não estava, necessariamente, a dizer que o mundo acabaria no ano 2000, mas estava a aproveitar a ocasião para a organizar a derradeira folia, a festa suprema que ele planeava concretizar, até ao fim dos seus dias. O dia 1 de Janeiro de 2000 chegou e muitos outros depois dele. E, apesar de o mundo não ter acabado, a ideia de festejar como se fosse 1999 continuou na cabeça das pessoas.

Desde então, o apocalipse tem sido previsto quase mensalmente por uma variedade de fontes mais ou menos credíveis do que o Prince. Falamos de grupos religiosos, animadores de rádio, falsos cientistas e, mais recentemente, um grupo de histéricos que consultaram o calendário Maia na Wikipédia. Contudo, e infelizmente para estes pensadores optimistas, o mundo em que vivemos ainda existe. Ao invés de terminarmos a nossa existência, ainda aqui estamos, de pés bem fincados nas nossas vidas merdosas.

E é aqui que entra o Justin Bieber. Em “Beauty and a Beat”, o seu novo single, o Bieber retoma a crença do Prince, ao afirmar que vai festejar como “se hoje fosse 3012”. Em valor real, este presságio é uma afirmação de vida. Nós, humanos, vamos manter-nos firmes perante toda e qualquer celeuma. Ou seja: daqui a milhares de anos ainda estaremos a fazer festas e a sair à noite. Contudo, o Justin esqueceu-se de um facto incontornável sobre o futuro do nosso planeta e da nossa espécie. Se realmente chegarmos ao ano 3012, o mundo será certamente um lugar hediondo, assustador e horripilante.

Ao longo dos séculos vindouros, e por todo o globo, o nível das águas do mar vai subir, submergindo as cidades mais costeiras, especialmente aquelas situadas nos chamados “países em desenvolvimento”, que são os que têm a menor contribuição para as alterações climáticas. O resto do mundo vai ser devastado e levar, continuamente, com de super-tempestades para cima. Entretanto, a qualidade do ar, do solo e da água vai, progressivamente, continuar a piorar, enquanto as nossas reservas de carvão e petróleo se esgotarão. A energia nuclear continuará a ser uma desgraça ambiental e todos os políticos carismáticos, todas as organizações não-governamentais e todos os assessores chorões vão ser completamente incapazes de parar este desfile de eventos mortíferos.

Resumindo: quando este delicado ecossistema global — que, gentilmente, alimentou a ascensão da humanidade — começar a desfalecer, os recursos básicos irão desaparecer. Ar nocivo, água salobre e comida intragável que tornar-se-ão em mercadorias pelas quais arriscaremos as nossas curtas e cancerosas vidas. As guerras que se iniciarão entre os diversos governos, na busca de recursos, vão, rapidamente, evoluir para um conflito à escala global. E todos os estados perderão a abilidade de providenciar serviços básicos, reprimindo as respectivas populações.

Sentiremos uma perda de fé na habilidade lógica, razoável e científica para resolver problemas básicos. A nossa obsessão suicida com os problemas científicos não será substituída por uma concepção mais humana ou espiritual do universo. Muito pelo contrário: isto conduzirá a uma era negra de xenofobia brutal, de superstições e de barbárie. Os filósofos irão enaltecer as virtudes da razão esclarecida que emana das câmaras de tortura. Os sacrifícios humanos tornar-se-ão num lugar-comum, as entranhas estripadas serão uma decoração comum nas ruas, apelando aos novos deuses impiedosos.

Resumindo, o Justin Bieber é um gajo marado. Todos sabemos que a infância passa rapidamente, mas que tipo de merdas é que ele não deve ter mandado nos últimos anos para pensar que já está a festejar em 3012? E, esquecendo isso, qual será o seu próximo passo? O cadáver reanimado do Caligula nunca derrubará o Justin Bieber. Nem nunca o afugentará… Mas, atenção! O Bieber está em boa companhia — se há alguém na indústria que o pode ajudar nesta senda é a sua nova colaboradora, uma tipa chamada Nicki Minaj.

Mais da VICE
Canais VICE